Búsqueda avanzada de temas en el foro

Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
Resultados 1 al 20 de 24

Tema: Australia descubierta por los portugueses

  1. #1
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Australia descubierta por los portugueses

    A propósito del Pacífico hispano, hoy apareció esto en las noticias de Yahoo:

    Un mapa prueba que los portugueses descubrieron Australia
    21 de marzo de 2007
    SYDNEY, Australia (Reuters) - Un mapa del siglo XVI guardado en la cámara de una biblioteca de Los Ángeles prueba que fueron los aventureros portugueses, no los británicos ni los holandeses, los primeros europeos que descubrieron Australia, según un nuevo libro que detalla el descubrimiento secreto del país.
    El libro "Beyond Capricorn" ("Más allá de Capricornio") dice que el mapa, que marca exactamente los accidentes geográficos de la costa este australiana en portugués, prueba que el

    navegante luso Christopher de Mendonça lideró una flota de cuatro barcos que llegó a Botany Bay en 1522, casi 250 años antes que el capitán británico James Cook.
    El escritor australiano Peter Trickett dijo el miércoles a Reuters que cuando amplió el pequeño mapa pudo reconocer todos los cabos y bahías de Botany Bay en Sydney, el sitio donde Cook reclamó Australia para Reino Unido en 1770.
    Trickett dijo que se tropezó con el mapa hace ocho años en una librería de Canberra. En la tienda había una reproducción del Atlas Vallard, una colección de 15 mapas dibujados a mano y terminados no más tarde de 1545 en Francia y que representaban el mundo conocido hasta ese momento.
    "Dan (los mapas) pruebas abrumadoras de que los barcos portugueses hicieron atrevidos viajes de descubrimiento a principios de la década de 1520, solo unos pocos años después de que viajasen al norte del país para alcanzar las Molucas. Esto fue un siglo antes que los holandeses y 250 años del capitán Cook", agregó.
    El escritor cree que las cartas de navegación originales fueron elaboradas por Mendonça, que salió desde la base lusa de Malacca con cuatro barcos en una misión secreta para descubrir la "isla de oro" de Marco Polo al sur de Java.
    El descubrimiento de Mendonça se mantuvo en secreto para evitar que otras potencias europeas llegasen a la nueva tierra, dijo Trickett, que cree que su teoría está apoyada por los descubrimientos de artefactos portugueses del siglo XVI en las costas de Australia y Nueva Zelanda.
    /Por Michael Perry/
    Última edición por Hyeronimus; 21/03/2007 a las 19:27

  2. #2
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Sobre el mismo tema, tenía esta noticia en mis archivos. Está fechada en 2002. ¿Alguien tendría información más actualizada?

    Un galeón español cambia la historia de Australia

    Aunque la Historia reconoce al británico James Cook como el primer europeo que llegó a la costa sur-oriental australiana, un equipo de arqueólogos de este país insiste en que fueron los españoles los primeros en pisar esta parte del quinto continente.
    Tras descubrir los restos de un antiguo naufragio, el arqueólogo Greg Jefferys está convencido de que la leyenda aborigen sobre un barco español que habría llegado a esas tierras antes que el legendario capitán Cook es cierta.
    Un equipo de arqueólogos encontró hace meses los restos de un barco que parece ser un galeón español del siglo XVI dedicado a la exploración.
    Greg Jefferys y su equipo descubrieron los restos del naufragio bajo más de dos metros de arena en la costa este de la isla Ferret, cerca de WaddyPoint. Los investigadores se basan por el momento en la forma de los cañones que encontraron en la cubierta para sugerir que la nave es de procedencia española, ”La tecnología del cañón es muy específica y por su forma podemos deducir la fecha en que fueron fabricados.” Los expertos siguen estudiando los restos, para confirmar la datación de la nave "estamos seguros al 99,9% que este descubrimiento reescribirá los libros de texto australianos", afirmó Jefferys en la presentación de sus investigaciones.
    En 1606, el español Luis Váez de Torres anduvo rozando las costas de Australia cuando pasó por el estrecho, que todavía hoy conserva su nombre, abierto entre el cabo de York y la isla de Nueva Guinea.. De 1616 a 1636 reconocieron parte del litoral occidental los holandeses que le dieron el nombre de Nueva Holanda, y en 1642, Abel Tasman completó estas exploraciones descubriendo la tierra de Van Diemen o Tasmania. Pero hasta ahora se creía que fue la expedición dirigida por James Cook en el 1770 la que exploró por vez primera la costa orientall. El “Endeavour” partió de Inglaterra en 1768, en busca de la tierra del Sur, con el capitán Cook a su mando. El barco llegó al continente australiano cerca de la actual Sydney. EL Capitán Cook posesionó los territorios en nombre del Rey de Inglaterra, bautizándolos con el nombre de "Nueva Gales del Sur".
    Si la datación de la nave descubierta confirma que proviene del siglo XVI, significaría que el famoso capitan Cook llegó a la costa oriental australiana después de los españoles.

