Búsqueda avanzada de temas en el foro

Resultados 1 al 11 de 11

Tema: El Espectro de Asís

  1. #1
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    El Espectro de Asís

    El Espectro de Asís




    Mal está lo que mal empieza, y lo de Asís empezó mal. La Beatificación de JP2º ha añadido más confusión sobre el caso, porque un nimbo de beatitud sobre un borrón oscuro no sólo no quita la mancha, sino que la hace más notable.

    Con Asís 3 a la vuelta del verano, los católicos conscientes tenemos todos los sentidos alerta y los sutiles músculos horripiladores prestos para erizarnos el vello, atentos a lo que vaya saliendo que pueda avanzar algo sobre el temido evento.

    Entendemos que - dejando aparte las consideraciones sobre la inoportunidad absoluta y la absoluta prescindibilidad de esos encuentros - lo que único que se debería oir en Asís es una fuerte voz con el proto-sermón del Redentor "¡Convertíos y creed el Evangelio". Sólo eso. Y eso es lo que, en nuestra ilusa expectación, esperamos que se diga y queremos que se oiga. Si pecamos de ilusos, de confiados, el mismo Señor que predicó ese breve sermón nos perdonará también este pecado, seguro.

    Mientras, van apareciendo en el horizonte preparatorio de Asís espesos nubarrones que pronostican borrasca tormetosa. Por ejemplo, hoy mismo, la agencia Zenit publica un artículo con una 'explicación' de Levada:

    El cardenal Levada explica los motivos del encuentro interreligioso en Asís

    Mechando textos del Vat.2º, del btº JP2º y de J. Ratzinger, el prefecto de Doctrina de la Fe expone sus razones, sus explicaciones pro-Asís 3. Entre los textos citados este del recién beato que es como un gran praeámbulum:

    "...(el Espíritu) se manifiesta de modo particular en la Iglesia y en sus miembros; sin embargo, su presencia y acción son universales, sin límite alguno ni de espacio ni de tiempo" (Juan Pablo II, Redemptoris missio)

    El texto juanpablista es de esos que hay que explicar y super-explicar para poder salvar y dejar ilesos conceptos dogmáticos tan básicos como los de la unidad y unicidad de la Revelación. Una explicación que compete, sin duda, al Cardenal Prefecto, que por eso explica (o se adelanta explicando, podría decirse). Yo, sin embargo, prefiero doctrinas que sean claras y no necesiten explicaciones que las dejen en entredicho justamente por necesitar de explicaciones ulteriores. Digo doctrinas y digo, también, actos. Actos como el de Asís, me refiero.

    Para enrarecer más las pre-impresiones sobre Asís-3, interviene Ravasi anunciando a una selecta invitada:

    Ravasi anuncia la presencia de la francesa Julia Kristeva (destacada militante y atea feminista) junto con un grupo de no-creyentes el próximo 27 de Octubre en Asís

    Dice el titular, recogiendo palabras de Ravasi, que "Chi fa domande è sui sentieri della verità (quien hace preguntas está sobre los senderos de la verdad). Una estupenda cita de almanaque - si me expreso - de las que Ravasi parece estar bien surtido, siendo como es un hombre de recursos verbales, de esos que van con la frase en la manga para la ocasión.

    Pero la cita ravasiana te deja con las dudas que suelen suscitar las palabras ravasinas. Por ejemplo, Ravasi dice 'sentieri', en plural, senderos, vías, caminos de la Verdad, ¿me siguen Uds.? Una pluralidad de vías, de caminos, que chocan con el concepto de una verdad/un camino para la verdad. Si cito el "Ego sum Via, Veritas et Vita" parecerá a algunos excesiva la citación. Pero tratándose de un cardenal que habla y de lo que está hablando el señor cardenal, a mí la cita me parece oportuna. No sé a ustedes, no sé a los otros.

    Es lo que me pasa cuando pasan estas cosas, últimamente mucho: Habla un cardenal y se me acumulan citas reactivas (reaccionarias, si quieren; no me incomoda, me gusta el adjetivo).

    Sobre la atea-feminista y selectísima invitada ravasista, no sé qué decir porque no conozco a tan ilustre hembra. Me pregunto, no obstante, qué hará la susodicha cuando toque rezar, cada uno a 'su dios', cada grupo con su liturgia, mantra, brujería o lo que sea. Esta atea con el grupo de ateos (no-creyentes, perdón) no sé que se pondrá a hacer. ¿Una especie de vacio-meditacional o algo por el estilo? No sé, ya digo.

    Y digo también que, ya puestos, podrían haber cursado invitación a Don Cleofás, el Diablo Cojuelo; o a Mr. Scrutape, el tio de su diabólico sobrino, también. Total, si se trata de juntar y reunir a todos, estos y los de su especie también podrían caber, ¿verdad, Ravasi? ¡Por qué no!

    En fin, como decía, esperemos en tensión lo de Asís, y a ver qué pasa. De aquí a Octubre, con la JMJ por medio, y el viaje del Papa a Alemania en Septiembre, todavía quedan un par de meses, o tres. Tiempo suficiente para cualquier cosa.

    Yo todavía sueño con la suspensión de Asís.

    Soy un soñador.

    p.s. Espero que no me den un tiro como a Martin L. King, que también soñaba mucho.

    p.p.s. Por cierto, para refrescar la memoria, un youtbe con una escenita (entre tantas otras) del primer encuentro de Asís, el 1º convocado por el btº JP2, tan inolvidable:



    +T.

    EX ORBE

  2. #2
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    Asís, Asís, Asís




    Se me ha venido a la cabeza, mientras escribía el títulillo del articulete, el chotis de Agustín Lara, el célebre 'Madrid, Madrid, Madrid ¡en Méjico se piensa mucho en tí!'. Que en mi ocurrencia quedaría, más o menos, como 'Asís, Asís, Asís, en Roma se piensa mucho en tí'. Perdonen ustedes la cuchufleta, pero la cosa no me merece mejor inspiración.

    Ahora el que canta su parte del chotis de Asís es Andrea Riccardi, el muy promocionado fundador de la Comunitá Sant'Egidio, uno de esos inventos que nacen de pié, siguen con buen pié y reciben parabienes por doquier, con cardenales y prelados como padrinos y embajadores. Hay (siempre las ha habido) fundaciones afortunadas, muy afortunadas, afortunadísimas, valga el ejemplo de los de Sant'Egidio y su por doquier bienquisto Andrea Riccardi, laico profesional donde los haya. El dia menos pensado lo nombra presidente laico de dicasterio ad casum. Al tiempo (supongo que a Riccardi, para ir adelantando, ya le estarán extrayendo/recogiendo reliquias puesto que tiene cantada una beatificación-súbíta de esas que inventó el beato).

    Pues dice Riccardi que Asís es (fue) una gran intuición del beato JP2, gran intuyente. ¿Una intuición en qué sentido? Riccardi (sin inmutarse, incluso cabe que con entusiasmo) declara la sorprendente entidad de lo intuído: La fuerza pública de la religión (sic).

    Comprenderán mi conmoción mental-espiritual, para mí, hombre creyente que creo firmemente el Credo; para mí que sé que creo que Religión hay una, y las demás formas religiosas o son parcialidades insuficientes o son inventos nocivos, o son herejías o son paganismos.

    Pero he aquí que el beato JP2º descubrió la virtualidad y las posibilidades
    públicas de la religión. Y para ello, para promover ese potencial, no organiza una propuesta cristiana, sino que llama y reune a 'todas las religiones' y se coloca entre ellas, él, el cabeza de la Iglesia Católica.

    Por eso, por mucho que Riccardi diga que lo de Asís no fue sincretismo, ya puede Riccardi apretar y apurarse y clamar y marearse, ya puede Andrea Riccardi emperrarse y coger un berrenchín y dos sofocaciones, lo diga Riccardi en italiano fino o en chino mandarín, lo de Asís apesta a indiferentismo por todos sus poros. Con beato o sin.

    Y con azúcar, peor.

    Destaco y subrayo brani scelti de Riccardi, tal y como los publica Zenit:


    - En el encuentro de Asís de 1986 no hubo nada de sincretismo ni de compromiso, sino la inauguración de una forma nueva de relación entre los creyentes de las distintas religiones

    - el planteamiento de Asís fue el de una Jornada de oración y de silencio, en la que no se discutiese o se negociase: distinta de los congresos interreligiosos

    - El eje central fue la oración por la paz: “quizás como nunca antes en la historia de la humanidad, el vínculo intrínseco entre un comportamiento auténticamente religioso y el gran bien de la paz se hizo evidente para todos”.

    - Asís fue “la representación plástica de los que el Vaticano enseña con la Nostra Aetate. En seguida el Papa proclamó su fe en Cristo y declaró su respeto por las demás creencias”.

    - Para el papa polaco, “los momentos simbólicos eran también necesarios” para hacer surgir “un renovado compromiso de los católicos por la paz, con atención a la fundamental dimensión de la oración y de las relaciones con los seguidores de las distintas religiones”.

    - La expresión “espíritu de Asís” en su significado correcto ilumina el compromiso de la Iglesia al servicio de la unidad de las gentes, que es también comprensión y diálogo entre los pueblos creyentes”.
    Florilegio este que me resisto a comentar primeramente por pereza y segundamente (sic) porque el que no vea el bulto no merece explicación del detalle. Sorry.

    Pero conste que Riccardi, explicando, desmejora el asunto y mejor que no siga. Si Riccardi fuera de testigo por parte de la defensa a un juicio, arruína al acusado sin necesidad de presentar testigos por parte de la acusación.

    Concluyendo, como dije, me temo que el chotis de 'Asís, Asís, Asís' siga sonando hasta Octubre, ambientando la fiesta.

    Yo me pregunto por qué tantas explicaciones, exculpaciones, argumentaciones. Cuando una cosa está clara, no necesita más lecciones. ¿Acaso es que notan ellos mismos que la cosa chirría, que algo no fue bien, que la intuición del beato desentona?

    Aunque la cuestión mayor que se nos plantea a todos los católicos conscientes es la de ¿para qué seguir 'intuyendo' en un Asís-3?

    That's the question.

    Una question que no queda satisfecha con respuestas como las que da el súper-promovido Riccardi. Todo lo contrario.

    p.s. Ah, se me olvidaba el chotis, por si ustedes gustan un karaoke castizo:


  3. #3
    Avatar de Eiztarigorri
    Eiztarigorri está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    22 oct, 06
    Mensajes
    41
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    Sobre Asís hay una tetralogía de Johannes Dörmann, llamada El itinerario al encuentro de oración por la paz de lasd religiones de Asís. He traducido el primer tomo por ser el más breve. Me ha impresionado. La obra es del Padre Dörmann al cual el acontecimiento de Asís le produjo un shock que chirriaba con todo cuanto se le había enseñado lo que le llevó a rastrear el origen del acontecimiento en el Concilio Vaticano II. En este primer volumen hace una critica clara y concisa de los errores de planteamniento del Vaticano II. Denuncia como la ambigüedad del Concilio Vaticano II no es fruto de la incompetencia o falta preparación teolgógica de los peritos sino justo de lo contraria. El llamado lenguaje pastoral no es, como se cree, una vulgarización del lenguaje teológico para hacerlo inrteligible a los fieles sino el empleo de un lenguaje calculadamente ambiguo, es decir abierto, cuyas claves sólo se explican en el contexto del modernismo, la Nueva Teología y el existencialismo. Y no se trata de que en los textos conciliares haya ambigüedades, es que a veces, como en el caso de la Gaudium et Spes, hay autenticas bombas de relojería, como por ejemplo la incorporación de la confusión del plano natural y del sobrenatural en uno solo, lo cual conduce al panteismo, al culto al hombre y, por último al sincretismo. El autor comienza con el retiro predicado por Karol Wojtyla a PAblo VI y sus cardenales, resumido en la obra Signo de Contradicción. Destaca el influjo del existencialismo en la interpretación que Karol Wojtyla hace de San Juan de la Cruz, aplicando las catergorías críticas de la escolástica para señalar las deficiencias dela Nueva Teología y los derroteros hacia los que nos conduce, aunque a veces el simple sentido común y el conocimiento de la Biblia hace que no sea necesari sudar demasiado para asustarse ante el panorama. La Iglesia ha pasado de transmitir la Revelación y sus mandatos: por ejemplo: No tendrás dioses extranjeros delante de Mí, porque yo soy Yavéh el Señor y soy un Dios celoso, a "interpretar" la palabra de Dios, y por la vía de la "interpretación" la Iglesia, o una parte nada pequeña de ella, ha pasado, de facto, a sustituir la palabra de Dios y amenazar a quienes disentimos con la excomunión. En fin el pueblo Judío si leemos el IIIer libro de los reyes sufrieron algo parecido cuando Salomón rinde culto a Astarté, a Milcom, a Baal y a Moloc.

  4. #4
    Avatar de Smetana
    Smetana está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    29 sep, 09
    Ubicación
    Nueva Santander México
    Mensajes
    198
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    Muy bonito el chotis honestamente lo desconocía. Del tema principal decir que nunca lo ví de ésa manera, posiblemente por el cariño profundo que siento por su santidad el Papa Juan Pablo II, pero ahora que leo éste texto decir simplemente que me siento algo abrumado y no tengo una opinión definida, pero sin dudar puedo afirmar que sólo Jesucristo nuestro señor es el camino y la luz para llegar al padre y mi fé está en el sacramento de la comunión.

