Búsqueda avanzada de temas en el foro

Resultados 1 al 9 de 9

Tema: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

  1. #1
    Avatar de Imperius
    Imperius está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    27 feb, 08
    Mensajes
    172
    Post Thanks / Like

    O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Gostaria de saber a opinião do demais foristas sobre o texto que em seguida colocarei. Se discordarem, peço desculpa, pois o meu conhecimento nesta matéria é muito limitado. Assim peço a vossa opinião se o texto fala ou não verdade. O texto está em Português do Brasil.

    “À guisa de conclusão, permita-me fazer um pequeno esquema que pode ajudar a compreender o nexo dos erros do Modernismo, muitos deles expressos nos textos do Vaticano II, e outros, ainda que não literalmente expressos, servindo apenas para concatenação lógica entre eles. 1 – O erro fundamental: a existência de uma semente divina no homem
    Salvo melhor juízo, considero que o erro fundamental do Vaticano II, erro do qual nascem, como de uma raiz, todos os demais erros desse Concílio pastoral é a afirmação da Gaudium et Spes de que Deus colocou uma semente divina no homem:
    “Por isso, proclamamos a vocação altíssima do homem e afirmamos existir nele uma semente divina, o Sacrossanto Concílio oferece ao gênero humano a colaboração sincera da Igreja para o estabelecimento de uma fraternidade universal que corresponda a esta vocação” (Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática Gaudium et Spes, n* 3. O destaque é meu).
    Essa afirmação da Gaudium et Spes é contrária à doutrina católica defendendo uma tese tipicamente gnóstica.
    Se alguma semente existe no homem é a do pecado. Pois está dito nos Salmos:
    “Eis que fui concebido em iniqüidade, e minha mãe me concebeu no pecado”(Sl. L, 7).
    Todo homem nasce com o pecado original, que causa uma grande desordem em sua natureza. O homem não tem semente divina em si. O texto da Gaudium et Spes discrepa diametralmente de tudo o que a Igreja sempre ensinou sobre o homem.
    Além disto convém lembrar o que o mesmo Nosso Senhor Jesus Cristo nos ensinou:
    “Ouvi-me todos e entendei: Não há coisa fora do homem que, entrando nele, o possa manchar, mas são as que saem do homem,essas são as que tornam o homem impuro. Se alguém tem ouvidos para ouvir , ouça”( Mc., VII, 15).
    Portanto, o mal provém do interior do homem.
    Logo, não há nele semente divina.
    Quem tiver ouvidos para ouvir, ouça.
    E não se nos venha dizer que essa semente divina no homem deve ser entendida como a graça santificante, porque esta nos é dada com o Batismo, e só os batizados a possuem, enquanto o texto da Gaudium et Spes atribui a existência de uma semente divina a todo homem.
    Essa semente divina no homem seria o Cristo pmeumático, distinto do Jesus Cristo histórico. O homem Jesus teria sido apenas um homem extraordinário, que teria tido uma experiência interior com a semente divina existente nele—o Cristo–, como em qualquer outro homem. Ele teria sido apenas um primeiro homem a alcançar a auto-divinização pelo conhecimento da divindade imanente nele. Daí, alguns o chamarem de O Cristo. Noutras confissões religiosas essa semente divina poderia ser denominada Buda, Allah, Brahman, ou qualquer outro nome que seja.
    Claro que disso nascem o ecumenismo e o indiferentismo religioso.
    Como disso nasce também, depois de quarenta anos do Concílio, a Ditadura do Relativismo de que falou com tanta razão o Cardeal Ratzinger, em seu sermão, na Missa de abertura do Conclave, que o elegeu Papa Bento XVI.
    Alguém poderia argumentar contra nós, citando a I Epístola de São João onde se lê:
    “Todo o que nasce de Deus, não comete pecado, porque a semente de Deus permanece nele, e não pode pecar porque nasceu de Deus. Nisto se distinguem os filhos de Deus dos filhos do demônio” (Jo. I Epist., I, 9-10).
    Repare o paciente leitor que São João diz: “Todo o que nasce de Deus” é que tem a “semente divina”. São João afirma que só tem a semente divina quem nasce de Deus. Enquanto que o Vaticano II afirma que todo homem tem essa semente divina.
    São João afirma que o homem batizado, que “nasceu de Deus”, que “nasceu da água e do Espírito”, isto é, o homem batizado e elevado à ordem sobrenatural é que tem a “semente de Deus”, isto é a graça de Deus.
    Por isso, como já citamos, São João diz no Evangelho:
    “Mas a todos os que o receberam deu o poder de se tornarem filhos de Deus, aos que crêem em seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (Jo. I, 12-13).
    O Vaticano II afirma que o homem, naturalmente tomado, tem a semente de Deus. O que identifica a ordem natural e a ordem sobrenatural que era um dos erros da gnose Modernista, condenada por São Pio X na Pascendi.
    Para o Vaticano II, todo homem, mesmo o que “nasce do sangue e da vontade da carne” e da “vontade do homem” tem a tal semente divina.
    O que diz o Vaticano II é o contrário do que diz São João em sua Epístola, e no seu Evangelho.
    Aí vai a explanação de Santo Agostinho sobre a semente de Deus, da qual fala São João em sua Primeira Epístola:
    “‘Todo o que é nascido de Deus, não comete o pecado, porque a semente de Deus permanece nele’. A ‘semente’ de Deus significa a palavra de Deus [Semen Dei, id est, verbum Dei], donde o Apóstolo dizer: ‘Fui eu que vos gerei em Jesus Cristo por meio do Evangelho’ (1 Cor 4, 15). ‘E não pode pecar, porque nasceu de Deus’.” (Santo Agostinho, Tractatus in Iohannis epistulam ad Parthos, Quinta Homilia, Nº 7).