    Portaldehistoria.com
    E-mail: info@portaldehistoria.com
    Fecha: viernes, 11 de octubre de 2002

  3. #3
    Avatar de Ordóñez
    Ordóñez está desconectado Puerto y Puerta D Yndias
    Fecha de ingreso
    14 mar, 05
    Ubicación
    España
    Edad
    39
    Mensajes
    10,255
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    De hecho creo que en Australia existe un monumento a los pioneros....Españoles. La Australia del Espíritu Santo....Creo que de hecho, hasta Carlos III, se la suponía en la órbita del Chile, esto es, Virreinato del Perú, por el Pacífico.

  4. #4
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    En realidad Australia (o mejor, Austrialia) del Espíritu Santo era otra cosa, aunque indudablemente el nombre venga de ahí:

    Pedro Fernández de Quirós


    Pedro Fernández de Quirós (Évora ;1565 - Panamá; 1614) (en portugués Fernandes de Queirós), marino y explorador portugués al servicio de la corona española (por entonces España y Portugal formaban un solo reino).
    Quirós nació en Évora, Portugal. Muy joven se incorporó a la Armada Española y se hizo marino y navegante experimentado. En 1595 sirvió como piloto en las exploraciones de Álvaro de Mendaña de Neira por el sudoeste del Pacífico.
    Como católico devoto, Quirós visitó Roma en 1600, donde obtuvo apoyo del papa, Clemente VIII, para seguir con otras exploraciones. Fue a Perú en 1603 con la intención de encontrar Terra australis, la "gran tierra del sur mítica," y conquistarla para España y la iglesia. La expedición de Quirós, con tres naves, Santos Pedro y Pablo, San Pedro y Los Tres Reyes, partió de El Callao el 21 de diciembre de 1605, con 300 marineros y soldados.
    En 1606 la expedición alcanzó las Tuamotu y las islas más adelante llamadas Nuevas Hébridas (ahora, como nación independiente, Vanuatu). Quirós desembarcó en una isla grande que creyó era parte del continente meridional, y la llamó la Austrialia del Espíritu Santo (mezclando las palabras Austral y Austria, dinastía reinante en España y Portugal). La isla todavía se llama Espíritu Santo. Allí fundó una colonia que llamó Nueva Jerusalén. Pero la colonia fue pronto abandonada debido a la hostilidad comprensible del Ni-Vanuatu-Vanuatu y a los desacuerdos entre los componentes de la expedición.
    Algunas semanas después Quirós se hizo a la mar otra vez. El mal tiempo lo separó de las otras naves y no conseguía (o eso dijo él más adelante) volver a la orilla. Entonces puso rumbo a Acapulco en México, a donde llegó en noviembre de 1606. Su segundo en el mando, Luis Váez de Torres, después de buscar inútilmente a Quirós, se dirigió de nuevo a Espíritu Santo descubriendo que era una isla y siguió buscando la Terra Australis, hasta que abandonó la búsqueda y se dirigió a Manila.
    Quirós volvió a Madrid en 1607. Tomado por loco, pasó los siete años siguientes en la pobreza, escribiendo numerosos memoriales relatando su viaje y pidiendo al rey Felipe III dinero para un nuevo viaje. Lo enviaron a Perú con cartas de recomendación, pero el rey no tenía verdadera intención de financiar otra expedición. Quirós murió en Panamá en 1615.
    El nombre de Pedro Fernández de Quirós se recuerda hoy principalmente en Australia. Muchos autores asignan a Quirós la invención de la palabra "Australia" en la creencia que él nombró sus islas "Australia del Espíritu Santo", mientras que realmente las llamó Austrialia del Espíritu Santo.

    Obtenido de "http://es.wikipedia.org/wiki/Pedro_Fern%C3%A1ndez_de_Quir%C3%B3s"

  5. #5
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    El mapa del que hablaba la noticia



  6. #6
    Avatar de Ordóñez
    Ordóñez está desconectado Puerto y Puerta D Yndias
    Fecha de ingreso
    14 mar, 05
    Ubicación
    España
    Edad
    39
    Mensajes
    10,255
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    ¡ Gracias por el dato Hyeronimvs !