    De respetar pues debe ser como yo respeto a un homosexual o a un drogadicto, los respeto como personas, como seres, por ser mis hermanos hijos de Dios nuestro señor el único Dios verdadero, pero de ahí a "respetar" o aceptar lo que hacen o peor aún tomarlo como algo normal o correcto JAMÁS. Mucho me ha dejado en qué pensar éste hilo.
    ¡Viva la Nueva España! ¡Viva la madre patria Española! ¡Viva la santísima virgen de Guadalupe!

  5. #5
    Avatar de juan vergara
    juan vergara está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    24 sep, 08
    Mensajes
    2,514
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    La tragedia de Asís se enrola en la punta de lanza de los "Autodemoledores" de la Santa Iglesia Católica Apostólica Romana.
    Supone el "tiro al estomago" a la Tradición Católica.

  6. #6
    Avatar de CRISTIÁN YÁÑEZ DURÁN
    CRISTIÁN YÁÑEZ DURÁN está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    24 oct, 06
    Ubicación
    Santiago de la Nueva Extremadura
    Edad
    52
    Mensajes
    668
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    ESte acontecimiento ha sido la peor abominación cometida -por un Papa!- en toda la historia de nuestra Santa Madre la Iglesia fuera de la cual nadie puede salvarse-¿Tanto les ha costado a los últimos Papas comprender esto?-.

    EXURGE DOMINE ET JUDICA CAUSAM TUAM

  7. #7
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    Amagando Asís-3




    Después de la JMJ, Benedicto XVI tiene que cumplir dos importantes citas de su agenda, la agenda más importante del mundo: La visita oficial a Alemania, su patria, dentro de un par de de semanas. Y en Octubre, Asís-3.

    De lo que sea que será lo de Alemania ya van asomando la cabeza monstruosidades horripilantes. Si uno va a Transilvania, velis nolis te toparás o te toparán con Drácula, una historia nacional que es mito internacional. En Alemania, el vampiro será Herr Martín Lutero, que amenaza con morder y chupar toda la sustancia que pueda a la visita papal. Cosas veredes. Yo, por lo pronto, voy cargando armas.

    De lo de Asís, ya tememos tanto que cualquier despunte adelantando lo que venga nos remueve las más antipáticas atrabilis crítico-doctrinales (y espirituales también). Por ejemplo ese youtube con el Cardenal Koch.

    Me inquieta (soy una inquietud perpetua) que ya desde la convocatoria parece que se contradicen algunas cosas que parecían haber quedado bien asentadas. Por ejemplo aquellas tesis que se pueden extractar de la estupenda Dominus Iesus, ¿dónde quedan, con qué valor, cuando el Papa es un 'peregrino' y convoca a tutti quanti?

    "En el próximo mes de Octubre iré como peregrino a la ciudad de San Francisco. Invito a unirse en este camino a los hermanos cristianos de las distintas confesiones, y a los exponentes de las tradiciones religiosas del mundo."

    Así invita Benedicto XVI, con estas palabras. Destaco y subrayo estas palabras/conceptos: peregrino, camino, distintas confesiones, tradiciones religiosas. Ingredientes para una variada miscelánea, una rica macedonia, una sabrosa ensalada. Agítense, mézclense, combínense adecuadamente, con arte y con gracia, y asómbrense de los estupefacientes resultados que podrán obtenerse. Con posibilidad de múltiples variaciones/variantes, para todos los gustos, según el polimorfismo de los invitados asistentes, tan surtido.

    Fue Juan Pablo 2º, el beato, durante su largo pontificado, el descubridor y promotor de la hasta entonces desconocida prerrogativa ministerial pontificia: Ser cabeza visible y convocante de todos los credos. Y ahora, también, de los no creyentes, porque en Asís-3 habrá nuevos convidados: Los agnósticos.

    Me pregunto qué harán, cómo estarán, qué dirán. ¿Y qué rezarán? ¿Cual será su oración? ¿Una oración con interrogación, desde la invocación al amén? ¿Una oración en blanco, sin palabras? ¿Un rezo mudo? ¿Una letanía de objecciones? ¿Una salve al desconocido no cognoscible? ¿La postulación de un credo agujero-negro?

    Las palabras del Cardenal Koch parecen aclararlo:

    "...Porque los agnósticos, aunque no son miembros de una comunidad religiosa, también buscan la Verdad. Y el tema principal de este encuentro de Asís es la peregrinación, el camino a la Verdad."

    De la mano de los agnósticos, justamente. Para enriquecernos con sus dubitantes disquisiciones y suspensivas deducciones. Unos estupendos compañeros de camino y peregrinaje. San Rafael nos guarde.

    Para más fina estupefacción, el youtube también recoje estas otras palabras del Cardenal Presidente del Pontificio Consejo para la Unidad de los Cristianos (¿y de los agnósticos? ¿y de todos los demás que participan de alguna manera de eso que llaman las 'tradiciones religiosas del mundo'???):

    "...Pienso que será una señal muy positiva para nuestro tiempo, para nuestro mundo secular. Las religiones no quieren la violencia. Por eso, todas las iglesias cristianas, todas las religiones tienen la obligación de construir la paz y la justicia. Y esto no es posible si no se profundiza en la alianza entre fe y razón."

    Observen ustedes que pocos textos con tan escasas palabras serían susceptibles de ser anotados con una muy pertinente serie de notas, excursus y corolarios a pie de página: Un addenda en varios volúmenes para ese parrafito, ese sumario de sobreentendidos, malentendidos, imprecisiones, impropiedades y equívocas generalidades.

    Yo hasta encuentro tufo zptista de 'alianza de civilizaciones' en esa expresión del final de la cita de Koch que alude a una 'alianza entre fe y razón'. Tengo olfato de dominico (de los del tiempo de Melchor Cano, of course).

    Y así están las cosas.

    Por eso no me extrañé cuando leí el brumoso-neblinoso-penumbroso editorialito que un comentarista del blog me mandó el otro día, desde la Argentina. Lean Uds. (escribe el Vicario del O.D. en la Argentina, nada más y nada menos:

    "...Todos los tiempos de la historia plantean un desafío a nuestra fe. Para nosotros, los cristianos del siglo XXI, radica en la apertura y la autenticidad...los hombres y las mujeres de hoy no renunciamos a los ideales grandes, queremos gritar con fuerza lo mismo que hace tantos años “¡Libertad, Igualdad, Fraternidad!" (articulillo completo aquí)


    E cosí vía.

    +T.

    EX ORBE

  8. #8
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    VISIÓN LUTERANA Y ECUMENISTA



    Con estos actos se pone en peligro la fe de los fieles. La Iglesia Conciliar ¿ya no condena al reformador por sus errores doctrinales?





    “La Iglesia católica y la Federación luterana mundial preparan una declaración común sobre la Reforma de cara al quinto centenario de la publicación de las 95 tesis de Lutero en 2017”, destacó Radio Vaticano este lunes. El Papa ha querido dar una dimensión ecuménica a su próximo viaje a Alemania.
    El presidente del dicasterio romano para la promoción de la unidad de los cristianos, el cardenal Kurt Koch, anunció la noticia en una entrevista concedida a la agencia católica alemana KNA.
    El texto “debería analizar la Reforma a la luz de los 2000 años del cristianismo”, destaca Radio Vaticano, que añade que “la conmemoración común de este aniversario podría ser la ocasión de un ¡mea culpa recíproco! Para el cardenal Koch, es necesaria “una purificación común de la memoria”.
    Durante su viaje a Alemania, del 22 al 25 de septiembre, Benedicto XVI visitará Erfurt, donde Lutero realizó una parte de sus estudios. El cardenal Koch reveló que ha sido el mismo Papa quien ha querido que su viaje tenga una fuerte dimensión ecuménica.
    El tercer viaje de Benedicto XVI a su país natal tiene como lema Donde hay Dios, allí hay futuro, e incluirá también visitas a Berlín, a Etzelsbach y a Friburgo.
    La canciller alemana Angela Merkel, hija de un pastor protestante, destacó por su parte que el viaje de Benedicto XVI anima a “la convergencia y la solidaridad entre los cristianos y la sociedad actual”.
    Intensa preparación
    Precisamente para preparar su viaje a Alemania, el Papa mantuvo el 13 de agosto un encuentro de más de tres horas con una delegación oficial del episcopado alemán formada por el arzobispo de Munich y Freising, el cardenal Reinhard Marx; el presidente de la conferencia episcopal, monseñor Robert Zöllitsch; y los obispos de Osnabrück y de Essen, monseñores Franz-Josef Hermann Bode y Franz-Josef Overbeck, respectivamente.
    La entrevista se desarrolló “en un profundo espíritu de fraternidad”, según Radio Vaticano. Se alargó con una comida compartida, de manera que los intercambios duraron en total “más de tres horas”.
    En un comunicado publicado con motivo de este encuentro, los obispos alemanes explicaron que informaron a Benedicto XVI del proceso de diálogo nacional establecido por la Iglesia en Alemania.
    Los obispos han invitado a unos 300 católicos, laicos y religiosos, a reflexionar juntos durante los próximos cuatro años sobre la fe y el futuro de la Iglesia católica. Este proceso de diálogo fue propuesto durante la asamblea plenaria de otoño de 2010 y la primera edición se desarrolló los días 8 y 9 de julio en Mannheim.
    El Papa se mostró muy interesado por este proceso que podría, en su opinión, dar un impulso (…) importante para el futuro de la Iglesia. Benedicto XVI destacó que este diálogo es un camino espiritual de renovación y animó a los obispos alemanes a continuar por este camino. Además, el Papa subrayó el vínculo que debería establecerse con el 50º aniversario del Concilio Vaticano II.
    Programa
    El Papa comenzará su viaje el 22 de septiembre en la capital alemana. Tras la ceremonia de bienvenida en el Castillo de Bellevue, y los encuentros con el presidente Christian Wulff y la canciller Angela Merkel, pronunciará un esperado discurso en el Parlamento del Reichstag.
    Después, se encontrará con la comunidad judía en una sala del Reichstag, y celebrará la Misa en el Olympiastadion de Berlín.
    El viernes 23 por la mañana, el Papa se encontrará con representantes de la comunidad musulmana. Después se trasladará a Erfurt, en Turingia, a los lugares donde vivió Lutero.
    Tras la visita a la catedral de Santa María, mantendrá un encuentro con los representantes del Consejo de la Iglesia evangélica; después, participará en una celebración ecuménica en la Iglesia del convento de los agustinos de Erfurt.
    Por la tarde, el Papa acudirá al santuario de la Virgen de Etzelsbach, donde presidirá las Vísperas marianas en la Wallfahrtskapelle. Por la noche volverá a Erfurt.
    El sábado 24 de septiembre, a las 9,00, presidirá la Misa en la Domplatz de Erfurt. Por la tarde se trasladará a Friburgo, al Baden-Württemberg: aquí, tras la visita a la catedral y el saludo a los ciudadanos, se encontrará con el ex-canciller Helmut Kohl.
    Después mantendrá tres encuentros: con los representantes de las Iglesias ortodoxas, con los seminaristas y con el Consejo del comité central de los católicos alemanes. Por la noche, participará en una vigilia con los jóvenes en la Feria de Friburgo.
    El domingo 25 de septiembre, el Papa presidirá la Misa y el Ángelus en el Aeropuerto turístico de Friburgo. Después de almorzar con los miembros de la Conferencia episcopal alemana, mantendrá un encuentro con los jueces del Tribunal Constitucional federal y con los católicos “comprometidos” en la Iglesia y en la sociedad.


    Ecce Christianus

  9. #9
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    A paz em Pio XII e seu contraste com o Espírito de Assis.