    Para o Doutor da Graça, como se vê, a “semente divina” seria o Evangelho enquanto meio pelo qual os fiéis são gerados em Cristo. Portanto, trata-se novamente do princípio da vida sobrenatural nos batizados. E não de algo que existiria em todos os homens, como quer o Vaticano II.
    Vejamos também o Comentário da Bíblia da Universidade de Navarra a 1 Jo 3, 6-9, que citamos, apesar de sua extensão, em razão de sua extrema relevância para essa questão, lembra que:
    “Para entender bem as afirmações de São João, convém recordar a sua batalha doutrinal contra os falsos mestres – os gnósticos –: estes pretendiam enganar os fiéis (v. 7), aduzindo um conhecimento especial de Deus (gnosis), que os situava por cima do bem e do mal, de maneira que o considerado pela Igreja como pecado, era para eles indiferente e incapaz de lhes arrebatar a sua pretendida união com Deus.
    “Perante estes hereges, o Apóstolo faz-se eco das palavras do Senhor: ‘Pelos frutos se conhece a árvore’ (Mt 12,33). Assim, o verdadeiro cristão é conhecido pelas obras de justiça (v. 7), ou seja, pelo cumprimento dos mandamentos divinos, levando uma vida de santidade. Por isso são incompatíveis com o pecado as qualidades que definem a existência cristã: a filiação divina – ‘quem nasceu de Deus’ (v. 9) –, a união vital com Cristo – ‘quem permanece nEle’ (v. 6) –, a graça santificante junto com as virtudes infusas e os dons do Espírito Santo – tal parece ser o sentido da expressão “germe divino” (v. 9). Deste modo se entende como ‘quem permanece nEle (Cristo) não peca’ (v. 6).
    “Mais ainda, enquanto ‘o germe divino permanece nele… não pode pecar’ (v. 9). É evidente que São João não pretende afirmar que o cristão seja impecável; ao começo da carta tinha dito: ‘Se dissermos que não temos pecados, enganamo-nos a nós próprios’ (1,8). O que quer deixar claro é que ninguém pode justificar o seu próprio pecado sob o subterfúgio de se proclamar filho de Deus; a justiça dos filhos de Deus reflete-se nas suas obras, enquanto ‘o que peca, esse é do Diabo’ (v. 8), visto que pelo próprio pecado rompeu com Deus e submeteu-se à escravidão do Demônio.
    “A antiga heresia voltou a brotar, de alguma maneira, na nossa época: há quem afirme que a transgressão dos mandamentos divinos, mesmo em matéria grave, não rompe a união com Deus, enquanto se mantenha a ‘opção fundamental’ por Ele. Contra este erro, o Magistério da Igreja recorda que ‘se deverá evitar reduzir o pecado mortal a um ato de “opção fundamental” – como hoje se costuma dizer – contra Deus, entendendo com isso um desprezo explícito e formal de Deus ou do próximo. Comete-se, com efeito, um pecado mortal também, quando o homem, sabendo e querendo, escolhe, por qualquer razão, algo gravemente desordenado. Com efeito, nesta escolha está já incluído um desprezo do preceito divino, uma rejeição do amor de Deus para com a humanidade e para com toda a criação: o homem afasta-se de Deus e perde a caridade’ (João Paulo II, Reconciliatio et Paenitentia, nº 17).” (Bíblia Sagrada, traduzida por vários autores portugueses para Editorial Universus e anotada pela Faculdade de Teologia da Universidade de Navarra, Edições Theologica, Braga, 1991, Vol. III,José Maria Casciaro (dir.), p. 728-729. Os negritos são nossos; os itálicos, do original)
    2 – Todo homem necessariamente estaria salvo. A salvação é universal
    Desse modo, todo homem, pertença ele a religião que for, teria essa semente divina. Conseqüentemente, todo homem, por ser homem, tendo essa semente divina, estaria necessariamente salvo, tendo fé ou não, praticando ou não a lei de Deus, porque não se poderia pensar que Deus mandaria para o inferno quem tivesse em si uma semente divina. Deus não poderia condenar a si mesmo. É a tese da salvação universal, defendida pelo neo modernista Urs Von Balthasar, que tanta influência teve no Vaticano II. Daí, a teoria dos “cristãos anônimos”: ateus e hereges seriam cristãos sem o saberem, pois, ainda que o ignorassem, teriam em si uma semente divina que os faria substancialmente cristãos, e mesmo divinos.
    3 – Fora da Igreja haveria salvação
    O IV Concílio de Latrão proclamou o dogma de que fora da Igreja não há salvação:
    “E uma só é a Igreja universal dos fiéis, fora da qual ninguém absolutamente pode se salvar” (Uma vero est fidelium universalis Ecclesia, extra quam nullus omnino salvatur”.
    Claro que devem se incluir na igreja aqueles que pertencem à sua alma, e que estão fora de seu Corpo visível, por ignorância invencível.
    Mas a doutrina do modernista Padre Henri de Lubac, seguida pelo Vaticano II, diz o contrário: a salvação seria universal graças à semente divina existente em todo homem.
    A salvação não exigiria nem a Fé e nem a obediência aos dez mandamentos. Os homens pertenceriam à Igreja, ainda que não o soubessem. É a tese absurda dos “cristãos anônimos”, que poderiam ser os famosos “homens de boa vontade” que não se incluem em nenhuma religião.
    4 – O antropocentrismo do Vaticano II
    A afirmação da Gaudium et Spes de que há uma semente divina no homem faz dele o centro de tudo, apresentando o homem como um deus in fieri. Desse modo, o Vaticano II aceitou o Humanismo e o Antropocentrismo inserindo a Igreja na Modernidade. O Vaticano II, assim como a filosofia da Modernidade, colocou o Homem no lugar de Deus