  7. #7
    Avatar de Paco
    Paco está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    27 mar, 05
    Mensajes
    948
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Los interesados en el tema ,podeis acudir a la aeep y sus publicaciones:

    http://www.aeep.es/

  8. #8
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    australia-españa 01-12-2006

    Exposición recuerda presencia española en Pacífico antes de Cook

    La presencia española en el Pacífico Sur es examinada estos días en Australia a través de una exposición que recuerda que Luis Váez de Torres y otros marinos hispanos exploraron esos mares antes que el británico James Cook.


    La estrella de la exposición es precisamente De Torres, un nombre que los australianos asocian al estrecho que separa Australia de Papúa Nueva Guinea, aunque pocos saben que se trata del apellido de su descubridor.

    'Los australianos no apreciamos la importancia de las exploraciones españolas, se nos habla únicamente de James Cook, sabemos que Torres existió y que tenemos un estrecho de Torres, pero no sabemos quién fue', dijo durante la inauguración de la muestra en Sydney la directora del Museo Marítimo Nacional Australiano, Marie-Louise Williams.

    Como De Torres, en Australia tampoco es muy popular la figura de Pedro Fernández de Quirós, que creyó haber descubierto ese continente al pisar la isla de Vanuatu.

    Dividida en 18 paneles ilustrados, la muestra conmemora el 400 aniversario de los viajes de Fernández de Quirós y de De Torres, sin olvidar la que fue la madre de esas expediciones, la que en el siglo XVI condujo a Alvaro de Mendaña a las Islas Salomón y a Guadalcanal, bautizada así en homenaje a la ciudad española donde nació.

    El testigo de Mendaña lo recogería después Fernández de Quirós, que denominó a Vanuatu 'Australia del Espíritu Santo', creyendo haber hallado la mítica 'Terra australis' que los europeos intuían desde la antigüedad.

    Pero como destaca la muestra, fue Váes de Torres el que tras costear la parte norte de Australia se convirtió en el primer europeo en divisar el Cabo de York, para pasar a la historia de la navegación por medio del estrecho que inmortaliza su apellido.

    El comisario de la exposición, Francisco Mellén Blanco, constató a Efe que los mapas y apuntes del marino, que luego se acercó a las indonesias Célebes y a Filipinas, estuvieron ocultos durante 175 años, pero que posiblemente la memoria escrita por Juan Luis Arias pudo orientar la posterior travesía del capitán Cook.

    La exposición amplia la huella en el Pacífico hasta el siglo XVIII, con expediciones como las del virrey Amat de Perú, que partió del Callao, o las de Felipe González de Haedo a la Isla de Pascua y las de Domingo de Bonechea a Tahití.

    Y por su puesto no se olvida de la más famosa de todas ellas, la que protagonizaron Alejandro Malaspina y José Bustamante y un equipo de botánicos e historiadores.

    La 'Expedición Malaespina', como se conoce desde entonces, visitó varios puntos de Australia como Port Jackson, en la Bahía Botánica (Botany Bay), pero también otros países del Pacífico como Nueva Zelanda.

    La muestra se retrotrae también a otras expediciones de gran calado como la de Magallanes y Elcano, que incorporó a la Corona de España las islas Filipinas, desde donde se intentó controlar el comercio de las especias indonesias, y que estaba conectada con México a través del Galeón de Manila.

    El embajador español en Australia, Antonio Cosano, dijo a Efe que la exposición, al igual que las hazañas marítimas que representa, viajará por varias ciudades de Australia, además de por Vanuatu y Nueva Zelanda.

    El diplomático manifestó que se trata de 'una las múltiples actividades celebradas con motivo del aniversario y una ocasión para impulsar las relaciones con Australia, Nueva Zelanda y las Islas del Pacífico'.

    Cosano subrayó que la exposición forma parte de la programación diseñada para la efeméride por el Ministerio de Asuntos Exteriores, la Casa Asia, la embajada española en Canberra y la Sociedad Estatal para la Acción Cultural Exterior de España (SEACEX).