    Por Mateo Beludi, colunista convidado.
    Faz pouco mais de quatro décadas, Pio XII proferiu, perante o VI Congresso Nacional da União de Juristas Católicos Italianos, a alocução Accogliete, illustri [1]. Por sua inusual extensão, o discurso, em italiano, foi lido em duas audiências. O texto oficial, em latim — como é de costume nos pronunciamentos do Magistério eclesiástico –, foi publicado no boletim oficial do Vaticano, as Acta Apostolicae Sedis, n. 47 (1955) [2]. Freqüentes foram as alocuções de Pio XII perante a União de Juristas Católicos Italianos: em 6 de novembro de 1949, recém-fundada essa associação, o Papa tratou da concepção cristã do direito (Con felice pensiero), dando início à série de discursos possivelmente mais importante de seu magistério.
    É conhecida a afeição que Pio XII teve pelo Direito, e, não raramente, o Pontífice manifestou-se fundamente sobre o tema. Pode mesmo considerar-se a existência, como corpo autônomo, de um magistério jurídico de Pio XII: ilustrativamente, bastaria ler-lhe os ensinamentos em Sempre dolce, alocução de 2-6-1940, acerca do direito e a moral da guerra; Già per la terza volta, inaugurando o ano jurídico 1941-1942, versando o direito matrimonial; Il vedervi, discurso proferido para o Tribunal da Sagrada Rota Romana, em 1º-10-1942, tratando da certeza moral das sentenças judiciárias; Con sempre, sobre a ordem social e jurídica, radiomensagem de 24-12-1942; em L’inaugurazione, discurso de 2-10-1944, sobre a unidade de fim no processo matrimonial canônico; Soyez les bienvenus, discurso de 20-5-1948, apreciando a unidade fundamental do Direito privado; Con vivo compiacimiento, acerca do positivismo jurídico e do absolutismo estatal, discurso proferido em 13-11-1949; Voluistis, praeclari, discurso de 29-4-1952, sobre o Decretum de Graciano; Parmi les institutions, acerca da repressão internacional ao crime, discurso de 15-10-1954 etc.
    Hoje, diante da estendida insegurança pública mundial e do vulto dos conflitos bélicos [3] — em que pese à ilusão de que o progresso incontível e indefinido [4] levaria humanamente à paz — bem se adverte por que esses discursos de Pio XII continuam (ou, ao menos, deveriam continuar seriamente) a interessar aos nossos contemporâneos.
    Mas a chave para acercar-nos seriamente do pensamento de Pio XII passa por um contraste inevitável, de caráter doutrinário, entre seu magistério e o que, para muitos, constitui a “Igreja pós-moderna”. Por isso, destaca-se aqui a consideração do discurso que, no dia 6 de dezembro de 1953, Pio XII dirigiu ao V Congresso Nacional da União de Juristas Católicos Italianos. Nesse discurso, intitulado Ci riesce, versou o Papa o problema moral e político da tolerância no âmbito da comunidade internacional. Assinalou, a propósito, um critério nuclear:
    “Antes de tudo, é preciso afirmar claramente que nenhuma autoridade humana, nenhum Estado, nenhuma Comunidade de Estados, seja o que for seu caráter religioso, pode dar um mandato positivo ou uma positiva autorização de ensinar ou de fazer o que seja contrário à verdade religiosa ou ao bem moral” (§ 14).
    É ainda desse texto de Pio XII:
    “[É] contra a natureza obrigar o espírito e a vontade do homem ao erro e ao mal ou a considerar um e outro como indiferentes. Sequer Deus poderia dar um mandato positivo ou uma positiva autorização dessa classe, porque estaria em contradição com sua absoluta veracidade e santidade” (id.).
    O que Pio XII afirmou, em seguida, prudentemente admissível, foi a tolerância – “em determinadas circunstâncias” — com o livre exercício de uma crença ou dada prática religiosa. Mas, essa situação excepcional, sentenciou o Papa, não exclui a regra primeira de que “o extravio religioso e moral deve ser sempre impedido, o quanto possível, porque sua tolerância é em si mesma imoral, não pode valer em sua forma absoluta incondicionada” (§ 16).
    Somente em dados casos — repete-se: “em determinadas circunstâncias” — poderá aparecer como melhor caminho “não impedir o erro, a fim de promover um bem maior”.
    Avista-se já com essas lições sobre o tema da tolerância — sucintamente colhidas do magistério de Pio XII — a patente dificuldade de compaginá-las com o que, diagnosticado já ao começo do século XX, se apresenta vistosamente depois, por volta das últimas quatro décadas, como um novo espírito na Igreja oficial, um espírito que alguns dizem conciliar e, outros, pós-conciliar [5]. Especificamente no campo da tolerância — de modo marcado, a tolerância religiosa — pode sumariar-se esse novo espírito com a expressão “espírito de Assis”. De fato, por mais se queira, talvez, ressalvar o caráter meramente pragmático do “espírito de Assis”, é irrecusável que ele anima um propósito panreligioso — a alguns ocorre designá-lo como um propósito pancristão –, no qual a verdade doutrinária (rectius: a demarcação confessional) não pode menos do que ser marginada. Isso enfrenta de modo nuclear o juízo –expressamente afirmado por Pio XII — de que a tolerância com os extravios morais e políticos é, em si própria, imoral. Ao revés, o “espírito de Assis” coroa o encontro de possíveis extravios, que apropositadamente se evita (ou não se vê sentido em) apontar.
    Para remarcar o contraste, Pio XII — tal como se adverte na alocução Ci riesce - enfileira-se à tradição eclesial de que a Igreja é universalmente necessária para a salvação dos homens: unam Ecclesiam, sanctam, romanam, catholicam et apostolicam, extra quam neminem salvari.[6]. Essa asserção fundamental não se acomoda à liberdade religiosa e ao ecumenismo professados com o novo espírito que se reconhece agora na Igreja oficial, espírito que, sustentam alguns, parece encaminhá-la para o futuro de uma super-instituição cristã.
    Pio XII tinha a seu dispor, de fato, um forte patrimônio doutrinário de amparo a seu entendimento — sumariável em que não há liberdade humana, sob pena de gravíssima ofensa a Deus, em eleger como “verdadeira” uma qualquer religião:
    - ensinamentos apostólicos:
    - “Quem nEle crê não é julgado; mas quem nEle não crê já está julgado, porque não crê no nome do Filho único de Deus” (Evangelho de S.João, 3-18) [7]
    - “Em verdade, em verdade vos digo, eu sou a porta das ovelhas. (.) Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo.” (Evangelho de S.João, 10-7 e 9) [8]
    - “Quem me despreza e não quer receber minhas palavras, terá quem o julgue; o ensinamento que eu anunciei, eis o que o julgará no último dia” (Evangelho de S.João, 12-48) [9]
    - “Aquele que crê no Filho de Deus tem em si o testemunho de Deus. Aquele que não crê em Deus, O faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus deu a respeito de Seu Filho. (.) Quem possui o Filho possui a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” (I Epístola de S. João, 5,10 e 12) [10]

    - “Quem crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer, será condenado” (Evangelho de S. Marcos, 16-16) [11]
    - “Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou” (Evangelho de S. Lucas, 10-16) [12]

    - “Esse Jesus, pedra que foi desprezada por vós, edificadores, tornou-se pedra angular. Em nenhum outro há salvação, porque, sob o céu, nenhum outro nome foi dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (Atos dos Apóstolos, 4, 11-12) [13],
    - repetidos pronunciamentos do Magistério da Igreja:
    - “Una, santa, católica e apostólica: esta é a Igreja que devemos crer e professar já que é isso o que a ensina a fé. Nesta Igreja cremos com firmeza e com simplicidade testemunhamos. Fora dela não há salvação, nem remissão dos pecados.” (Bonifácio VIII, Unam Sanctam) [14]
    - “De coração cremos e com a boca confessamos uma só Igreja, não de hereges, mas a Santa, Romana, Católica e Apostólica, fora da qual cremos que ninguém se salva” (Inocêncio III, Eius exemplo) [15]
    - “O mais firme dogma de nossa religião é o de que ‘fora da fé católica ninguém pode salvar-se’ (Pio VII, Carta apostólica Litteris altero de 24 de março de 1830). (.) E sem contar aqui os testemunhos quase inumeráveis de outros antigos padres, nós nos limitaremos a citar aquele de nosso Glorioso Predecessor, S. Gregório Magno, que atesta expressamente que essa é a doutrina da Igreja nessa matéria. ‘A Santa Igreja universal’ -escreve ele- ‘ensina que Deus não pode ser verdadeiramente adorado que em seu seio; ela afirma que todos os que dela se acham separados não serão salvos’” (Gregório XVI, encíclica Summo jugiter, 27 de maio de 1832).
    - “Com efeito, pela fé deve sustentar-se que fora da Igreja Apostólica Romana ninguém pode salvar-se; que esta é a única arca de salvação; que quem nela não houver entrado, perecerá no dilúvio” (Pio IX, alocução Singulari quadam, de 9 de dezembro de 1854)[16]
    - [As proposições seguintes foram condenadas:]
    a) “Todo homem é livre em abraçar e professar a religião que, guiado pela luz da razão, tiver por verdadeira”
    b) “Os homens podem encontrar no culto de qualquer religião o caminho da salvação eterna e alcançar a eterna salvação”
    c) “Pelo menos, devem ter-se fundadas esperanças sobre a eterna salvação de todos aqueles que não se acham de modo algum na verdadeira Igreja de Cristo” (Pio IX, Syllabus) [17]
    - Era tudo isso matéria até de Catecismo:
    “Pode alguém salvar-se fora da Igreja?
    Não, senhor. Fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se, como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era figura desta Igreja” (S.Pio X, Catecismo Maior, 10, § 2o) [18].
    Contrapostamente, em 1986, realizou-se, em Assis [19], uma primeira reunião inter-religiosa das muitas que se seguiram, até mesmo em Roma (1993), promovidas pela Santa Sé. Um novo meeting panreligioso realizou-se em Assis, no dia 24 de janeiro de 2002, com o título “Jornada de Oração pela Paz no Mundo”: “Siamo venuti ad Assisi in pellegrinaggio di pace” — afirmou-se no discurso de inauguração desse certame interreligioso. Ali, na terra do Poverello, reuniram-se representantes de diferentes religiões, com o escopo — disse-se ainda — de se interrogarem diante de Deus sobre seu engajamento em favor da paz e de pedir a Deus o dom “para testemunhar o nosso comum anelo no sentido de um mundo mais justo e solidário” [20]. O Papa, no mesmo discurso, afirmou o vínculo de continuidade com o primeiro encontro de Assis: “Hoje ainda, como em 27 de outubro de 1986, Assis torna-se novamente o ‘coração’ de uma multidão imensa que invoca a paz” [21].
    Entre os representantes delle varie religioni juntaram-se, em Assis, ministros do judaísmo, do budismo, do xintoísmo, do islamismo, do jainismo, do hinduísmo, do zoroastrismo, de religiões tradicionais africanas, de outras denominações cristãs etc. Extraiu-se desse ajuntamento o que se designou “espírito de Assis”: “um novo espírito — com freqüência chamado de ‘espírito de Assis’ — anima o diálogo interreligioso e liga-o indissoluvelmente ao compromisso pela justiça, à salvaguarda da criação e da paz” [22].
    É decerto à luz desse espírito panreligioso de Assis que se hão de compreender certos registros que, ao acaso, se poderiam surpreender em pronunciamentos de autoridades e clérigos católicos. Ilustrativamente, considere-se esta explicação do frade Massimiliano Mizzi, fundador do Centro Franciscano Internacional para o Diálogo, acerca da ampla comparência budista ao meeting de Assis-II: “Per il buddismo” — disse o religioso à agência SIR-Servizio de Informazione Religiosa dos bispos italianos – “la pace è anzitutto una virtù umana che nasce dall’armonia nel proprio cuore. Nel buddismo si insiste molto su questo aspetto: la pace con gli altri nasce nel cuore di ciascuno” [“Para o Budismo, a paz é, acima de tudo, uma virtude humana que nasce da harmonia no próprio coração. No budismo se insiste muito sobre este aspecto: a paz com os outros nasceram no coração de cada um”]. Prossegue Frei Mizzi: nessa reunião de Assis, “i buddisti si ritroveranno tutti insieme e uno di loro comincerà ad intonare il dharma, cioè alcune litanie che verranno ripetute da tutti molte volte. Questo è essenzialmente il modo di pregare tipico del buddismo. E’ una preghiera che aiuta a ritrovare l’armonia interiore e l’armonia con il creato” [“os budistas se encontrarão todos juntos e um deles começará a entoar o dharma, ou seja, alguma ladainha que será repetida muitas vezes por todos. Isto é essencialmente o modo de rezar típico do budismo. É uma oração que ajuda a encontrar a harmonia interior e harmonia com a criação”].
    Essa congregação de amplíssimo espectro religioso representa — na dicção de Dom Camillo Ruini, então presidente da Conferência Episcopal Italiana – “la via sulla quale ogni religione è chiamata ad avanzare” e a “contribuire alla pace e all’amicizia tra i popoli” [“o caminho que toda religião é chamada a percorrer” e a “contribuir para a paz e a amizade entre os povos”]. Pareceria a alguns, é verdade, que o cardeal Walter Kasper, então presidente do Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, deixou transparecer preocupação com o risco de sincretismo no meeting de Assis-II, ao advertir que somente em Jesus Cristo a verdade é revelada em todo seu esplendor, de maneira que “os cristãos não podem rezar com os membros de outras religiões” [23]. “Somente em Jesus Cristo”, mas não se disse — advertem alguns — que a verdade está revelada em todo seu esplendor na Igreja, porque a Igreja, diriam os tradicionalistas, é o Corpo Místico de Cristo, porque só a Igreja é a conservadora do depósito da Fé, só a Igreja sua infalível intérprete. Como o sincretismo já fora formalmente contornado, desde os tempos da primeira reunião inter-religiosa de Assis, com uma distinção sutil: juntos para rezar não é o mesmo que rezar juntos, talvez a preocupação de agora seja com uma eventual unidade de frações confessionais que, no meeting de Assis-II, são convidadas a prosseguir em sua própria via (“la via sulla quale ogni religione è chiamata ad avanzare”, disse Dom Ruini), a caminhar, como afirmou o cardeal Kasper, para a verdade que, em todo seu esplendor, não se afirma já que se acha na Igreja.
    Assim, os representantes das várias religiões reunidas em Assis foram convidados a interrogar-se sobre seu empenho pela paz e a pedir a Deus o dom de “testimoniare il nostro comune anelito verso un mondo più giusto e solidale” [“testemunhar o nosso comum anelo por um mundo mais justo e solidário”]. Todas as religiões, todas essas varie religioni, sem controverter sobre verdades doutrinárias, cada uma com sua fé particular, solidarizam-se por meio de uma ortopráxis centrada na paz política. Pensam alguns que se trata, no plano eclesiológico, do encaminhamento a uma Igreja pancristã [24], super-instituição — projeta-se — que reunirá, ao modo de síntese, todos os credos religiosos (hoje: tese e antítese), nos quais agora se encontram sempre o germe fundacional de Cristo e a efusão comum do Espírito Santo. Dessa maneira, despontou uma nova vocação na Igreja que atrai as varie religioni, sem que devam elas reduzir-se à Fé católica: não se tratará mais, como outrora, do retorno dos separados mas de uma reunião do vário, persistentemente vário, sob uma só autoridade não-doutrinária [25].
    Naturalmente, adivinha-se que a multiplicidade de crenças constitui um magnífico embaraço para acomodar o espírito de Assis à eclesiologia tradicional da Igreja [26], que sempre a afirmou instituição dotada de especificidade. E compreende-se que o ânimo panreligioso de Assis — por mais que os organizadores do meeting ladeiem a idéia de assinalá-lo — não se molda ao incisivo da doutrina de que, fora da Igreja, neminem salvari. Pode ver-se trivialmente, por meio de singelo cotejo dos artigos de Fé católica com sentenças que lhe são opostas, p.ex., no Corão [27]: negam os muçulmanos a divindade [28] e a ressurreição de Cristo [29], condenam ao inferno os que crêem na Trindade de Deus [30], prescrevem a morte dos infiéis [31]. No plano moral, o cânon das controvérsias não acha compaginações entre muçulmanos e católicos: poligamia vs. monogamia, aborto vs. direito à vida, divórcio vs. indissolubilidade matrimonial etc. Diante de semelhante oposição doutrinária, os partidários do “espírito de Assis” não podem, no campo da doutrina, outra coisa que contentar-se com “verdades” funcionárias: de fato, à raiz, há um mínimo credo panreligioso — que talvez se possa assim compendiar: cremos em uma divindade. Sequer necessariamente se poderá afirmar que essa divindade “comum” transcenda o mundo e o homem. Mas há sempre a evasiva de uma tese nova: todas as religiões têm fundamento em Cristo, e em todas elas há uma efusão do Santo Espírito.
    Assis, 1986.