    O próprio Paulo VI constatou isso, e em lugar de corrigir esse erro idolátrico o aceitou, proclamando que a adesão do Vaticano II ao antropocentrismo foi proposital e não um desvio inadvertido.
    Disse Paulo VI:
    “Ainda há um outro ponto que Nós devemos destacar: toda esta riqueza doutrinária [do Concílio Vaticano II] visa somente uma coisa: servir o Homem’ (Paulo VI, Discurso de Encerramento do Vaticano II, em 7 de Dezembro de 1965)
    “Tudo isto, e tudo aquilo que Nós podemos ainda dizer do valor humano do Concílio [Vaticano II], talvez tenha desviado o pensamento da Igreja do Concílio em direção de posicionamentos antropocêntricos, tomados da cultura Moderna? Não, a Igreja não se desviou, mas Ela se voltou em direção ao homem…
    “A mentalidade moderna, habituada a julgar todas as coisas pelo seu valor, pela sua utilidade, quereria bem admitir que o valor do Concílio é grande pelo menos por esta razão: tudo foi orientado para a utilidade do homem! Portanto, não se declare mais inútil uma religião, como a religião Católica que, na sua forma, a mais consistente e eficaz, como esta do Concílio, proclama que Ela está toda inteira a serviço do homem…’ (Paulo VI, Discurso de Encerramento do Vaticano II, em 7 de Dezembro de 1965).
    “Neste Concílio [Vaticano II] a Igreja quase se fez escrava da humanidade’ (Paulo VI, Discurso de Encerramento do Concílio Vaticano II, em 7 de Dezembro de 1965).
    E ainda:
    “Humanistas do século XX, reconhecei que também Nós temos o culto do Homem’. (Paulo VI, Discurso de Encerramento do Concílio Vaticano II, em 7 de Dezembro de 1965).
    Na Sagrada Escritura se proclamou:
    “Isto diz o Senhor: maldito o homem que confia no homem”(Jer. XVII, 5).
    Mas, desgraçadamente, Paulo VI escreveu: ‘Nós temos fé no homem’. (Paulo VI, Entrevista em Sidney, 2 de Dezembro de 1970).
    5 – A Religião como Fenômeno Humano
    Sendo Deus imanente ao homem pela semente divina que existiria nele –em todo homem—a religião seria um fato natural, universal, nascido de dentro do ser humano.
    Seria essa semente divina existente no homem – em todo e qualquer homem –a causa do fenômeno religioso. Desse modo, todas as religiões teriam a mesma e única origem. As distinções e diferenças de credo seriam resultantes da tentativa frustra de interpretar com palavras racionais aquilo que a semente divina manifesta inefavelmente no interior de qualquer homem. Portanto, as diferenças de credo seriam absolutamente secundárias. Seriam essas diversas crenças as responsáveis pela instituição das diferentes religiões. Porém, mais que as religiões, valeria a religiosidade fundamental. No fundo, haveria uma só religião, resultante da semente divina imanente ao homem. O importante não seria pertencer a esta ou àquela religião, crer nisto ou naquilo, mas atender ao apelo profundo da semente divina imersa no ser humano.
    6 – A revelação não seria de verdades mas da própria res divina existente como semente no homem
    Até o Vaticano II, sempre foi ensinado que a revelação era constituída por verdades que Deus fez o homem conhecer. Para a heresia modernista, condenada por São Pio X na encíclica Pascendi, a revelação não seria de verdades a que o intelecto humano deveria aderir por causa da autoridade de Deus revelador e da Igreja, mas sim por causa da própria substância de Deus, imanente no homem e no universo, e que se manifestaria ao homem por meio de uma experiência interior, que lhe daria um sentimento do divino existente nele mesmo.
    Não é outra a noção de Gnose.
    Ora, o próprio Instituto Paolo VI de Brescia, respondendo à nossa crítica ao Vaticano II, reconheceu que no Concílio de João XXIII e de Paulo VI
    “se efetuou a passagem de uma concepção intelectualística para uma concepção histórico-salvífica personalística da revelação”.
    E explicou a seguir que: “A concepção histórico-salvífica entende a revelação como auto-manifestação do próprio Deus à história e na história do homem, através da missão de Jesus e do Espírito”.
    Conforme o Vaticano II, então, a revelação não deve ser entendida como ‘mera instrução divina’, mas que ela é uma revelação, de per si, salvadora.
    Veja-se o que expôs o Centro Cultural Carlo Caffarra sobre esse ponto:
    “Ouvindo quanto foi dito até agora, não quereria que pensassem do seguinte modo: Deus me faz conhecer a Si mesmo ‘O termo ‘Revelação’ conota, pois, um fato: Deus se dá a conhecer ao homem e faz o homem conhecer o projeto que Ele tem com relação a ele. Este projeto é que o homem participe da própria natureza divina. A ‘Revelação’, portanto é inseparavelmente teológica: é o próprio Deus que revela a si mesmo, e antropológica: é o próprio Deus que revela ao homem o seu destino’.
    ‘A palavra ‘Revelação’ - este é um ponto central – não é um puro discurso de palavras no sentido que Deus revela a si mesmo e faz conhecer o mistério da sua vontade falando somente ao homem sobre Si mesmo e sobre o mistério da sua vontade. Mas a ‘Revelação’ conota também, antes em primeiro lugar, um complexo de atos cumpridos por Deus mesmo; conota um conjunto de acontecimentos dos quais é responsável, ator Deus mesmo.’E’ através desses atos que Deus revela a si mesmo e faz conhecer o mistério da sua vontade. Mas, sempre para ter um conceito o quanto possível preciso de ‘Revelação’, e neste ponto é necessário fazer uma reflexão.’(Centro Culturale Cattolico Carlo Caffarra www.caffarra.it LA RIVELAZIONE DIVINA, ‘Cristo e la divina Scrittura sono il rimedio d’ogni disgusto’, lição dada aos professores. Ferrara 19-02-03. O negrito é meu e o sublinhado é do original).