    Terra Actualidad – EFE

  9. #9
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Cristóvão de Mendonça

    Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

    Ir para: navegação, pesquisa
    Cristóvão de Mendonça foi um explorador português e estadista que viveu aproximadamente em 1500.
    Supostamente navegou num navio (hoje conhecido como "Mahogany Ship" ou "Navio de Mogno" no folclore australiano) ao longo da costa oriental e do sul de Austrália antes de ter sido destruído algures nas proximidades de Warrnambool, Victoria.
    Em 1522, crê-se que Mendonça comandou um conjunto de 4 caravelas numa viagem requisitada pela Coroa Portuguesa para explorar além da zona do estreito de Magalhães na extremidade sul da América do Sul em direcção ao Pacífico depois da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães[1]. A viagem foi mantida secreta porque provavelmente violaria o Tratado de Tordesilhas, no qual Portugal concordou que Espanha teria direitos exclusivos à exploração na maior parte das Américas, e as regiões entre as Américas e Ásia.
    Mais tarde foi Capitão-Mor da cidade de Ormuz de 1527 a 1532, uma possessão portuguesa, de 1515 a 1622, antes de ser incorporada na Pérsia em 1622.
    Na edição de 19 de Março de 2007, numa notícia publicada pelo jornal australiano "The Sydney Morning Herald", Peter Trickett reforça a teoria de que foram os portugueses, por Cristovão de Mendonça, os primeiros colonos europeus a chegar à Austrália, em 1522, quase 250 anos antes de James Cook (1770). Num dos mapas mais misteriosos do "Vallard Atlas" (mapas que datam até 1545), Trickett conseguiu verificar com a ajuda de um computador que se rodasse 90º metade do mapa, conseguiria obter as costas leste e sul australianas em extraordinário detalhe. Além disso, este mapa particular tem 120 nomes de localidades escritos em português e não em francês. A origem da construção deste Atlas do Mundo como era conhecido para os europeus na altura, foi feita em Dieppe, na França - por isso, estes mapas são também conhecidos por "Mapas de Dieppe".

  10. #10
    zegato está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    03 nov, 06
    Mensajes
    62
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    [quote=Hyeronimus;24448]En realidad Australia (o mejor, Austrialia) del Espíritu Santo era otra cosa, aunque indudablemente el nombre venga de ahí:

    Pedro Fernández de Quirós


    Pedro Fernández de Quirós (Évora ;1565 - Panamá; 1614) (en portugués Fernandes de Queirós), marino y explorador portugués al servicio de la corona española (por entonces España y Portugal formaban un solo reino).

    Não e verdade. Não formavam um só Reino. Havia 2 reinos. O reino do Estado Portugués e o reino do estado Espanhol. O que acontecia e que estes reinos tinham o mesmo Rei, embora com nome diferente em cada uma dos Reinos: Filipe II de espanha era Filipe I de Portugal.

  11. #11
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Isso já o sabemos, Zegato. São as coisas da Wikipedia, que não o é perfeita, nem sempre confiável. E havia ainda mais reinos no império (ainda não havia estado, isso é mais recente).

  12. #12
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    A DESCOBERTA DA AUSTRÁLIA PELOS PORTUGUESES
    Por J. Chrys Chrystello
    The Yawuji Barra and the Yawuji Baía
    (Os Avós de Barra e os Avós de Baía)