    Tudo isso pode corroborar-se pontualmente com a análise da cerimônia de empenhamento pela paz na terceira jornada de Assis-II. Os muitos representantes das varie religioni haviam tomado seus lugares na Piazza San Francesco e ouvido o solene canto de abertura (O Quam Pulchri), quando o cardeal Francis Arinze passou a ler a moção introdutória, destacando as orações de cada uma das religiões então juntadas: “La speranza della pace si è ravvivata durante l’ascolto delle testimonianze e nella preghiera dei vari gruppi” [“A esperança da paz foi revivida durante a audição dos testemunhos e orações dos vários grupos”] (o meeting, com efeito, era uma jornada de orações). Começaram, então, as manifestações singularizadas: de logo, pronunciou-se — tal como oficialmente se designou — Sua Santidade Bartolomeu I, Patriarca Ecumênico, que, grifando a diversidade das várias tradições religiosas, invocou a golden rule da moral laicista: “Faz aos outros o que tu gostarias que te fizessem” [32]. Seguiu-se então a leitura de pronunciamentos de outros líderes religiosos: Konrad Kaiser (do Conselho Ecumênico das Igrejas), Bhai Sahibji Mohinder Singh [33] (da religião sique), o Metropolita Pitirim [34] (ortodoxo russo), Thomas Mar Athanasius [35] (ortodoxo sérvio), o muçulmano Abdel Salam Abuschukhaidem [36], Vasilios [37] (ortodoxo grego), o confuciano Chang-Gyou Choi [38], Hojjatoleslam Ghomi [39] (outro muçulmano), o budista Nichiko Niwano [40] (da associação Rissho Kosei-Kai), o rabino francês Samuel-René Sirat [41] e Mesach Krysetya [42] (da Conferência Menonita Mundial). Ultimou-se com uma impetração – “Dio benedica questi nostri propositi e doni al mondo giustizia e pace” [“Deus abençoe estes nossos propósitos e dê ao mundo justiça a paz”].
    Cabe uma averbação breve acerca do caráter desses compromissos — que vieram a frutificar num decálogo da paz [43]. Depois de uma referência inicial de Bartolomeu I “ao dom de Deus” (“nous avons réfléchi ensemble sur la paix, don de Dieu”) e de uma alusão, obiter dictum, de Konrad Kaiser à inadmissibilidade da guerra “em nome de Deus” (“Krieg im Namen Gottes” [44]), só ao final, impetrou-se Dio benedica etc., seguindo-se a menção de Deus no pronunciamento do Papa. Todavia, não se professaram compromissos em nome de Deus: vários dos representantes das diferentes religiões sequer mencionaram a palavra “Deus”. Tratou-se, pois, de um pacto humano, por certo muito respeitável no plano político, ao modo como outros pactos já se celebraram em organizações internacionais. Não surpreende que, diante desse quadro, Alvin e Heidi Toffler hajam podido considerar as grandes religiões — entre elas, o catolicismo — como um subgênero especial das Organizações Não-Governamentais (ONG’s). Toda a coerente preocupação desses autores é com os fundamentalismos — ou seja, a adversão com o liberalismo e a mais ampla tolerância. O que chamam de células de fanatismo são os grupos “para os quais a religião não pode ser mais um hospedeiro passivo” [45]. As grandes religiões — incluso o catolicismo — são convocadas, então, à tarefa de ser órgãos de compreensão e pacificação, organismos a serviço da sociedade global.
    O pronunciamento final do Papa carregou-se de marcada esperança:
    Mai più violenza!
    Mai più guerra!
    Mai più terrorismo!
    In nome di Dio ogni religione porti sulla terra
    Giustizia e Pace,
    Perdono e Vita,
    Amore!
    – nunca mais a violência, nunca mais a guerra, nunca mais o terrorismo. Nunca mais… Acontece que, no mesmo dia 24 de janeiro de 2002, em que se realizava o meeting de Assis-II, um atentado terrorista, em Beirute, redundou na morte, juntamente com mais cinco pessoas, do importante líder falangista cristão libanês Eili Hobeika, a quem se acusara de participação na matança de refugiados palestinos nos acampamentos de Sabra e Chatila em 1982. Dessa morte, Israel inculpou os palestinos, com a cumplicidade síria, ao passo que outros acusaram, diversamente, o governo judeu de Ariel Sharon, de quem Hobeika era aliado ao tempo da carnificina de Sabra e Chatila. Seguiram-se novas investidas israelenses em Gaza, novos atentados palestinos em Jerusalém — destacando-se a primeira mulher terrorista-suicida. As dezenas de conflitos bélicos continuaram em seu ritmo costumeiro, como se não se escutasse o esperançoso grito pontifício: Mai più violenza. Por então, a Índia e o Paquistão preparavam-se para a guerra, que ia continuando seu curso no Afeganistão e no Oriente Médio.
    Falou-se na esperança de que in nome di Dio toda religião (ogni religione) traga sobre a Terra justiça e paz, perdão e vida, amor. É difícil, porém, harmonizar essa esperança com a eclesiologia tradicional católica: como será possível que toda religião — universal indefinido que abrange religiões que negam a personalidade de Deus, a divindade de Jesus Cristo, a imaculada conceição de Sua Mãe, a fundação sobrenatural da Igreja etc.– seja convocada para, em nome de Deus, trazer ao mundo “justiça e paz, perdão e vida, amor”? É difícil entender, no âmbito da tradicional teologia católica, que, afastadas da Fé verdadeira, sendo assim injustas com o testemunho de Deus, possam as várias religiões trazer justiça. Também não se compreende como elas podem trazer amor quando não se acham na verdade da Fé [46]. E, mais, que tudo isso possam elas fazer, verdadeiramente, in nome di Dio. Afinal, poderia indagar-se, sempre salva a reverência: quem — que Igreja?, que religião?, com qual autoridade? — representa Deus entre os homens? Ogni religione?
    * * *