    E há outros autores ainda que afirmam a mesma conclusão, isto é, que o conceito de revelação do Vaticano II, no documento Dei Verbum, é realmente novo.
    Gregory Baum e Avery Dulles- que depois foi feito Cardeal - estão entre eles:
    ‘Uma abordagem notavelmente informativa, clara e entusiasta da Dei Verbum saiu recentemente da pena de um outro especialista do Concílio, Gregory Baum, O.S.A. (’Vatican II’s Constitution on Revelation: History and Interpretation,’ Theological Studies, vol. 28/1 (March 1967), pp. 51-75.). Ele assume a posição que o coração do documento deve ser encontrado no novo conceito de revelação contido no primeiro capítulo, nominalmente, que a revelação deve ser identificada com a pessoa de Jesus Cristo.’ (Avery Dulles, S.J., ‘Theological Table-Talk’, rivista Theology Today, Oct/1967, http://theologytoday.ptsem.edu/oct19...tabletalk1.htm. O negrito é meu).
    Avery Dulles faz um paralelo entre a revelação conforme o Vaticano I e a revelação de acordo com o Vaticano II:
    ‘Em termos que são indicativos, porém por demais crus, para fazer justiça à complexidade da questão, pode-se dizer que o Vaticano I vê a revelação sob uma luz que é intelectualista, abstrata, escolástica e, até um certo ponto, proposicional. Ao contrário, a visão do Vaticano II pode ser adequadamente caracterizada como vitalista, concreta, bíblica e histórica.’ (Avery Dulles, S.J., ‘Theological Table-Talk’, rev. Theology Today, Oct/1967, http://theologytoday.ptsem.edu/oct19...tabletalk1.htm ).
    Revelação conforme o Vaticano I:
    1- Intelectualística
    2- Abstrata
    3- Escolástica
    4- Proposicional
    Revelação conforme o Vaticano II:
    1- Vitalista
    2- Concreta
    3- Bíblica
    4- Histórica
    Qual das duas posições repete o que dizia o Modernismo?
    Jean Guitton deu seu voto, respondendo que o Vaticano II é Modernista
    E que o novo conceito de revelação do Vaticano II, defende que ela é da própria res divina mais do que de verdades recebidas e transmitidas intelectualmente é confirmado por Xavier Zubiri,.um filósofo considerado mestre pelo Neo Catecumenato, movimento nascido do espírito do Vaticano II. Os livros desse autor são adotados nos seminários Redemptoris Mater, do caminho Neo Catecumenal.
    ‘Zubiri, entende a revelação desde a experiência da religação, como a presença real de Deus, enquanto pessoa, no fundo da realidade humana. Quem recebe essa peculiar e gratuita palpitação se converte, por isso, em ‘iluminante’, mas sempre será uma palpitação de Deus desde o próprio seio do espírito humano.Se chamamos revelação ao conjunto de verdades e palavras, é porque ela é destinada aos demais e a eles elas são transmitidas com palavras; porém no receptor primário a revelação é uma iluminação interior. Revelação, entretanto, supõe ter entendido que o fundamento da divindade é um Deus pessoal e livre. No prólogo ao livro de Olegario González Misterio trinitario y existencia humana, Zubiri diz que a função própria da revelação é constituir o homem em Deus, e dirigir sua vida em direção a ele. Revelação não é incorporação a uma doutrina, mas incorporação do próprio Deus à realidade humana, incorporação que culmina (no cristianismo) na Encarnação.’ (María Lucrecia Rovaletti, ‘La dimensión teologal del hombre - Apuntes en torno al tema de la religación en Xavier Zubiri’, nota 45, ftp://www.zubiri.org/zubiri/general/...aletti1999.doc O sublinhado e negrito são meus ).
    Portanto, para esses teólogos, a revelação, conforme o Vaticano II, teria por objeto “uma verdadeira comunhão inter-pessoal entre o homem e a Santíssima Trindade”, que tornaria o homem Deus.
    Esse seria o “mistério do homem” que Cristo teria vindo revelar ao homem: que no fundo de seu ser haveria uma semente divina que o torna Deus, e que dessa semente nasce a revelação da própria res divina ao homem.
    7 – A revelação divina interior em cada homem é inefável. Por isso, todos os credos são deformadores da revelação
    A revelação divina seria inefável. Querer traduzi-la em palavras a deformaria. Daí, todos os credos serem sem valor ante a experiência mística pessoal. Os dogmas seria tentativas vãs de formulação da verdade impossível de ser alcançada. Todos os dogmas seriam então superáveis e susceptíveis de uma interpretação cada vez mais profunda. Por isso, as igrejas deveriam dialogar ecumenicamente, uma auxiliando as outras, dando, umas às outras, o que teriam alcançado intuir da realidade divina jamais alcançável.
    8 – Nenhuma Religião particular poderia se afirmar como a única verdadeira e nem pretender ter o monopólio da Verdade.
    Se a revelação não é constituída por verdades dirigidas ao intelecto, mas é uma experiência interior com a divindade imanente no homem, se essa experiência mística é inefável, é absurdo uma religião concreta pretender possuir a verdade religiosa.
    Todas as religiões possuiriam algo da verdade revelada na experiência religiosa. Todas as religiões seriam de algum modo verdadeiras, sem que nenhuma delas pudesse se dizer a única verdadeira, a única possuidora da verdade, pois que, em sentido próprio, não há verdade.