    INTRODUÇÃO - O CONTINENTE-ILHA
    A Austrália caracteriza-se basicamente por ser um vasto continente de 8 000000 km quadrados de baixo-relevo orográfico, isolada, com suas terras áridas, bem diversa doutros locais do globo. O seu isolamento de outras massas de terra, explica até certo ponto a sua fauna e flora, enquanto o relevo pouco pronunciado se poderá atribuir à erosão do vento, das chuvas, e do calor durante as épocas geológicas em que a massa continental esteve acima do nível médio das águas. Para muitos, a Austrália foi a última fronteira, a última das terras, por ter sido das últimas que foram "descobertas" pela civilização ocidental… Dezenas de milhar de anos antes das viagens de Abel Tasman e James Cook ao Pacífico Sul, já os aborígenes haviam coberto a distância que separa a Ásia da Austrália, tendo-se disseminado pelo continente e pela Tasmânia, enquanto não falarmos das digressões portuguesas pela área...
    O início daquilo a que muitos chamam a nova era civilizacional, poderá situar-se em 1788, aquando da chegada do Capitão Arthur Phillip, da Real Marinha Britânica (e comandante supremo do Almirantado Português na América do Sul), à frente da 1ª Armada, quando na época existiam cerca de 300 mil aborígenes mas não foi Cook quem deu o nome a esta terra.
    FLINDERS DEU NOME À AUSTRÁLIA
    Quem baptizou este continente? Decerto não foram os Portugueses pois que nos seus mapas aparece ainda a designação de Java a Grande (Jave, la Grande), essa Terra Australis que eles negavam veementemente conhecer e ainda hoje se recusam a reconhecer.
    Durante mais de 30 anos após o histórico dia 26 de Janeiro de 1788, data do desembarque da 1ª Armada, ela foi conhecida pelo seu nome em Latim, de "Terra Australis" com o cognome de Incognita, mas também era denominada como Nova Holanda em honra dos navegantes holandeses que durante o século XVII arribaram à inóspita e árida costa do noroeste; ou ainda Nova Gales do Sul, tal como a baptizara o Capitão Cook para toda a metade oriental, ou ainda Terra de Van Diemen (Van Diemen's Land) nome dada à Tasmânia pelo navegador holandês daquele nome ouve porém um homem que lhe acabaria por dar um nome único a fim de terminar com a confusão de todas estas terminologias, um oficial da armada, navegador e explorador e hidrógrafo extraordinário com o nome de Matthew Flinders. Ele e o seu colega George Bass, um cirurgião naval com quem partilhava um amor ao mar e um interesse apaixonado na exploração de lugares distantes, exploraram e mapearam em conjunto e separadamente uma grande parte da costa australiana durante os finais do século XVIII e início do século XIX. Eles estavam de tal forma embrenhados no amor ao mar, a crer num dos seus biógrafos (Robert Osbiston), que deixaram as suas noivas de três meses para partirem em mais uma viagem. Flinders não tornaria a ver a sua mulher durante nove anos, dos quais sete passados numa prisão nas Maurícias. Bass nunca mais viu a sua mulher, pois que juntamente com a sua tripulação desapareceu na vastidão do Pacífico Sul, para nunca mais serem vistos nem ouvidos.
    Flinders nasceu em Lincolnshire, na Inglaterra em 1774, e não acedeu aos desejos da família para ser cirurgião, tal como seu pai, avô e bisavô. Inspirado pela obra Robinson Crusoe já sabia que rumo ia dar à sua vida e aos 15 anos (1789) embarca como aspirante da marinha real, tendo maravilhado os seus superiores a bordo HMS Scipio com os seus conhecimentos de geometria e de navegação, dado ser muito novo e evidentemente autodidacta. Nos finais de 1790, Flinders juntou-se ao célebre Capitão Bligh (da famigerada Bounty e mais tarde Governador de Nova Gales do Sul) na sua segunda viagem ao Pacífico Sul, com o fim de transplantar fruta-pão das Índias Ocidentais.
    Regressou a Inglaterra em 1793 e no ano seguinte alistou-se no HMS Reliance, então a aprestar-se em Portsmouth, para embarcar como passageiro sob o comando de John Hunter, recentemente nomeado governador da nova colónia. Foi nesse navio que conheceu George Bass. Pouco depois de chegarem, em Setembro de 1795, os dois amigos fizeram-se ao mar com um miúdo como tripulante do barco Tom Thumb, um barquito com uma quilha de 8 pés (aprox 2,4 metros) e um mastro de 5 pés (1,5 metros), para fazerem descobertas ao longo da costa sul de Port Jackson. Exploraram a baía de Botany e o rio Georges, depois numa segunda viagem no "Reliance" passaram pela ilha Norfolk e mais para sul na costa pelo Lago Illawarra e Port Hacking.