    [1] O Accogliete, illustri é, provavelmente, a mais importante meditação católica sobre a magistratura penal.
    [2] Alloc. Summus Pontifex, iis qui interfuerunt VI Conventui nationali Sodalium Consociationis ex iuris catholicis Italiae, hae edidit verba, agens in prima parte de via quae ducit hominem ad reatum culpae et paenae, in altera vero de statu culpae et paenae (5 Decembris 1954), p. 60-71; Alloc. Summus Pontifex, iis qui interfuerunt VI Conventui nationali Sodalium Consociationis ex iuris catholicis Italiae, hae verba edidit, agens in tertia et ultima parte de liberatione a statu culpae et paenae (5 Februarii 1955), p. 72-85.
    [3] Uma agência européia de notícias recenseou os conflitos instalados no mundo, ao início de 2002, em mais de 30: Afeganistão, Angola, Argélia, Azerbaijão-Armênia, Cachemira, Chechênia (segunda guerra local; invasão russa e incursões de guerrilheiros islâmicos), Colômbia (combates entre guerrilhas de narcotraficantes, paramilitares e Exército -diante de fracassado plano de paz, ou talvez, segundo alguns, de entrega parcelar da soberania), Coréia, Egito, Etiópia-Eritréia, Filipinas (guerrilhas muçulmanas), Iêmen, Ilhas Salomão, Indonésia, Iraque, Kosovo, Laos, México (subversão zapatista desde 1994), Macedônia (Exército de Libertação Nacional dos albaneses do norte da Macedônia, com o concurso de albaneses do Kosovo), Namíbia, Nepal (guerrilha maoísta), Oriente Próximo (Israel, palestinos), República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Saara Ocidental, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sri Lanka, Sudão, Turquiae Uzbequistão. Essas indicações não abrangem as situações de conflito semi-bélico (p.ex., as do campo, no Brasil, em que há um habitual desrespeito armado à propriedade privada e à lei).
    [4] Lê-se no Catecismo da Igreja Católica, do Papa João Paulo II: “Antes do advento de Cristo a Igreja deve passar por uma provação final que abalará a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra desvendará o ‘mistério da iniqüidade’ sob a forma de impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente aos seus problemas, às custas da apostasia da verdade. A impostura religiosa suprema é o Anticristo, isto é, a de um pseudo-messianismo em que o homem se glorifica a si mesmo em lugar de Deus e do seu Messias que veio na carne”. Prossegue o texto: “Esta impostura anticrística já se esboça no mundo toda vez que se pretende realizar na história a esperança messiânica que só pode realizar-se para além dela através do juízo escatológico.” E continua: “A Igreja só entrará na glória do Reino através desta derradeira Páscoa, em que seguirá seu Senhor na sua Morte e Ressurreição. Portanto, o Reino não se realizará por um triunfo histórico da Igreja, segundo um progresso ascendente, mas por um vitória de Deus sobre o desencadeamento último do mal, que fará a sua Esposa descer do Céu. O triunfo de Deus sobre a revolta do mal assumirá a forma do Juízo Final, depois do derradeiro abalo cósmico deste mundo que passa” (ns. 675-677).
    [5] Ou ainda, numa tentativa de salvar o que se chamou de contra-Syllabus, chegou-se a falar em espírito anticonciliar: um antiespírito do Vaticano II.
    [6] Denzinger, 423. O que não exclui a possibilidade de salvação dos que, na linha da teologia católica tradicional, se santificam à distância.
    [7] Na Vulgata: “Qui creditum in eum, non iudicatur; qui autem non credit, iam iudicatus est: quia non credit in nomine uinigeniti Filii Dei”.
    [8] “Amen, amen dico vobis, quia ego sum ostium ovium. (.) Ego sum ostium. Per me si quis introierit, salvabitur.” (Id.).
    [9] “Qui spernit me et non accipit verba mea, habet qui iudicet eum. Sermo quem locutus sum, ille iudicabit eum in novissimo die” (Id.).
    [10] “Qui credit in Filium Dei, habet testimonium Dei in se. Qui non credit Filio, medacem facit eum; quia non credit in testimoniam quod testificatus est Deus de Filio suo. (.) Qui habet Filium, habet vitam; qui non habet Filium, vitam non habet” (Id.).
    [11] “Qui crediderit, et baptizatus fuerit, salvus erit; qui vero non crediderit, condemnabitur”(Id.).
    [12] “Qui vos audit, me audit; et qui vos spernit, me spernit. Qui autem me spernit, spernit eum qui misit me” (Id.).
    [13] “Hic est lapis qui reprobatus est a vobis aedificantibus qui factus est in caput anguli: et non est in alio aliquo salus. Nec enim aliud nomen est sub caelo datum hominibus, in quo oporteat nos salvos fieri” (Id.).
    [14] “Unam sanctam Ecclesiam catholicam et ipsam apostolicam urgente fidecredere cogimur et tenere, nosque hanc firmiter credmius et simpliciter confitemur, extra quam nec salus est.” (Denzinger, 468).
    [15] “Corde credimus et ore confitemur unam Ecclesiam non haereticorum, sed sanctam Romanam, catholicam et apostolicam, extra quam neminem salvari credimus” (Denzinger, 423).
    [16] “Tenendum quippe ex fide est, extra apostolicam Romanam Ecclesiam salvum fieri neminem posse, hanc esse unicam salutis arcam, hanc qui non fuerit ingressus, diluvio periturum.” (Denzinger, 1.647).
    [17] “Liberum cuique homini est eam amplecti ac profiteri religionem, quam rationis lumine quis ductus veram putaverit” (Denzinger, 1.715); “Homines cuiusvis religionis cultu viam aeternae salutis reperire aeternamque salutem assequi possunt” (Id., 1.716); “Saltem bene sperandum est de aeterna illorum omnium salute, qui in vera Christi Ecclesia nequaquam versantur” (Id., 1.717).
    [18] Cit. pela ed. Razón y Fé, Madrid, 1955, p. 30.
    [19] Recruta-se de declaração oficial desfiada então por dois prelados católicos: “Roma nos mandou perguntar se tínhamos a intenção de proclamar nossa ruptura com o Vaticano por ocasião do Congresso de Assis. Parece-nos que a pergunta deveria, antes, ser esta: o sr. acredita e tem a intenção de declarar que o Congresso de Assis consuma a ruptura das Autoridades Romanas com a Igreja Católica?”.
    [20] “Siamo qui, quali rappresentanti delle varie religioni, per interrogarci di fronte a Dio sul nostro impegno per la pace, per chiederne a Lui il dono, per testimoniare il nostro comune anelito verso un mondo più giusto e solidale”.
    [21] “Assisi oggi, come il 27 ottobre del 1986, diventa nuovamente il ‘cuore’ di una folla innumerevole che invoca la pace”.
    [22] “El propio Pontífice se ha referido a estos encuentros con una fórmula de acuñación propia, ‘el espíritu de Asís’, al que se refirió de nuevo durante el Ángelus del pasado veinte de enero al decir que ‘un nuevo espíritu -con frecuencia llamado el espíritu de Asís- anima el diálogo interreligioso y lo liga indisolublemente al compromiso por la justicia, la salvaguarda de la creación y de la paz’” (La Razón, Madrid, 22-1-2002).
    [23] L’Osservatore Romano, 5-1-2002.
    [24] Aos pancristãos, referiu-se Pio XI, já em 6-1-1928, na encíclica Mortalium Animos, item 5.
    [25] Cfr. Romano Amerio, op. cit., § 248.
    [26] O (então) cardeal Ratzinger pôs o dedo na divergência: “la questione dello stato specifico della Chiesa cattolica, che si esprime nella formula secondo cui la Chiesa una, santa, cattolica ed apostolica, di cui parla il Credo, ‘subsistit in Ecclesia catholica’: lascio questa famosa formula qui dapprima non tradotta, perché essa -come era previsto- ha trovato le spiegazioni più contraddittorie -dall’idea, che qui si esprima la singolarità della Chiesa cattolica unita al Papa fino all’idea che qui sia stata raggiunta un’equiparazione con tutte le altre Chiese cristiane e la Chiesa cattolica abbia abbandonato la sua pretesa di specificità” (conferência de 27-2-2000).
    [27] O tema do respeito ao Corão, no meeting de Assis, foi amplamente explorado pela televisão iraquiana.
    [28] Azora 19, 89: “Dizem os cristãos: ‘O Muito Misericordioso teve um filho’. Dizendo isto dizeis uma coisa monstruosa”.
    [29] Azora 4, 156-157: “Disseram [os judeus]: ‘Em verdade, matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Apóstolo de Deus’. Mas não o mataram, não o crucificaram; foi um homem que se parecia com Jesus o que mataram. Em verdade, os que diferem a propósito disso duvidam sobre essa questão por não ter acerca dele [de Jesus] um conhecimento certo, limitando-se a seguir uma opinião. Que não o mataram é certo; o que ocorreu foi que Alá o levou junto a Ele, porque Alá é poderoso e sábio”.
    [30] Azora 5, 74-75: “Infiéis são os que dizem: ‘Em verdade, o Messias, o filho de Maria, é Deus’. Mas não disse o próprio Messias: ‘Oh Filhos de Israel! Adorai a Deus, meu Senhor e vosso Senhor?’. Em verdade, àquele que associa outros deuses a Alá, Alá lhe proíbe o Paraíso, e sua morada será o Fogo, pois aos injustos ninguém poderá socorrê-los”.
    [31] Azora 9, 29: “Matai aos que não crêem em Alá, nem no último Dia, e não proíbem o que Alá e seu Apóstolo proibiram, e a todo aquele que não pratique a religião da verdade entre os que receberam o Livro, até que hajam pago o tributo com suas próprias mãos e estejam humilhados”. Azora 9, 30-31: “Os judeus dizem: ‘Oziar [Esdras] é filho de Deus’. Os cristãos dizem: ‘O Messias é filho de Deus’. Estas são as palavras de sua boca; imitam o que diziam os que eram infiéis antes que eles. Que Alá lhes faça a guerra! São uns embusteiros!”.
    [32] “Réunis ici a Assise, nous avons réfléchi ensemble sur la paix, don de Dieu et bien commun de l’humanité entière. Bien qu’appartenant à des traditions religieuses diverses, nous affirmons que, pour construire la paix, il est nécessaire d’aimer le prochain, en respectant la règle d’or: ‘Fais aux autres ce que tu voudrais que l’on te fasse’”.
    [33] “Comprometemo-nos a educar ao povo em mútuos respeito e estima, para favorecer uma convivência fraterna e pacífica entre pessoas de diferentes grupos étnicos, culturas e religiões” (Bhai Sahibji Mohinder Singh).
    [34] “Comprometemo-nos a promover a cultura do diálogo para que cresçam a compreensão e a confiança recíproca entre indivíduos e povos, pois são essas as premissas da paz autêntica” (Pitirim).
    [35] “Comprometemo-nos a defender o direito de toda pessoa humana a viver uma existência digna, segundo sua própria identidade cultural e a formar livremente uma família” (Thomas Mar Athanasius).
    [36] “Comprometemo-nos a dialogar com sinceridade e paciência, sem considerar o que nos diferencia como um muro impossível de superar, senão que, ao contrário, reconhecendo que o encontro com a diversidade dos demais pode converter-se em uma oportunidade para melhorar a compreensão recíproca” (Abdel Salam Abuschukhaidem).
    [37] “Comprometemo-nos a perdoar-nos mutuamente os erros e preconceitos do passado e do presente, e a apoiar-nos no comum esforço por derrotar o egoísmo e a prepotência, o ódio e a violência, assim como a aprender do passado que a paz sem a justiça não é uma autêntica paz” (Vasilios).
    [38] “Comprometemo-nos a estar do lado dos que sofrem por causa da miséria e do abandono, fazendo-nos porta-vozes de quem não tem voz e trabalhando concretamente para superar essas situações, com a convicção de que ninguém pode ser feliz sozinho” (Chang-Gyou Choi).
    [39] “Comprometemo-nos a fazer nosso o grito de quem não se resigna com a violência e o mal, e queremos contribuir, com todas as nossas forças, para dar à humanidade de nosso tempo uma esperança real de justiça e de paz” (Hojjatoleslam Ghomi).
    [40] “Comprometemo-nos a alentar toda iniciativa que promova a amizade entre os povos, convencidos de que o progresso tecnológico, quando falta um entendimento solidário entre os povos, expõe o mundo a crescentes riscos de destruição e morte” (Nichiko Niwano).
    [41] “Comprometemo-nos a pedir aos líderes das nações que façam todos os esforços possíveis para criar e consolidar, em âmbito nacional e internacional, um mundo de solidariedade e paz, baseado na justiça” (Samuel-René Sirat).
    [42] “Como pessoas de diferentes tradições religiosas, proclamaremos sem descanso que a paz e a justiça são indissociáveis e que a paz e a justiça são o único caminho pelo qual a humanidade pode avançar para um futuro de esperança. Num mundo no qual as fronteiras estão cada vez mais abertas, e as distâncias mais curtas, em virtude de uma ampla rede de comunicações, estamos convencidos de que a segurança, a liberdade e a paz nunca serão garantidas pela força, senão que pelo entendimento mútuo” (Mesach Krysetya).
    [43] Segue o texto do “Decalogo di Assisi per la Pace”: “1. Ci impegniamo a proclamare la nostra ferma convinzione che la violenza e il terrorismo si oppongono al vero spirito religioso e, condannando qualsiasi ricorso alla violenza e alla guerra in nome di Dio o della religione, ci impegniamo a fare tutto il possibile per sradicare le cause del terrorismo. 2. Ci impegniamo a educare le persone al rispetto e alla stima reciproci, affinché si possa giungere a una coesistenza pacifica e solidale fra i membri di etnie, di culture e di religioni diverse. 3. Ci impegniamo a promuovere la cultura del dialogo, affinché si sviluppino la comprensione e la fiducia reciproche fra gli individui e fra i popoli, poiché tali sono le condizioni di una pace autentica. 4. Ci impegniamo a difendere il diritto di ogni persona umana a condurre un’esistenza degna, conforme alla sua identità culturale, e a fondare liberamente una propria famiglia. 5. Ci impegniamo a dialogare con sincerità e pazienza, non considerando ciò che ci separa come un muro insormontabile, ma, al contrario, riconoscendo che il confronto con la diversità degli altri può diventare un’occasione di maggiore comprensione reciproca.
    6. Ci impegniamo a perdonarci reciprocamente gli errori e i pregiudizi del passato e del presente, e a sostenerci nello sforzo comune per vincere l’egoismo e l’abuso, l’odio e la violenza, e per imparare dal passato che la pace senza la giustizia non è una pace vera. 7. Ci impegniamo a stare accanto a quanti soffrono per la miseria e l’abbandono, facendoci voce di quanti non hanno voce e operando concretamente per superare simili situazioni, convinti che nessuno possa essere felice da solo. 8. Ci impegniamo a fare nostro il grido di quanti non si rassegnano alla violenza e al male, e desideriamo contribuire con tutte le nostre forze a dare all’umanità del nostro tempo una reale speranza di giustizia e di pace. 9. Ci impegniamo a incoraggiare qualsiasi iniziativa che promuova l’amicizia fra i popoli, convinti che, se manca un’intesa solida fra i popoli, il progresso tecnologico espone il mondo a crescenti rischi di distruzione e di morte. 10.Ci impegniamo a chiedere ai responsabili delle nazioni di compiere tutti gli sforzi possibili affinché, a livello nazionale e a livello internazionale, sia edificato e consolidato un mondo di solidarietà e di pace fondato sulla giustizia”.
    [44] “Indem wir jede Gewaltanwendung und den Krieg im Namen Gottes oder der Religion verurteilen, verpflichten wir uns, alles Mögliche zu unternehmen, um die Ursachen des Terrorismus zu beseitigen” (em vernáculo: “Como condenamos todo recurso à violência ou à guerra em nome de Deus ou da religião, comprometendo-nos a fazer tudo o que nos seja possível para desarraigar as causas do terrorismo”).
    [45] Alvin Toffler e Heidi Toffler, “A Fé e a Desordem”, O Estado de S.Paulo, 27-1-2002, A15.
    [46] Disse Pio XI: “Sem Fé não há verdadeira caridade. (.) a caridade se apóia na Fé íntegra e sincera como que em um fundamento.” (Mortalium Animos, n. 13)


    Fratres in Unum.com |

  10. #10
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    A paz em Pio XII e seu contraste com o Espírito de Assis.