    9 – As igrejas instituídas teriam então um só fundo divino comum.
    Acima das diversidades de credos, dever-se-ia colocar então a adesão à experiência religiosa fundamental que seria inefável, isto é, impossível de ser expressa por meio de palavras. Daí, os dogmas deverem ser deixados de lado, salientando a experiência mística interior, proveniente do contato com a semente divina imanente no homem. Mais do que a Fé, valeria a experiência mística, o conhecimento –a Gnose—que levaria intuitivamente, e não racionalmente, a entrar em contato com a divindade imanente. Mais do que os dogmas e pretensas verdades das várias religiões, valeria o amor.
    10 – A Igreja verdadeira seria espiritual e formada por aqueles que atingiram a experiência interior, conhecendo o mistério do homem, isto é, a semente divina no homem
    A Igreja de Cristo seria essa comunidade dos homens que teriam alcançado a união íntima com Deus, união a que toda a humanidade é chamada, pois que todo homem, pelo simples fato de ser homem, possui a semente divina em si, e não pode se perder. Daí a doutrina da salvação universal e a identificação da Igreja com a humanidade.
    A Igreja espiritual teria como fim auxiliar a realização da fraternidade universal, pela divinização de todo homem. Não é outro o fim da Maçonaria.
    11 – A Igreja de Cristo — a Igreja espiritual – subsiste em todas as religiões positivas.
    Em todas as religiões se encontrariam homens que teriam chegado a alcançar o conhecimento do mistério do homem, por meio de uma experiência mística pessoal e interior. A subsistência da Igreja espiritual –a Igreja de Cristo – teria graus diversos em cada religião concreta. Mais do que qualquer outra, a Igreja Espiritual subsistiria na Igreja Católica, sem lhe dar, porém, superioridade sobre qualquer outra.
    12 – O Ecumenismo tem por fim reunir todas as religiões instituídas na única Igreja espiritual divinizante
    Para realizar a fraternidade universal e constituir a única Igreja Espiritual seria preciso, passando por cima dos dogmas que dividem e separam, ultrapassando as intolerâncias, realizar a unidade da humanidade através do amor que unifica. A Igreja Espiritual é a Igreja do Amor, Igreja sem dogmas, pobre porque é espiritual, sem estruturas, sem hierarquia, colegial,democrática.
    Pois é claro que se em todo homem há uma semente divina, nenhum homem pode se colocar como hierarquicamente superior. A igreja espiritual é igualitária, comunitária. Ela não admite um Papa, nem Bispos ou sacerdotes que se coloquem acima do povo. Todos seriam iguais, e a Igreja Espiritual tem que ser necessariamente democrática.
    13 – Na Igreja Espiritual não há distinção entre clero e povo
    Todo homem, possuindo em si uma semente divina, nenhum homem poderia se colocar acima de outro como intermediário entre a Divindade e cada pessoa humana. Todos os homens seriam igualmente sacerdotes, profetas e reis.
    Na Igreja Espiritual não poderia haver hierarquia. A Igreja Espiritual tem que ser democrática, popular. No máximo, se toleraria uma coordenação a serviço da comunidade. No máximo, o poder deveria ser colegial.
    14 – As cerimônias da Igreja Espiritual seriam comunitárias não admitindo nenhuma distinção nem de poder, nem de sexo, nem de religião.
    Se toda pessoa tem uma semente divina em si, não teria cabimento excluir a mulher do sacerdócio. Como não teria cabimento, numa cerimônia religiosa, haver algum homem ser tido como superior. Todos seriam igualmente sacerdotes. Portanto, quem rezaria a Missa seria o povo, a comunidade. Daí, a Missa ter que ser dita na língua do povo para que todos participem igualmente dela. Daí, a Missa ter que ser voltada para o povo. A Missa deve ser antropocêntrica.
    A Missa Nova de Paulo VI responde exatamente a esses pressupostos.
    15 – As cerimônias na Igreja Espiritual são divinizantes e festivas.
    A Missa da Igreja espiritual não seria a renovação de um sacrifício que teria sido realizado por Jesus no Calvário, para a redenção dos homens.
    Todos os homens necessariamente já estão salvos porque é impossível que a Divindade condene uma de suas sementes à perdição eterna.
    A Missa seria a comemoração festiva da salvação universal. Daí, ela dever ser feita com cânticos alegres. Ela seria um banquete festivo.
    Na hóstia, Cristo estaria tão presente como em qualquer homem. Cristo estaria na comunidade, e não apenas num pedaço de pão. A transubstanciação seria cósmica. “Cristo” – a semente divina—estaria no meio de nós.
    Na missa, o que ocorreria seria a fusão de todas as sementes divinas dos participantes, a fusão de todos os homens na Divindade. Daí a festa. A Missa seria a comemoração da divinização universal.
    São Paulo, 14 de Julho de 2.005
    Orlando Fedeli”
    "Tudo lhes pertence e nos cabe, porque a Pátria não se escolhe, acontece. Para além de aprovar ou reprovar cada um dos elementos do inventário secular, a única alternativa é amá-la ou renegá-la. Mas ninguém pode ser autorizado a tentar a sua destruição, e a colocar o partido, a ideologia, o serviço de imperialismos estranhos, a ambição pessoal, acima dela. A Pátria não é um estribo. A Pátria não é um acidente. A Pátria não é uma ocasião. A Pátria não é um estorvo. A Pátria não é um peso. A Pátria é um dever entre o berço e o caixão, as duas formas de total amor que tem para nos receber."Cidade do Santo Nome de Deus de Macau, Não Há Outra Mais Leal