    FRANCESES NA AUSTRÁLIA
    Não é só a descoberta portuguesa da Austrália, ou o nome de quem a baptizou que são desconhecidos. Ignorado também é o facto de em 1772, o navegador francês François Saint-Allouarn ter ancorado o seu barco "Gros Ventre (Barriga Grande) " em Shark Bay (A Baía dos Tubarões), mesmo a meio da costa ocidental australiana (Nova Holanda ou Gonnevilleland como os Franceses lhe chamaram), e plantando a bandeira emitiu uma "prise de possession (título de posse) " para o seu soberano rei Luís XV, enterrando uma garrafa na ilha Dirk Hartog. A reivindicação era válida. Saint-Allouarn morreu no regresso a França e Luís XV demasiado ocupado com a guerra pelas possessões Franco-Canadianas, pode não ter dado conta da reivindicação.
    Os Franceses planeavam ocupar as ilhas Rottnest e Garden (ao largo de Perth), também designadas como as Ilhas Napoleão, mas decidiram não manter uma fronteira comum com a Inglaterra. Napoleão apoiou uma expedição científica aos antípodas em 1800 liderada por Nicolas Baudin e a Austrália Ocidental voltou à posse de Inglaterra em 1829, assim como Les Malouines (Falkland ouMalvinas) o tinham sido 65 anos antes. A Terra Australis tornou-se assim em mais um acidente da História Anglo-Saxónica que latina.
    A ligação da França e da Austrália (apesar das divergências quanto às explosões nucleares em Mururoa) persiste ainda nos nossos dias. Metade das mortes australianas nas duas Grandes Guerras foi em terras francesas, especialmente no Somme. Em 1918, o Exército Australiano (que não era parte do ANZAC) ganharam uma batalha decisiva contra os alemães em Villers-Bretonneux em 25 de Abril, dia que se tornou Feriado Nacional como Dia dos ANZAC's. Existem peregrinações regulares às campas de mais de 35 mil australianos na Picardia. A cidade de Mazamet, perto de Toulouse é "mais australiana que francesa, e as suas companhias têm mais funcionários em Melbourne ou Geelong do que em Mazamet. As ruas chamam-se Melbourne, Yarra, Victoria, etc." segundo declarava Alain Serieyx que foi delegado geral da França para as celebrações do Bicentenário em 1988.
    Austrália Ocidental evoca aquilo que o país poderia ter sido com os seus nomes franceses: Esperance, Bonaparte, Bossu, Naturaliste e Vasse. O livro "France Australe" de Leslie Marchant (Artlook Books, Perth, 1982) dá o crédito a Binot Paulmier de Gonneville como o primeiro europeu a andar em terras austrais, em 1504.
    O navio Esperance, sob o comando de D'Entrecasteaux, fez uma viagem em 1791 da França até à Baía Botany em busca do desaparecido La Perouse. Numa curiosa ironia do destino, La Perouse tinha-se feito à Baía de Botany em 26 de Janeiro de 1788. O Governador Arthur Phillip tinha acabado de chegar com os degredados e colonos ingleses e ao vê-lo, mal teve tempo de hastear a bandeira inglesa. La Perouse é um nome importante na história australiana, pois enviou despachos e mapas das suas expedições do Pacífico, feitas a partir da Baía de Botany (na Sydney actual). O seu desaparecimento foi um mistério por mais de 39 anos.
    Ainda hoje existe um monumento à sua memória numa área concedida aos franceses perpetuamente em 1825 (não era bem o que Napoleão queria, mas de qualquer modo era território legitimamente francês em Gonnevilleland). Aquele subúrbio, hoje território aborígene em grande parte, manteve o nome de La Perouse, nome também dado a um Museu na Baía de Botany, inaugurado aquando do Bicentenário (1988), e partilhando um edifício onde existe um controverso Museu Aborígene. Os franceses têm registos históricos dos seus múltiplos contactos com os aborígenes australianos, e os relatórios de François Peron e do artista Charles Leuseur evocam vívidas pinturas dos Tasmanianos que eventualmente pereceram sob o genocídio "europeu".