    Por Mateo Beludi, colunista convidado.
    Faz pouco mais de quatro décadas, Pio XII proferiu, perante o VI Congresso Nacional da União de Juristas Católicos Italianos, a alocução Accogliete, illustri [1]. Por sua inusual extensão, o discurso, em italiano, foi lido em duas audiências. O texto oficial, em latim — como é de costume nos pronunciamentos do Magistério eclesiástico –, foi publicado no boletim oficial do Vaticano, as Acta Apostolicae Sedis, n. 47 (1955) [2]. Freqüentes foram as alocuções de Pio XII perante a União de Juristas Católicos Italianos: em 6 de novembro de 1949, recém-fundada essa associação, o Papa tratou da concepção cristã do direito (Con felice pensiero), dando início à série de discursos possivelmente mais importante de seu magistério.
    É conhecida a afeição que Pio XII teve pelo Direito, e, não raramente, o Pontífice manifestou-se fundamente sobre o tema. Pode mesmo considerar-se a existência, como corpo autônomo, de um magistério jurídico de Pio XII: ilustrativamente, bastaria ler-lhe os ensinamentos em Sempre dolce, alocução de 2-6-1940, acerca do direito e a moral da guerra; Già per la terza volta, inaugurando o ano jurídico 1941-1942, versando o direito matrimonial; Il vedervi, discurso proferido para o Tribunal da Sagrada Rota Romana, em 1º-10-1942, tratando da certeza moral das sentenças judiciárias; Con sempre, sobre a ordem social e jurídica, radiomensagem de 24-12-1942; em L’inaugurazione, discurso de 2-10-1944, sobre a unidade de fim no processo matrimonial canônico; Soyez les bienvenus, discurso de 20-5-1948, apreciando a unidade fundamental do Direito privado; Con vivo compiacimiento, acerca do positivismo jurídico e do absolutismo estatal, discurso proferido em 13-11-1949; Voluistis, praeclari, discurso de 29-4-1952, sobre o Decretum de Graciano; Parmi les institutions, acerca da repressão internacional ao crime, discurso de 15-10-1954 etc.
    Hoje, diante da estendida insegurança pública mundial e do vulto dos conflitos bélicos [3] — em que pese à ilusão de que o progresso incontível e indefinido [4] levaria humanamente à paz — bem se adverte por que esses discursos de Pio XII continuam (ou, ao menos, deveriam continuar seriamente) a interessar aos nossos contemporâneos.
    Mas a chave para acercar-nos seriamente do pensamento de Pio XII passa por um contraste inevitável, de caráter doutrinário, entre seu magistério e o que, para muitos, constitui a “Igreja pós-moderna”. Por isso, destaca-se aqui a consideração do discurso que, no dia 6 de dezembro de 1953, Pio XII dirigiu ao V Congresso Nacional da União de Juristas Católicos Italianos. Nesse discurso, intitulado Ci riesce, versou o Papa o problema moral e político da tolerância no âmbito da comunidade internacional. Assinalou, a propósito, um critério nuclear:
    “Antes de tudo, é preciso afirmar claramente que nenhuma autoridade humana, nenhum Estado, nenhuma Comunidade de Estados, seja o que for seu caráter religioso, pode dar um mandato positivo ou uma positiva autorização de ensinar ou de fazer o que seja contrário à verdade religiosa ou ao bem moral” (§ 14).
    É ainda desse texto de Pio XII:
    “[É] contra a natureza obrigar o espírito e a vontade do homem ao erro e ao mal ou a considerar um e outro como indiferentes. Sequer Deus poderia dar um mandato positivo ou uma positiva autorização dessa classe, porque estaria em contradição com sua absoluta veracidade e santidade” (id.).
    O que Pio XII afirmou, em seguida, prudentemente admissível, foi a tolerância – “em determinadas circunstâncias” — com o livre exercício de uma crença ou dada prática religiosa. Mas, essa situação excepcional, sentenciou o Papa, não exclui a regra primeira de que “o extravio religioso e moral deve ser sempre impedido, o quanto possível, porque sua tolerância é em si mesma imoral, não pode valer em sua forma absoluta incondicionada” (§ 16).
    Somente em dados casos — repete-se: “em determinadas circunstâncias” — poderá aparecer como melhor caminho “não impedir o erro, a fim de promover um bem maior”.
    Avista-se já com essas lições sobre o tema da tolerância — sucintamente colhidas do magistério de Pio XII — a patente dificuldade de compaginá-las com o que, diagnosticado já ao começo do século XX, se apresenta vistosamente depois, por volta das últimas quatro décadas, como um novo espírito na Igreja oficial, um espírito que alguns dizem conciliar e, outros, pós-conciliar [5]. Especificamente no campo da tolerância — de modo marcado, a tolerância religiosa — pode sumariar-se esse novo espírito com a expressão “espírito de Assis”. De fato, por mais se queira, talvez, ressalvar o caráter meramente pragmático do “espírito de Assis”, é irrecusável que ele anima um propósito panreligioso — a alguns ocorre designá-lo como um propósito pancristão –, no qual a verdade doutrinária (rectius: a demarcação confessional) não pode menos do que ser marginada. Isso enfrenta de modo nuclear o juízo –expressamente afirmado por Pio XII — de que a tolerância com os extravios morais e políticos é, em si própria, imoral. Ao revés, o “espírito de Assis” coroa o encontro de possíveis extravios, que apropositadamente se evita (ou não se vê sentido em) apontar.
    Para remarcar o contraste, Pio XII — tal como se adverte na alocução Ci riesce - enfileira-se à tradição eclesial de que a Igreja é universalmente necessária para a salvação dos homens: unam Ecclesiam, sanctam, romanam, catholicam et apostolicam, extra quam neminem salvari.[6]. Essa asserção fundamental não se acomoda à liberdade religiosa e ao ecumenismo professados com o novo espírito que se reconhece agora na Igreja oficial, espírito que, sustentam alguns, parece encaminhá-la para o futuro de uma super-instituição cristã.
    Pio XII tinha a seu dispor, de fato, um forte patrimônio doutrinário de amparo a seu entendimento — sumariável em que não há liberdade humana, sob pena de gravíssima ofensa a Deus, em eleger como “verdadeira” uma qualquer religião:
    - ensinamentos apostólicos:
    - “Quem nEle crê não é julgado; mas quem nEle não crê já está julgado, porque não crê no nome do Filho único de Deus” (Evangelho de S.João, 3-18) [7]
    - “Em verdade, em verdade vos digo, eu sou a porta das ovelhas. (.) Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, será salvo.” (Evangelho de S.João, 10-7 e 9) [8]
    - “Quem me despreza e não quer receber minhas palavras, terá quem o julgue; o ensinamento que eu anunciei, eis o que o julgará no último dia” (Evangelho de S.João, 12-48) [9]
    - “Aquele que crê no Filho de Deus tem em si o testemunho de Deus. Aquele que não crê em Deus, O faz mentiroso, porque não crê no testemunho que Deus deu a respeito de Seu Filho. (.) Quem possui o Filho possui a vida; quem não tem o Filho de Deus não tem a vida” (I Epístola de S. João, 5,10 e 12) [10]

    - “Quem crer e for batizado, será salvo, mas quem não crer, será condenado” (Evangelho de S. Marcos, 16-16) [11]
    - “Quem vos ouve, a mim ouve; e quem vos rejeita, a mim rejeita; e quem me rejeita, rejeita aquele que me enviou” (Evangelho de S. Lucas, 10-16) [12]

    - “Esse Jesus, pedra que foi desprezada por vós, edificadores, tornou-se pedra angular. Em nenhum outro há salvação, porque, sob o céu, nenhum outro nome foi dado aos homens pelo qual devamos ser salvos” (Atos dos Apóstolos, 4, 11-12) [13],
    - repetidos pronunciamentos do Magistério da Igreja:
    - “Una, santa, católica e apostólica: esta é a Igreja que devemos crer e professar já que é isso o que a ensina a fé. Nesta Igreja cremos com firmeza e com simplicidade testemunhamos. Fora dela não há salvação, nem remissão dos pecados.” (Bonifácio VIII, Unam Sanctam) [14]
    - “De coração cremos e com a boca confessamos uma só Igreja, não de hereges, mas a Santa, Romana, Católica e Apostólica, fora da qual cremos que ninguém se salva” (Inocêncio III, Eius exemplo) [15]
    - “O mais firme dogma de nossa religião é o de que ‘fora da fé católica ninguém pode salvar-se’ (Pio VII, Carta apostólica Litteris altero de 24 de março de 1830). (.) E sem contar aqui os testemunhos quase inumeráveis de outros antigos padres, nós nos limitaremos a citar aquele de nosso Glorioso Predecessor, S. Gregório Magno, que atesta expressamente que essa é a doutrina da Igreja nessa matéria. ‘A Santa Igreja universal’ -escreve ele- ‘ensina que Deus não pode ser verdadeiramente adorado que em seu seio; ela afirma que todos os que dela se acham separados não serão salvos’” (Gregório XVI, encíclica Summo jugiter, 27 de maio de 1832).
    - “Com efeito, pela fé deve sustentar-se que fora da Igreja Apostólica Romana ninguém pode salvar-se; que esta é a única arca de salvação; que quem nela não houver entrado, perecerá no dilúvio” (Pio IX, alocução Singulari quadam, de 9 de dezembro de 1854)[16]
    - [As proposições seguintes foram condenadas:]
    a) “Todo homem é livre em abraçar e professar a religião que, guiado pela luz da razão, tiver por verdadeira”
    b) “Os homens podem encontrar no culto de qualquer religião o caminho da salvação eterna e alcançar a eterna salvação”
    c) “Pelo menos, devem ter-se fundadas esperanças sobre a eterna salvação de todos aqueles que não se acham de modo algum na verdadeira Igreja de Cristo” (Pio IX, Syllabus) [17]
    - Era tudo isso matéria até de Catecismo:
    “Pode alguém salvar-se fora da Igreja?
    Não, senhor. Fora da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se, como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era figura desta Igreja” (S.Pio X, Catecismo Maior, 10, § 2o) [18].
    Contrapostamente, em 1986, realizou-se, em Assis [19], uma primeira reunião inter-religiosa das muitas que se seguiram, até mesmo em Roma (1993), promovidas pela Santa Sé. Um novo meeting panreligioso realizou-se em Assis, no dia 24 de janeiro de 2002, com o título “Jornada de Oração pela Paz no Mundo”: “Siamo venuti ad Assisi in pellegrinaggio di pace” — afirmou-se no discurso de inauguração desse certame interreligioso. Ali, na terra do Poverello, reuniram-se representantes de diferentes religiões, com o escopo — disse-se ainda — de se interrogarem diante de Deus sobre seu engajamento em favor da paz e de pedir a Deus o dom “para testemunhar o nosso comum anelo no sentido de um mundo mais justo e solidário” [20]. O Papa, no mesmo discurso, afirmou o vínculo de continuidade com o primeiro encontro de Assis: “Hoje ainda, como em 27 de outubro de 1986, Assis torna-se novamente o ‘coração’ de uma multidão imensa que invoca a paz” [21].
    Entre os representantes delle varie religioni juntaram-se, em Assis, ministros do judaísmo, do budismo, do xintoísmo, do islamismo, do jainismo, do hinduísmo, do zoroastrismo, de religiões tradicionais africanas, de outras denominações cristãs etc. Extraiu-se desse ajuntamento o que se designou “espírito de Assis”: “um novo espírito — com freqüência chamado de ‘espírito de Assis’ — anima o diálogo interreligioso e liga-o indissoluvelmente ao compromisso pela justiça, à salvaguarda da criação e da paz” [22].
    É decerto à luz desse espírito panreligioso de Assis que se hão de compreender certos registros que, ao acaso, se poderiam surpreender em pronunciamentos de autoridades e clérigos católicos. Ilustrativamente, considere-se esta explicação do frade Massimiliano Mizzi, fundador do Centro Franciscano Internacional para o Diálogo, acerca da ampla comparência budista ao meeting de Assis-II: “Per il buddismo” — disse o religioso à agência SIR-Servizio de Informazione Religiosa dos bispos italianos – “la pace è anzitutto una virtù umana che nasce dall’armonia nel proprio cuore. Nel buddismo si insiste molto su questo aspetto: la pace con gli altri nasce nel cuore di ciascuno” [“Para o Budismo, a paz é, acima de tudo, uma virtude humana que nasce da harmonia no próprio coração. No budismo se insiste muito sobre este aspecto: a paz com os outros nasceram no coração de cada um”]. Prossegue Frei Mizzi: nessa reunião de Assis, “i buddisti si ritroveranno tutti insieme e uno di loro comincerà ad intonare il dharma, cioè alcune litanie che verranno ripetute da tutti molte volte. Questo è essenzialmente il modo di pregare tipico del buddismo. E’ una preghiera che aiuta a ritrovare l’armonia interiore e l’armonia con il creato” [“os budistas se encontrarão todos juntos e um deles começará a entoar o dharma, ou seja, alguma ladainha que será repetida muitas vezes por todos. Isto é essencialmente o modo de rezar típico do budismo. É uma oração que ajuda a encontrar a harmonia interior e harmonia com a criação”].
    Essa congregação de amplíssimo espectro religioso representa — na dicção de Dom Camillo Ruini, então presidente da Conferência Episcopal Italiana – “la via sulla quale ogni religione è chiamata ad avanzare” e a “contribuire alla pace e all’amicizia tra i popoli” [“o caminho que toda religião é chamada a percorrer” e a “contribuir para a paz e a amizade entre os povos”]. Pareceria a alguns, é verdade, que o cardeal Walter Kasper, então presidente do Conselho Pontifício para a Unidade dos Cristãos, deixou transparecer preocupação com o risco de sincretismo no meeting de Assis-II, ao advertir que somente em Jesus Cristo a verdade é revelada em todo seu esplendor, de maneira que “os cristãos não podem rezar com os membros de outras religiões” [23]. “Somente em Jesus Cristo”, mas não se disse — advertem alguns — que a verdade está revelada em todo seu esplendor na Igreja, porque a Igreja, diriam os tradicionalistas, é o Corpo Místico de Cristo, porque só a Igreja é a conservadora do depósito da Fé, só a Igreja sua infalível intérprete. Como o sincretismo já fora formalmente contornado, desde os tempos da primeira reunião inter-religiosa de Assis, com uma distinção sutil: juntos para rezar não é o mesmo que rezar juntos, talvez a preocupação de agora seja com uma eventual unidade de frações confessionais que, no meeting de Assis-II, são convidadas a prosseguir em sua própria via (“la via sulla quale ogni religione è chiamata ad avanzare”, disse Dom Ruini), a caminhar, como afirmou o cardeal Kasper, para a verdade que, em todo seu esplendor, não se afirma já que se acha na Igreja.
    Assim, os representantes das várias religiões reunidas em Assis foram convidados a interrogar-se sobre seu empenho pela paz e a pedir a Deus o dom de “testimoniare il nostro comune anelito verso un mondo più giusto e solidale” [“testemunhar o nosso comum anelo por um mundo mais justo e solidário”]. Todas as religiões, todas essas varie religioni, sem controverter sobre verdades doutrinárias, cada uma com sua fé particular, solidarizam-se por meio de uma ortopráxis centrada na paz política. Pensam alguns que se trata, no plano eclesiológico, do encaminhamento a uma Igreja pancristã [24], super-instituição — projeta-se — que reunirá, ao modo de síntese, todos os credos religiosos (hoje: tese e antítese), nos quais agora se encontram sempre o germe fundacional de Cristo e a efusão comum do Espírito Santo. Dessa maneira, despontou uma nova vocação na Igreja que atrai as varie religioni, sem que devam elas reduzir-se à Fé católica: não se tratará mais, como outrora, do retorno dos separados mas de uma reunião do vário, persistentemente vário, sob uma só autoridade não-doutrinária [25].
    Naturalmente, adivinha-se que a multiplicidade de crenças constitui um magnífico embaraço para acomodar o espírito de Assis à eclesiologia tradicional da Igreja [26], que sempre a afirmou instituição dotada de especificidade. E compreende-se que o ânimo panreligioso de Assis — por mais que os organizadores do meeting ladeiem a idéia de assinalá-lo — não se molda ao incisivo da doutrina de que, fora da Igreja, neminem salvari. Pode ver-se trivialmente, por meio de singelo cotejo dos artigos de Fé católica com sentenças que lhe são opostas, p.ex., no Corão [27]: negam os muçulmanos a divindade [28] e a ressurreição de Cristo [29], condenam ao inferno os que crêem na Trindade de Deus [30], prescrevem a morte dos infiéis [31]. No plano moral, o cânon das controvérsias não acha compaginações entre muçulmanos e católicos: poligamia vs. monogamia, aborto vs. direito à vida, divórcio vs. indissolubilidade matrimonial etc. Diante de semelhante oposição doutrinária, os partidários do “espírito de Assis” não podem, no campo da doutrina, outra coisa que contentar-se com “verdades” funcionárias: de fato, à raiz, há um mínimo credo panreligioso — que talvez se possa assim compendiar: cremos em uma divindade. Sequer necessariamente se poderá afirmar que essa divindade “comum” transcenda o mundo e o homem. Mas há sempre a evasiva de uma tese nova: todas as religiões têm fundamento em Cristo, e em todas elas há uma efusão do Santo Espírito.
    Assis, 1986.