  2. #2
    Avatar de Irmão de Cá
    Irmão de Cá está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    08 sep, 08
    Mensajes
    2,209
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Sim, não há dúvida Caro Imperius, o CVII foi o oficio solene do modernismo como linha orientadora da Igreja, a porta aberta para o ecumenismo e a descaracterização da Verdadeira Fé.

    Muito há que ler sobre este tema e também aqui no hispanismo.org, no sub-fórum de religião.
    res eodem modo conservatur quo generantur
    SAGRADA HISPÂNIA
    HISPANIS OMNIS SVMVS

  3. #3
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    18,425
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Muy acertado, como suele estarlo el profesor Fedeli.

  4. #4
    Gothico está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    17 abr, 06
    Ubicación
    Madrid
    Mensajes
    952
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Cita Iniciado por Imperius Ver mensaje
    Salvo melhor juízo, considero que o erro fundamental do Vaticano II, erro do qual nascem, como de uma raiz, todos os demais erros desse Concílio pastoral é a afirmação da Gaudium et Spes de que Deus colocou uma semente divina no homem:
    “Por isso, proclamamos a vocação altíssima do homem e afirmamos existir nele uma semente divina, o Sacrossanto Concílio oferece ao gênero humano a colaboração sincera da Igreja para o estabelecimento de uma fraternidade universal que corresponda a esta vocação” (Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática Gaudium et Spes, n* 3. O destaque é meu).
    Essa afirmação da Gaudium et Spes é contrária à doutrina católica defendendo uma tese tipicamente gnóstica.
    Se alguma semente existe no homem é a do pecado.
    Cierto del todo, y no se podría resumir mejor ni mas brevemente. Todo ese proceso inmanentista de Dios en el hombre es herético y está denunciado maravillosamente en la "Pascendi", donde San Pío X pasaba revista y atacaba sin piedad, las variopintas facetas del modernista como filósofo, teólogo, creyente, historiador y crítico.

    La conclusión es evidente: antes del Vaticano II, al hombre, malvado y pérfido por naturaleza debido al pecado original, se le consideraba necesitado de Cristo y de los sacramentos, indubitablemente, para salvarse; ahora bien desde el Vaticano II, negado por el clero, en la práctica, el dogma del pecado original, y asumido ese cáncer herético-gnóstico, ignorado el mensaje auténticamente católico, siendo deformados Cristo, los sacramentos, la Iglesia... todo ello ha quedado reducido a ser simple símbolo de una religión y un Dios satánicos y fantasmales, ideales y subconscientes, de las que las TODAS las religiones existentes (incluida la católica) son símbolos de alguna de sus demoníacas facetas .
    De ahí que quede, por ello, el catolicismo auténtico como desvaído y sin fuerza para imponerse en lo exterior, siendo sustituido por un culto gnóstico (otra cosa es que las innumerables masas católicas, aborregadas y contentas, sepan a qué acuden y para qué) . No hace falta ser un lince para verlo.

    De ahí deriva, lógicamente el ecumenismo entre las religiones que predica la actual Iglesia Conciliar, que no es sino una consecuencia blasfema y herética de esa falsísima "semilla divina" de Dios en todo hombre.
    ¡¡Cómo no ver en ese satánico inmanentismo, reflejada, la perfidia de aquel "Seréis como dioses", del Génesis!!
    Última edición por Gothico; 11/01/2009 a las 13:18

  5. #5
    Avatar de FACON
    FACON está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    28 oct, 07
    Ubicación
    Madrid
    Mensajes
    339
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    yo no se a cuento de qué, dividimos Iglesia Católica e Iglesia Conciliar ??

    el CVII fue convocado por el papa Juan XXIII, en ese momento todo el mundo lo aceptaba como Papa de la Iglesia Católica, resulta que ahora distinguimos entre Iglesia Católica e Iglesia Conciliar, cuyo Papa actual es conciliar no católico, los católicos ("los últimos") son los que siguen a Lefevbre o bien aquellos que no aceptan a Juan XXIII para adelante (sedevacantismo), esta postura aunque es errada es más coherente consigo misma. Yo me pregunto, desde que momento dejaron de aceptar a Juan XXIII como Papa y le pusieron el nombre de Papa Conciliar, si seguro que cuando asumió lo consideraban papa de la Iglesia Católica.