    Conde de La Perouse, Almirante Jean François de Galaup, e as suas duas fragatas "La Boussoule" e "Astrolabe" ao chegarem ao porto da Baía Botany depararam com os 11 navios da 1ª Armada do Capitão Arthur Phillip. Estabeleceram contacto e viram Phillip partir para Port Jackson. Enquanto os britânicos faziam os preparativos para a sua instalação em Sydney Cove, os cientistas e marinheiros franceses descansaram por seis semanas na Baía Botany donde partiriam, de regresso a França em 10 de Março. Pouco depois as duas fragatas e os seus 230 homens desapareceram, sem deixarem rasto.
    O mistério permaneceu até 1827, quando o navegador irlandês Peter Dillon encontrou a naufragada "Boussole" a dez metros de profundidade em Vanikoro, nas ilhas Salomão. Uns anos mais tarde também ali foi descoberto o "Astrolabe", que soçobrou no mesmo ciclone. Alguns relatos compilados por Dillon, dão conta que a maior parte dos náufragos foi comida por tubarões e alguns sobreviventes foram-no, mas pelos nativos que temiam que eles fossem espíritos malignos. Alguns sobreviventes demoraram entre 6 a 9 meses a construírem um barco de dois mastros, nos quais apenas dois sobreviventes terão embarcado. Os restos de uma embarcação como a descrita pelos nativos foram encontrados em 1861, perto de Mackay, no norte da Queenslândia.
    Hoje, no museu de nove salas, que ostenta o nome de La Perouse, podem observar-se reproduções do primeiro encontro com os aborígenes, do encontro com o capitão Phillip; vendo-se ainda a exploração geral do pacífico depois da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães e a história de La Perouse, desde o seu nascimento em Albi ao seu envolvimento na Guerra da Independência da América e a libertação dos portos de Hudson Bay das mãos dos ingleses. O Museu tem ainda relíquias da época que atestam os contactos amigáveis entre Sir Joseph Banks e La Perouse, e reproduções diversas da época.
    Quando em 1984 se publicou o livro de Colin Wallace "The Lost Australia of (A Austrália Perdida de) François Peron", imaginava-se que se iria reacender a controvérsia do século XIX sobre a nomenclatura da costa australiana: naquela época a costa meridional ostentava nomes como TerreNapoleon, Golfe Bonaparte, Golfe Josephine. A própria Ilha Kangaroo (Canguru) foi baptizada por Nicholas Baudin como "Iles Decres" e a Baía Encounter (Encontro) ficou denominada assim por ter sido o ponto de encontro acordado por entre François Peron e Matthew Flinders. O interesse da França por estas paragens, de acordo com aquele livro de Colin Wallace, cresceu a partir da
    expedição no século XVIII de Louis de Bougainville, antes da Revolução Francesa e da Era de Terror que se lhe seguiu. Napoleão nutria um fascínio secreto pela Austrália, notável, pois enquanto preparava as guerras no continente ainda teve tempo para se dedicar a montar uma expedição científica aos antípodas. Peron tinha qualidades de liderança notáveis, demonstradas durante a Revolução Francesa e as guerras Prussianas, tendo sido promovido a sargento antes dos 20 anos. Gravemente ferido ficou incapacitado, o que não o impediu de frequentar a escola médica da Sorbonne onde estudou ciências médicas, tendo-se oferecido para a expedição como cientista. Quando Baudin faleceu nas Maurícias, foi ele que assumiu o comando da expedição que durava há já quatro anos. Peron, em Paris, conseguiu classificar as colecções de botânica e zoologia, para além de publicar o relato da expedição, mas morreu de tuberculose aos 36 anos de idade. Uma das curiosidades deste livro é que ali Peron aparece como o primeiro ecologista, alertando para o perigo de extinção de plantas e animais que então considerava raros e em vias de extinção.
    Outra curiosidade, aparte as considerações sobre a incompetência de Baudin como comandante de uma missão desta importância, é a de Peron ter sido o "pai da antropologia" e o seu estudo dos aborígenes em diversas partes da Austrália, assim o atesta. Ele dava-se bem e gostava deles e, muito do que hoje se sabe sobre os desaparecidos aborígenes da Tasmânia, a ele se deve. Peron é também o primeiro a ter comido carne de "wallaby (pequeno canguru) " que estava confiante poderia ser criado como animal doméstico, descrevendo a sua carne como semelhante à dos coelhos da sua terra natal. Peron morreu demasiado cedo (1810) para que a sua valiosa obra científica tivesse a consideração merecida e, em vez de termos hoje alguns nomes franceses na costa australiana, decerto teríamos muitos mais.