    Tudo isso pode corroborar-se pontualmente com a análise da cerimônia de empenhamento pela paz na terceira jornada de Assis-II. Os muitos representantes das varie religioni haviam tomado seus lugares na Piazza San Francesco e ouvido o solene canto de abertura (O Quam Pulchri), quando o cardeal Francis Arinze passou a ler a moção introdutória, destacando as orações de cada uma das religiões então juntadas: “La speranza della pace si è ravvivata durante l’ascolto delle testimonianze e nella preghiera dei vari gruppi” [“A esperança da paz foi revivida durante a audição dos testemunhos e orações dos vários grupos”] (o meeting, com efeito, era uma jornada de orações). Começaram, então, as manifestações singularizadas: de logo, pronunciou-se — tal como oficialmente se designou — Sua Santidade Bartolomeu I, Patriarca Ecumênico, que, grifando a diversidade das várias tradições religiosas, invocou a golden rule da moral laicista: “Faz aos outros o que tu gostarias que te fizessem” [32]. Seguiu-se então a leitura de pronunciamentos de outros líderes religiosos: Konrad Kaiser (do Conselho Ecumênico das Igrejas), Bhai Sahibji Mohinder Singh [33] (da religião sique), o Metropolita Pitirim [34] (ortodoxo russo), Thomas Mar Athanasius [35] (ortodoxo sérvio), o muçulmano Abdel Salam Abuschukhaidem [36], Vasilios [37] (ortodoxo grego), o confuciano Chang-Gyou Choi [38], Hojjatoleslam Ghomi [39] (outro muçulmano), o budista Nichiko Niwano [40] (da associação Rissho Kosei-Kai), o rabino francês Samuel-René Sirat [41] e Mesach Krysetya [42] (da Conferência Menonita Mundial). Ultimou-se com uma impetração – “Dio benedica questi nostri propositi e doni al mondo giustizia e pace” [“Deus abençoe estes nossos propósitos e dê ao mundo justiça a paz”].
    Cabe uma averbação breve acerca do caráter desses compromissos — que vieram a frutificar num decálogo da paz [43]. Depois de uma referência inicial de Bartolomeu I “ao dom de Deus” (“nous avons réfléchi ensemble sur la paix, don de Dieu”) e de uma alusão, obiter dictum, de Konrad Kaiser à inadmissibilidade da guerra “em nome de Deus” (“Krieg im Namen Gottes” [44]), só ao final, impetrou-se Dio benedica etc., seguindo-se a menção de Deus no pronunciamento do Papa. Todavia, não se professaram compromissos em nome de Deus: vários dos representantes das diferentes religiões sequer mencionaram a palavra “Deus”. Tratou-se, pois, de um pacto humano, por certo muito respeitável no plano político, ao modo como outros pactos já se celebraram em organizações internacionais. Não surpreende que, diante desse quadro, Alvin e Heidi Toffler hajam podido considerar as grandes religiões — entre elas, o catolicismo — como um subgênero especial das Organizações Não-Governamentais (ONG’s). Toda a coerente preocupação desses autores é com os fundamentalismos — ou seja, a adversão com o liberalismo e a mais ampla tolerância. O que chamam de células de fanatismo são os grupos “para os quais a religião não pode ser mais um hospedeiro passivo” [45]. As grandes religiões — incluso o catolicismo — são convocadas, então, à tarefa de ser órgãos de compreensão e pacificação, organismos a serviço da sociedade global.
    O pronunciamento final do Papa carregou-se de marcada esperança:
    Mai più violenza!
    Mai più guerra!
    Mai più terrorismo!
    In nome di Dio ogni religione porti sulla terra
    Giustizia e Pace,
    Perdono e Vita,
    Amore!
    – nunca mais a violência, nunca mais a guerra, nunca mais o terrorismo. Nunca mais… Acontece que, no mesmo dia 24 de janeiro de 2002, em que se realizava o meeting de Assis-II, um atentado terrorista, em Beirute, redundou na morte, juntamente com mais cinco pessoas, do importante líder falangista cristão libanês Eili Hobeika, a quem se acusara de participação na matança de refugiados palestinos nos acampamentos de Sabra e Chatila em 1982. Dessa morte, Israel inculpou os palestinos, com a cumplicidade síria, ao passo que outros acusaram, diversamente, o governo judeu de Ariel Sharon, de quem Hobeika era aliado ao tempo da carnificina de Sabra e Chatila. Seguiram-se novas investidas israelenses em Gaza, novos atentados palestinos em Jerusalém — destacando-se a primeira mulher terrorista-suicida. As dezenas de conflitos bélicos continuaram em seu ritmo costumeiro, como se não se escutasse o esperançoso grito pontifício: Mai più violenza. Por então, a Índia e o Paquistão preparavam-se para a guerra, que ia continuando seu curso no Afeganistão e no Oriente Médio.
    Falou-se na esperança de que in nome di Dio toda religião (ogni religione) traga sobre a Terra justiça e paz, perdão e vida, amor. É difícil, porém, harmonizar essa esperança com a eclesiologia tradicional católica: como será possível que toda religião — universal indefinido que abrange religiões que negam a personalidade de Deus, a divindade de Jesus Cristo, a imaculada conceição de Sua Mãe, a fundação sobrenatural da Igreja etc.– seja convocada para, em nome de Deus, trazer ao mundo “justiça e paz, perdão e vida, amor”? É difícil entender, no âmbito da tradicional teologia católica, que, afastadas da Fé verdadeira, sendo assim injustas com o testemunho de Deus, possam as várias religiões trazer justiça. Também não se compreende como elas podem trazer amor quando não se acham na verdade da Fé [46]. E, mais, que tudo isso possam elas fazer, verdadeiramente, in nome di Dio. Afinal, poderia indagar-se, sempre salva a reverência: quem — que Igreja?, que religião?, com qual autoridade? — representa Deus entre os homens? Ogni religione?
    * * *