    Otra cuestión, el CVII no es herético pues si fuese herético la Iglesia sucumbió ante las puertas del infierno, y voy mas lejos, ni siquiera sus documentos son modernistas (quizá un poco ambiguos pero no modernistas) porque serían herejes y pondrían a duda la asistencia del Espíritu Santo al Magisterio de la Iglesia, cosa que yo no quiero poner a duda. y pregunto más si alguien se opone a esto ¿Desde que momento dejó el Espíritu Santo la asistencia al Magisterio eclesial para trasladarse a la Iglesia Católica (no se donde está), dejando de lado la Iglesia Conciliar? surgida luego del VII.
    El noble es aquel:
    que tiene alma para sí y para otros.
    Son los nacidos para mandar.
    Son los capaces de castigarse y castigar.
    Son los que en su conducta han puesto estilo.
    Son los que no piden libertad sino jerarquía.
    Son los que sienten el honor como la vida.
    Son los capaces de dar cosas que nadie obliga y abstenerse de cosas que nadie prohíbe. Son los...

    ("El nuevo gobierno de Sancho" Leonardo Castellani)

  6. #6
    Avatar de Agustiniano I
    Agustiniano I está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    26 may, 07
    Ubicación
    Capital Federal, Argentina.
    Mensajes
    433
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Cita Iniciado por FACON Ver mensaje
    yo no se a cuento de qué, dividimos Iglesia Católica e Iglesia Conciliar ??

    el CVII fue convocado por el papa Juan XXIII, en ese momento todo el mundo lo aceptaba como Papa de la Iglesia Católica, resulta que ahora distinguimos entre Iglesia Católica e Iglesia Conciliar, cuyo Papa actual es conciliar no católico, los católicos ("los últimos") son los que siguen a Lefevbre o bien aquellos que no aceptan a Juan XXIII para adelante (sedevacantismo), esta postura aunque es errada es más coherente consigo misma. Yo me pregunto, desde que momento dejaron de aceptar a Juan XXIII como Papa y le pusieron el nombre de Papa Conciliar, si seguro que cuando asumió lo consideraban papa de la Iglesia Católica.

    Otra cuestión, el CVII no es herético pues si fuese herético la Iglesia sucumbió ante las puertas del infierno, y voy mas lejos, ni siquiera sus documentos son modernistas (quizá un poco ambiguos pero no modernistas) porque serían herejes y pondrían a duda la asistencia del Espíritu Santo al Magisterio de la Iglesia, cosa que yo no quiero poner a duda. y pregunto más si alguien se opone a esto ¿Desde que momento dejó el Espíritu Santo la asistencia al Magisterio eclesial para trasladarse a la Iglesia Católica (no se donde está), dejando de lado la Iglesia Conciliar? surgida luego del VII.

    Vale aclarar, también. Que los Papas son conciliares, porque hacen concilios jaja.

    Yo sigo al actual y verdadero Papa, Benedicto XVI, y soy católico tanto como él, tanto como él es Tradicionalista y ortodoxo como lo demuestra, a duras penas porque no tiene tanto apoyo y cuesta ser políticamente incorrecto y a la vez tener un poco de correcto para tampoco ser un descortéz, es difícil su puesto y veo que lo está llevando muy bien y es un GRAN PAPA, como lo fue JP II. Que quieren, ahora, beatificarlo. Ahí callará a todos. Santo, punto, que más decir. .

    Yo sigo a la Iglesia Católica que es una sóla y en momentos como éstos y en tiempos del CV II hay que estar mas unido y fiel a La Iglesia, porque son momentos feos y duros y sobre todo confusos. Y ahí es lo que quedó, mucha gente que desconfía del propio Papa, si no hay pastor, si no hay verdad que nos guíe y que con los ojos cerrados no lo sigamos a quién iremos. Sólo Jesus tiene palabras de vida Eterna. Linda Jaculatoria.
    -- " ¡Dios, Patria y Familia... o muerte! " --

  7. #7
    Gothico está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    17 abr, 06
    Ubicación
    Madrid
    Mensajes
    952
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Cita Iniciado por FACON Ver mensaje
    Yo me pregunto, desde que momento dejaron de aceptar a Juan XXIII como Papa y le pusieron el nombre de Papa Conciliar, si seguro que cuando asumió lo consideraban papa de la Iglesia Católica.
    Aproximadamente cuando al catolicismo auténtico lo empezaron a llamar despectivamente "lefebvrismo" (o cosas parecidas); cosa extraña pues siempre Monseñor Lefebvre había sido considerado obispo de la Iglesia Católica.

  8. #8
    Avatar de FACON
    FACON está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    28 oct, 07
    Ubicación
    Madrid
    Mensajes
    339
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Cita Iniciado por Gothico Ver mensaje
    Aproximadamente cuando al catolicismo auténtico lo empezaron a llamar despectivamente "lefebvrismo" (o cosas parecidas); cosa extraña pues siempre Monseñor Lefebvre había sido considerado obispo de la Iglesia Católica.
    Quien les llamo lefebvristas?? el Papa?? o la prensa?? yo les llamo lefebvristas y no despectivamente. Es obispo de la Iglesia Católica hasta que ordena obispos sin el consentimiento del Papa. Luego le cae la excomunion, por tanto estan excomulgados, si bien ellos se sienten católicos. Los fieles como ud, Góthico no estan excomulgados, sino sus obispos cismáticos, ud no, por tanto para mi ud es un católico que acude a una iglesia cismática en vistas a volver a la Santa Iglesia, Dios mediante y el cual es mi anhelo.
    El noble es aquel:
    que tiene alma para sí y para otros.
    Son los nacidos para mandar.
    Son los capaces de castigarse y castigar.
    Son los que en su conducta han puesto estilo.
    Son los que no piden libertad sino jerarquía.
    Son los que sienten el honor como la vida.
    Son los capaces de dar cosas que nadie obliga y abstenerse de cosas que nadie prohíbe. Son los...

    ("El nuevo gobierno de Sancho" Leonardo Castellani)

  9. #9
    Avatar de Imperius
    Imperius está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    27 feb, 08
    Mensajes
    172
    Post Thanks / Like

    Re: O Concilio do Vaticano II contem ideias Modernistas

    Libros antiguos y de colección en IberLibro
    Agradeço a todos as respostas, e já li os outros temas sobre o CV II. Achei então por bem, colocar aqui as palavras do Padre António Vieira, que embora proferidas noutro tempo, continuam a fazer sentido. Se a Igreja se pos-conciliar está diferente, como se chamaram mais fieis para a verdadeira Fé? Assim disse Pe António Vieira sobre os Pregradores.

    Vos estis sal terræ(3) (S. Mateus, V)
    Vós, diz Cristo Senhor nosso, falando com os pregadores, sois o sal da terra: e chama-lhes sal da terra, porque quer que façam na terra o que faz o sal. 0 efeito do sal é impedir a corrupção, mas quando a terra se vê tão corrupta como está a nossa, havendo tantos nela que têm ofício de sal, qual será, ou qual pode ser a causa desta corrupção? Ou é porque o sal não salga, ou porque a terra se não deixa salgar. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores não pregam a verdadeira doutrina; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, sendo verdadeira a doutrina que lhe dão, a não querem receber. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores dizem uma cousa e fazem outra; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes querem antes imitar o que eles fazem, que fazer o que dizem. Ou é porque o sal não salga, e os pregadores se pregam a si e não a Cristo; ou porque a terra se não deixa salgar, e os ouvintes, em vez de servir a Cristo, servem a seus apetites. Não é tudo isto verdade? Ainda mal.
    Suposto, pois, que, ou o sal não salgue ou a terra se não deixe salgar; que se há-de fazer a este sal, e que se há-de fazer a esta terra? 0 que se há-de fazer ao sal que não salga? Cristo o disse logo: Quod si sal evanuerit, in quo salietur? Ad nihilum valet ultra, nisi ut mittatur foras et conculcetur ab hominibus. Se o sal perder a substância e a virtude, e o pregador faltar à doutrina e ao exemplo, o que se lhe há-de fazer é lançá-lo fora como inútil, para que seja pisado de todos. Quem se atrevera a dizer tal cousa, se o mesmo Cristo a não pronunciara? Assim como não há quem seja mais digno de reverência e de ser posto sobre a cabeça que o pregador que ensina e faz o que deve; assim é merecedor de todo o desprezo e de ser metido debaixo dos pés o que com a palavra ou com a vida prega o contrário.
    "Tudo lhes pertence e nos cabe, porque a Pátria não se escolhe, acontece. Para além de aprovar ou reprovar cada um dos elementos do inventário secular, a única alternativa é amá-la ou renegá-la. Mas ninguém pode ser autorizado a tentar a sua destruição, e a colocar o partido, a ideologia, o serviço de imperialismos estranhos, a ambição pessoal, acima dela. A Pátria não é um estribo. A Pátria não é um acidente. A Pátria não é uma ocasião. A Pátria não é um estorvo. A Pátria não é um peso. A Pátria é um dever entre o berço e o caixão, as duas formas de total amor que tem para nos receber."Cidade do Santo Nome de Deus de Macau, Não Há Outra Mais Leal

Información de tema

Usuarios viendo este tema

Actualmente hay 1 usuarios viendo este tema. (0 miembros y 1 visitantes)

Temas similares

  1. Los marranos: ¿víctimas o victimarios de España?
    Por Erasmus en el foro Historia y Antropología
    Respuestas: 188
    Último mensaje: Hace 2 semanas, 22:05
  2. “la Obra De Este Concilio No Puede Estar Inscrita En El Libro De La Vida”
    Por Jorge Zamora E. en el foro Crisis de la Iglesia
    Respuestas: 0
    Último mensaje: 08/12/2008, 19:55
  3. Las Tragicas Innovaciones Del Concilio Vaticano Ii
    Por Jorge Zamora E. en el foro Crisis de la Iglesia
    Respuestas: 1
    Último mensaje: 05/12/2008, 13:16
  4. El Concilio Vaticano Ii Y La Ruptura Con El Magisterio
    Por Jorge Zamora E. en el foro Crisis de la Iglesia
    Respuestas: 0
    Último mensaje: 05/11/2008, 17:44
  5. El Magisterio Tradicional desenmascara el Vaticano II
    Por Gothico en el foro Crisis de la Iglesia
    Respuestas: 1
    Último mensaje: 08/12/2007, 02:35

Permisos de publicación

  • No puedes crear nuevos temas
  • No puedes responder temas
  • No puedes subir archivos adjuntos
  • No puedes editar tus mensajes
  •