    [1] O Accogliete, illustri é, provavelmente, a mais importante meditação católica sobre a magistratura penal.
    [2] Alloc. Summus Pontifex, iis qui interfuerunt VI Conventui nationali Sodalium Consociationis ex iuris catholicis Italiae, hae edidit verba, agens in prima parte de via quae ducit hominem ad reatum culpae et paenae, in altera vero de statu culpae et paenae (5 Decembris 1954), p. 60-71; Alloc. Summus Pontifex, iis qui interfuerunt VI Conventui nationali Sodalium Consociationis ex iuris catholicis Italiae, hae verba edidit, agens in tertia et ultima parte de liberatione a statu culpae et paenae (5 Februarii 1955), p. 72-85.
    [3] Uma agência européia de notícias recenseou os conflitos instalados no mundo, ao início de 2002, em mais de 30: Afeganistão, Angola, Argélia, Azerbaijão-Armênia, Cachemira, Chechênia (segunda guerra local; invasão russa e incursões de guerrilheiros islâmicos), Colômbia (combates entre guerrilhas de narcotraficantes, paramilitares e Exército -diante de fracassado plano de paz, ou talvez, segundo alguns, de entrega parcelar da soberania), Coréia, Egito, Etiópia-Eritréia, Filipinas (guerrilhas muçulmanas), Iêmen, Ilhas Salomão, Indonésia, Iraque, Kosovo, Laos, México (subversão zapatista desde 1994), Macedônia (Exército de Libertação Nacional dos albaneses do norte da Macedônia, com o concurso de albaneses do Kosovo), Namíbia, Nepal (guerrilha maoísta), Oriente Próximo (Israel, palestinos), República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Saara Ocidental, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sri Lanka, Sudão, Turquiae Uzbequistão. Essas indicações não abrangem as situações de conflito semi-bélico (p.ex., as do campo, no Brasil, em que há um habitual desrespeito armado à propriedade privada e à lei).
    [4] Lê-se no Catecismo da Igreja Católica, do Papa João Paulo II: “Antes do advento de Cristo a Igreja deve passar por uma provação final que abalará a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra desvendará o ‘mistério da iniqüidade’ sob a forma de impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente aos seus problemas, às custas da apostasia da verdade. A impostura religiosa suprema é o Anticristo, isto é, a de um pseudo-messianismo em que o homem se glorifica a si mesmo em lugar de Deus e do seu Messias que veio na carne”. Prossegue o texto: “Esta impostura anticrística já se esboça no mundo toda vez que se pretende realizar na história a esperança messiânica que só pode realizar-se para além dela através do juízo escatológico.” E continua: “A Igreja só entrará na glória do Reino através desta derradeira Páscoa, em que seguirá seu Senhor na sua Morte e Ressurreição. Portanto, o Reino não se realizará por um triunfo histórico da Igreja, segundo um progresso ascendente, mas por um vitória de Deus sobre o desencadeamento último do mal, que fará a sua Esposa descer do Céu. O triunfo de Deus sobre a revolta do mal assumirá a forma do Juízo Final, depois do derradeiro abalo cósmico deste mundo que passa” (ns. 675-677).
    [5] Ou ainda, numa tentativa de salvar o que se chamou de contra-Syllabus, chegou-se a falar em espírito anticonciliar: um antiespírito do Vaticano II.
    [6] Denzinger, 423. O que não exclui a possibilidade de salvação dos que, na linha da teologia católica tradicional, se santificam à distância.
    [7] Na Vulgata: “Qui creditum in eum, non iudicatur; qui autem non credit, iam iudicatus est: quia non credit in nomine uinigeniti Filii Dei”.
    [8] “Amen, amen dico vobis, quia ego sum ostium ovium. (.) Ego sum ostium. Per me si quis introierit, salvabitur.” (Id.).
    [9] “Qui spernit me et non accipit verba mea, habet qui iudicet eum. Sermo quem locutus sum, ille iudicabit eum in novissimo die” (Id.).
    [10] “Qui credit in Filium Dei, habet testimonium Dei in se. Qui non credit Filio, medacem facit eum; quia non credit in testimoniam quod testificatus est Deus de Filio suo. (.) Qui habet Filium, habet vitam; qui non habet Filium, vitam non habet” (Id.).
    [11] “Qui crediderit, et baptizatus fuerit, salvus erit; qui vero non crediderit, condemnabitur”(Id.).
    [12] “Qui vos audit, me audit; et qui vos spernit, me spernit. Qui autem me spernit, spernit eum qui misit me” (Id.).
    [13] “Hic est lapis qui reprobatus est a vobis aedificantibus qui factus est in caput anguli: et non est in alio aliquo salus. Nec enim aliud nomen est sub caelo datum hominibus, in quo oporteat nos salvos fieri” (Id.).
    [14] “Unam sanctam Ecclesiam catholicam et ipsam apostolicam urgente fidecredere cogimur et tenere, nosque hanc firmiter credmius et simpliciter confitemur, extra quam nec salus est.” (Denzinger, 468).
    [15] “Corde credimus et ore confitemur unam Ecclesiam non haereticorum, sed sanctam Romanam, catholicam et apostolicam, extra quam neminem salvari credimus” (Denzinger, 423).
    [16] “Tenendum quippe ex fide est, extra apostolicam Romanam Ecclesiam salvum fieri neminem posse, hanc esse unicam salutis arcam, hanc qui non fuerit ingressus, diluvio periturum.” (Denzinger, 1.647).
    [17] “Liberum cuique homini est eam amplecti ac profiteri religionem, quam rationis lumine quis ductus veram putaverit” (Denzinger, 1.715); “Homines cuiusvis religionis cultu viam aeternae salutis reperire aeternamque salutem assequi possunt” (Id., 1.716); “Saltem bene sperandum est de aeterna illorum omnium salute, qui in vera Christi Ecclesia nequaquam versantur” (Id., 1.717).
    [18] Cit. pela ed. Razón y Fé, Madrid, 1955, p. 30.
    [19] Recruta-se de declaração oficial desfiada então por dois prelados católicos: “Roma nos mandou perguntar se tínhamos a intenção de proclamar nossa ruptura com o Vaticano por ocasião do Congresso de Assis. Parece-nos que a pergunta deveria, antes, ser esta: o sr. acredita e tem a intenção de declarar que o Congresso de Assis consuma a ruptura das Autoridades Romanas com a Igreja Católica?”.
    [20] “Siamo qui, quali rappresentanti delle varie religioni, per interrogarci di fronte a Dio sul nostro impegno per la pace, per chiederne a Lui il dono, per testimoniare il nostro comune anelito verso un mondo più giusto e solidale”.
    [21] “Assisi oggi, come il 27 ottobre del 1986, diventa nuovamente il ‘cuore’ di una folla innumerevole che invoca la pace”.
    [22] “El propio Pontífice se ha referido a estos encuentros con una fórmula de acuñación propia, ‘el espíritu de Asís’, al que se refirió de nuevo durante el Ángelus del pasado veinte de enero al decir que ‘un nuevo espíritu -con frecuencia llamado el espíritu de Asís- anima el diálogo interreligioso y lo liga indisolublemente al compromiso por la justicia, la salvaguarda de la creación y de la paz’” (La Razón, Madrid, 22-1-2002).
    [23] L’Osservatore Romano, 5-1-2002.
    [24] Aos pancristãos, referiu-se Pio XI, já em 6-1-1928, na encíclica Mortalium Animos, item 5.
    [25] Cfr. Romano Amerio, op. cit., § 248.
    [26] O (então) cardeal Ratzinger pôs o dedo na divergência: “la questione dello stato specifico della Chiesa cattolica, che si esprime nella formula secondo cui la Chiesa una, santa, cattolica ed apostolica, di cui parla il Credo, ‘subsistit in Ecclesia catholica’: lascio questa famosa formula qui dapprima non tradotta, perché essa -come era previsto- ha trovato le spiegazioni più contraddittorie -dall’idea, che qui si esprima la singolarità della Chiesa cattolica unita al Papa fino all’idea che qui sia stata raggiunta un’equiparazione con tutte le altre Chiese cristiane e la Chiesa cattolica abbia abbandonato la sua pretesa di specificità” (conferência de 27-2-2000).
    [27] O tema do respeito ao Corão, no meeting de Assis, foi amplamente explorado pela televisão iraquiana.
    [28] Azora 19, 89: “Dizem os cristãos: ‘O Muito Misericordioso teve um filho’. Dizendo isto dizeis uma coisa monstruosa”.
    [29] Azora 4, 156-157: “Disseram [os judeus]: ‘Em verdade, matamos o Messias, Jesus, filho de Maria, o Apóstolo de Deus’. Mas não o mataram, não o crucificaram; foi um homem que se parecia com Jesus o que mataram. Em verdade, os que diferem a propósito disso duvidam sobre essa questão por não ter acerca dele [de Jesus] um conhecimento certo, limitando-se a seguir uma opinião. Que não o mataram é certo; o que ocorreu foi que Alá o levou junto a Ele, porque Alá é poderoso e sábio”.
    [30] Azora 5, 74-75: “Infiéis são os que dizem: ‘Em verdade, o Messias, o filho de Maria, é Deus’. Mas não disse o próprio Messias: ‘Oh Filhos de Israel! Adorai a Deus, meu Senhor e vosso Senhor?’. Em verdade, àquele que associa outros deuses a Alá, Alá lhe proíbe o Paraíso, e sua morada será o Fogo, pois aos injustos ninguém poderá socorrê-los”.
    [31] Azora 9, 29: “Matai aos que não crêem em Alá, nem no último Dia, e não proíbem o que Alá e seu Apóstolo proibiram, e a todo aquele que não pratique a religião da verdade entre os que receberam o Livro, até que hajam pago o tributo com suas próprias mãos e estejam humilhados”. Azora 9, 30-31: “Os judeus dizem: ‘Oziar [Esdras] é filho de Deus’. Os cristãos dizem: ‘O Messias é filho de Deus’. Estas são as palavras de sua boca; imitam o que diziam os que eram infiéis antes que eles. Que Alá lhes faça a guerra! São uns embusteiros!”.
    [32] “Réunis ici a Assise, nous avons réfléchi ensemble sur la paix, don de Dieu et bien commun de l’humanité entière. Bien qu’appartenant à des traditions religieuses diverses, nous affirmons que, pour construire la paix, il est nécessaire d’aimer le prochain, en respectant la règle d’or: ‘Fais aux autres ce que tu voudrais que l’on te fasse’”.
    [33] “Comprometemo-nos a educar ao povo em mútuos respeito e estima, para favorecer uma convivência fraterna e pacífica entre pessoas de diferentes grupos étnicos, culturas e religiões” (Bhai Sahibji Mohinder Singh).
    [34] “Comprometemo-nos a promover a cultura do diálogo para que cresçam a compreensão e a confiança recíproca entre indivíduos e povos, pois são essas as premissas da paz autêntica” (Pitirim).
    [35] “Comprometemo-nos a defender o direito de toda pessoa humana a viver uma existência digna, segundo sua própria identidade cultural e a formar livremente uma família” (Thomas Mar Athanasius).
    [36] “Comprometemo-nos a dialogar com sinceridade e paciência, sem considerar o que nos diferencia como um muro impossível de superar, senão que, ao contrário, reconhecendo que o encontro com a diversidade dos demais pode converter-se em uma oportunidade para melhorar a compreensão recíproca” (Abdel Salam Abuschukhaidem).
    [37] “Comprometemo-nos a perdoar-nos mutuamente os erros e preconceitos do passado e do presente, e a apoiar-nos no comum esforço por derrotar o egoísmo e a prepotência, o ódio e a violência, assim como a aprender do passado que a paz sem a justiça não é uma autêntica paz” (Vasilios).
    [38] “Comprometemo-nos a estar do lado dos que sofrem por causa da miséria e do abandono, fazendo-nos porta-vozes de quem não tem voz e trabalhando concretamente para superar essas situações, com a convicção de que ninguém pode ser feliz sozinho” (Chang-Gyou Choi).
    [39] “Comprometemo-nos a fazer nosso o grito de quem não se resigna com a violência e o mal, e queremos contribuir, com todas as nossas forças, para dar à humanidade de nosso tempo uma esperança real de justiça e de paz” (Hojjatoleslam Ghomi).
    [40] “Comprometemo-nos a alentar toda iniciativa que promova a amizade entre os povos, convencidos de que o progresso tecnológico, quando falta um entendimento solidário entre os povos, expõe o mundo a crescentes riscos de destruição e morte” (Nichiko Niwano).
    [41] “Comprometemo-nos a pedir aos líderes das nações que façam todos os esforços possíveis para criar e consolidar, em âmbito nacional e internacional, um mundo de solidariedade e paz, baseado na justiça” (Samuel-René Sirat).
    [42] “Como pessoas de diferentes tradições religiosas, proclamaremos sem descanso que a paz e a justiça são indissociáveis e que a paz e a justiça são o único caminho pelo qual a humanidade pode avançar para um futuro de esperança. Num mundo no qual as fronteiras estão cada vez mais abertas, e as distâncias mais curtas, em virtude de uma ampla rede de comunicações, estamos convencidos de que a segurança, a liberdade e a paz nunca serão garantidas pela força, senão que pelo entendimento mútuo” (Mesach Krysetya).
    [43] Segue o texto do “Decalogo di Assisi per la Pace”: “1. Ci impegniamo a proclamare la nostra ferma convinzione che la violenza e il terrorismo si oppongono al vero spirito religioso e, condannando qualsiasi ricorso alla violenza e alla guerra in nome di Dio o della religione, ci impegniamo a fare tutto il possibile per sradicare le cause del terrorismo. 2. Ci impegniamo a educare le persone al rispetto e alla stima reciproci, affinché si possa giungere a una coesistenza pacifica e solidale fra i membri di etnie, di culture e di religioni diverse. 3. Ci impegniamo a promuovere la cultura del dialogo, affinché si sviluppino la comprensione e la fiducia reciproche fra gli individui e fra i popoli, poiché tali sono le condizioni di una pace autentica. 4. Ci impegniamo a difendere il diritto di ogni persona umana a condurre un’esistenza degna, conforme alla sua identità culturale, e a fondare liberamente una propria famiglia. 5. Ci impegniamo a dialogare con sincerità e pazienza, non considerando ciò che ci separa come un muro insormontabile, ma, al contrario, riconoscendo che il confronto con la diversità degli altri può diventare un’occasione di maggiore comprensione reciproca.
    6. Ci impegniamo a perdonarci reciprocamente gli errori e i pregiudizi del passato e del presente, e a sostenerci nello sforzo comune per vincere l’egoismo e l’abuso, l’odio e la violenza, e per imparare dal passato che la pace senza la giustizia non è una pace vera. 7. Ci impegniamo a stare accanto a quanti soffrono per la miseria e l’abbandono, facendoci voce di quanti non hanno voce e operando concretamente per superare simili situazioni, convinti che nessuno possa essere felice da solo. 8. Ci impegniamo a fare nostro il grido di quanti non si rassegnano alla violenza e al male, e desideriamo contribuire con tutte le nostre forze a dare all’umanità del nostro tempo una reale speranza di giustizia e di pace. 9. Ci impegniamo a incoraggiare qualsiasi iniziativa che promuova l’amicizia fra i popoli, convinti che, se manca un’intesa solida fra i popoli, il progresso tecnologico espone il mondo a crescenti rischi di distruzione e di morte. 10.Ci impegniamo a chiedere ai responsabili delle nazioni di compiere tutti gli sforzi possibili affinché, a livello nazionale e a livello internazionale, sia edificato e consolidato un mondo di solidarietà e di pace fondato sulla giustizia”.
    [44] “Indem wir jede Gewaltanwendung und den Krieg im Namen Gottes oder der Religion verurteilen, verpflichten wir uns, alles Mögliche zu unternehmen, um die Ursachen des Terrorismus zu beseitigen” (em vernáculo: “Como condenamos todo recurso à violência ou à guerra em nome de Deus ou da religião, comprometendo-nos a fazer tudo o que nos seja possível para desarraigar as causas do terrorismo”).
    [45] Alvin Toffler e Heidi Toffler, “A Fé e a Desordem”, O Estado de S.Paulo, 27-1-2002, A15.
    [46] Disse Pio XI: “Sem Fé não há verdadeira caridade. (.) a caridade se apóia na Fé íntegra e sincera como que em um fundamento.” (Mortalium Animos, n. 13)


    Fratres in Unum.com |

  11. #11
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    20,518
    Post Thanks / Like

    Re: El Espectro de Asís

    Libros antiguos y de colección en IberLibro
    MANIFESTAÇÃO PÚBLICA DE REPÚDIO: O Seminário Permanente de Estudos Sociopolíticos Santo Tomás de Aquino - SPES manifesta publicamente seu repúdio ao odioso encontro ASSIS III e exorta os amigos e leitores que copiem nosso banner e demonstrem igualmente sua indignação com essa monstruosa afronta ao Reinado de Cristo.


    - - -


    Concílio de Florença (1438-1445): "Firmemente crê, professa e predica que ninguém que não esteja dentro da Igreja Católica, não somente os pagãos, mas também judeus, os hereges e os cismáticos, não poderão participar da vida eterna e irão para o fogo eterno que está preparado para o diabo e seus anjos, a não ser que antes de sua morte se unam a Ela (...)".


    Papa Bonifácio VIII (1294-1303): "Por apego da fé, estamos obrigados a ...crer e manter que há uma só e Santa Igreja Católica e a mesma apostólica e nós firmemente cremos e simplemente a confessamos e fora dela não há salvação nem perdão dos pecados (...) Romano Pontífice, o declaramos, o decidimos, definimos e pronunciamos como de toda necessidade de salvação para toda criatura humana".


    Papa Benedito IV (1740-1758): "Esta fé da Igreja Católica, fora da qual ninguém pode se salvar...".


    Papa Gregório XVI (1831-1846), Mirari Vos: "Outra causa que tem acarretado muitos dos males que afligem a Igreja é o indiferentismo, ou seja, aquela perversa teoria espalhada por toda a parte, graças aos enganos dos ímpios e que ensina poder-se conseguir a vida eterna em qualquer religião, contanto que se amolde à norma do reto e honesto. Podeis com facilidade, patentear à vossa grei esse erro tão execrável, dizendo o Apóstolo que há um só Deus, uma só fé e um só batismo (Ef. 4,5): entendam, portanto os que pensam poder-se ir de todas as partes ao Porto da Salvação que, segundo a sentença do Salvador, eles estão contra Cristo, já que não estão com Cristo (Luc. 11,23) e os que não colhem com Cristo dispersam miseravelmente, pelo que perecerão infalivelmente os que não tiverem a fé católica e não a guardarem íntegra e sem mancha (Simb. Sancti Athanasii). (...) Desta fonte lodosa do indiferentismo promana aquela sentença absurda e errônea, digo melhor disparate, que afirma e que defende a liberdade de consciência. Esse erro corrupto que abre alas, escudado na imoderada liberdade de opiniões que, para confusão das coisas sagradas e civis, se estende por toda parte, chegando a imprudência de alguém asseverar que dela resulta grande proveito para a causa da religião. Que morte pior há para a alma do que a liberdade do erro?, dizia Santo Agostinho (Ep. 166)".


    Teses condenadas pelo Papa Pio IX (1846-1878) no Syllabus:


    15a "É livre a qualquer um abraçar ou professar aquela religião que ele, guiado pela luz da razão, julgar verdadeira".


    16a "No culto de qualquer religião podem os homens achar o caminho da salvação e alcançar a mesma eterna salvação"..


    17a "Pelo menos deve-se esperar bem da salvação eterna daqueles todos que não vivem na verdadeira Igreja de Cristo".


    18a "O protestantismo não é senão outra forma da verdadeira religião cristã na qual se pode agradar a Deus do mesmo modo que na Igreja Católica".


    21a "A Igreja não tem poder para definir dogmaticamente que a religião da Igreja Católica é a única religião verdadeira".




    "Tolerar igualmente todas as religiões é o mesmo que ateísmo"
    (Papa Leão XIII, Immortale Dei)




    SPES - Santo Tomás de Aquino

Información de tema

Usuarios viendo este tema

Actualmente hay 1 usuarios viendo este tema. (0 miembros y 1 visitantes)

Temas similares

  1. Ayuda con San Francisco de Asis
    Por Mefistofeles en el foro Religión
    Respuestas: 14
    Último mensaje: 30/01/2010, 03:22
  2. San francisco de asís. Talla montañesina de la parroquia homónima
    Por tanausú en el foro Reino de las Canarias
    Respuestas: 3
    Último mensaje: 04/10/2009, 12:30
  3. Respuestas: 16
    Último mensaje: 30/05/2009, 20:15
  4. Respuestas: 0
    Último mensaje: 02/10/2005, 20:32

Permisos de publicación

  • No puedes crear nuevos temas
  • No puedes responder temas
  • No puedes subir archivos adjuntos
  • No puedes editar tus mensajes
  •