    http://www.dightonrock.com/adescober...pelosportu.htm
    Última edición por Hyeronimus; 08/08/2011 a las 13:39

  13. #13
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    O PRIMEIRO GOVERNADOR DA AUSTRÁLIA LUTOU PELA MARINHA PORTUGUESA
    Finalmente, a História começa a repor no seu lugar os factos reais, desimbuídos de conotações patrioteiras, e, neste caso devemos considerar, uma publicação vinda a lume em 1984 do historiador australiano Kenneth Gordon McIntyre, sob o título "The Rebello Transcripts, Governor Phillip’s Portuguese Prelude"1
    Para os mais desconhecedores das primeiras páginas da história da colonização europeia da Austrália, diremos que o Capitão Arthur Phillip foi o comandante da Primeira Armada que chegou à Austrália em 1788 (8 anos depois da alegada descoberta do Capitão Cook), após 257 dias de tormentosa viagem, com 11 barcos, dos quais 6 de transporte, com 730 degredados (570 condenados e 160 mulheres condenadas), 250 marinheiros e outros homens livres, para constituírem a primeira colónia britânica no continente. Ao contrário do que se encontra escrito, a nomeação de Phillip não correspondeu ao clímax de uma brilhante carreira na Real Marinha Britânica, mas sim aos relevantes serviços, por ele, prestados à Marinha Portuguesa e, da qual fez parte como mercenário.
    O livro de McIntyre2 "The Rebello Transcripts" baseia-se num estudo efectuado, em finais do século passado pelo General Jacinto Rebelo (Jacintho Ignácio de Brito Rebello), arquivista da Torre do Tombo, que, a pedido.
    Nota de rodapé:
    1 Edição da Souvenir Press Ltd, Adelaide, South Australia, com este título, que se poderia traduzir como "A Transcrição (dos
    Arquivos Nacionais pelo General Jacintho Ignácio de Brito) Rebello, Um Prelúdio Português para o Governador (Capitão de Mar e Guerra Arthur) Phillip."
    2 Nota do Autor: Kenneth Gordon McIntyre, OBE, MA, LL. B (Melb), Comendador da Ordem do Infante, nasceu em Geelong,, nos arredores de Melbourne, estado de Vitória, sendo Leitor de Literatura Inglesa na Universidade de Melbourne, entre 1931 e 1945, tendo-se dedicado, a partir daí, a uma bem-sucedida prática de advocacia, sendo Assessor do Governo em assuntos legais, e Presidente da Câmara Municipal de Box Hill. Sempre interessado na Língua e Literatura Portuguesas, dedicou a sua reforma ao estudo de antigos documentos portugueses. O primeiro resultado deste labor foi o livro "A Descoberta Secreta da Austrália" publicado pela Souvenir Press, em 1977, no qual prova que os primeiros europeus a descobrirem a Austrália haviam sido os Portugueses no século XVI e não o Capitão Cook que apenas atracou em 1770. Foi graças a este livro que o General Ramalho Eanes, em nome do Governo Português lhe concedeu a Comenda da Ordem do Infante (D. Henrique, o navegador).
    3 Publicado em Sydney em 1937.
    4 O autor usa a grafia portuguesa Colónia, em vez do brasileiro Colônia, que é, além da cidade uruguaia, também, o nome dado à cidade alemã de Köln.
    5 1756-1763, guerra pela supremacia nas colónias sul americanas opondo a Espanha, apoiada pela França, contra Portugal e Inglaterra., e da qual estas sairiam vencedoras, com a excepção da perda de Rio Grande, que acabou por ficar em mãos espanholas. Ao contrário do que acontecera na guerra, durante a qual a Inglaterra ganhou Cuba aos Espanhóis e Manila (Filipinas), os ministros plenipotenciários que assinaram o Tratado de Paz, desconheciam esse facto. Se um Tratado devolveu Cuba a Espanha, e mais tarde foi acrescentada a devolução de Manila, no caso vertente o Rio Grande ficou na posse espanhola e não foi devolvido aos portugueses, quando estes finalmente obtiveram a devolução de Colónia do Sacramento, com o Tratado de Paris de 1763. de historiadores australianos dedicou toda a sua vida a estudar a carreira do Capitão Phillip ao serviço dos portugueses.
    Embora os dados, então, recolhidos tenham estado à disposição dos historiadores, o seu desconhecimento da história portuguesa não permitiu o seu anterior aproveitamento. Refira-se, a propósito, que historiadores, tão consagrados, como George MacKaness ao publicar em 1937 a Biografia do Almirante Arthur Phillip3 referem a sua participação na defesa de "colónia", supostamente considerado como o Brasil, em vez de Colónia (Colónia del Sacramento), cidade sul-americana, hoje em território uruguaio.4
    Nascido em 1738, o capitão Phillip frequentou uma obscura escola em Greenwich, tendo praticado como marinheiro na Grônelândia, sem qualquer acto digno de menção, durante a Guerra dos Sete Anos5. Quando esta guerra terminou, a Real Marinha Britânica dispensou os serviços de Phillip, pelo que este teve de recorrer à agricultura para sobreviver durante os dez anos seguintes.
    Em 1773 os Portugueses estavam a recrutar oficiais de Marinha estrangeiros, quando Phillip, um mero Tenente Naval, obtém uma posição de Capitão na marinha lusa. Três anos mais tarde, estava já a comandar uma fragata portuguesa encarregue da protecção de Colónia (do Sacramento), uma praça penal na América do Sul, permanentemente ameaçada pela Espanha, de tal forma, que os seus habitantes se viram obrigados a comer ratos, cães e gatos para sobreviverem ao cerco espanhol.
    O profissionalismo de Phillip granjeou-lhe a admiração das autoridades portuguesas. Em 1777, uma larga Armada espanhola tentando provocar um confronto com as forças portuguesas passeava-se ao largo da costa sul-americana. À data, estava encarregue da defesa da área um comodoro irlandês, de seu nome MacDoual, que depois de consultar Phillip, lhe disse ser de evitar qualquer confronto directo entre as duas nações.
    Phillip tentando convencer o irlandês a atacar o inimigo, sabia de antemão o provável resultado de um confronto, demonstrando assim a sua impulsividade e o seu sentimento de dever. Mais tarde, em 1778, de regresso à Inglaterra, motivado por um sentimento de fidelidade ao país que enfrentava a difícil situação da Guerra da Independência (da América), Phillip coloca-se à disposição da Inglaterra. Este exemplo, foi, durante muitos anos, considerado como um exemplo de patriotismo, mas deve-se considerar mais como uma resposta à recusa dos portugueses de manterem os seus notáveis serviços.
    Depois de ter sido colocado na Reserva durante 16 meses, a Armada Britânica deu-lhe o comando de uma nave de 64 canhões, a "Europa". Nesta data, tinha Phillip, 43 anos de idade. Cinco anos mais tarde (1786) era-lhe confiada a missão de conduzir a Primeira Armada até ao porto de Botany Bay, em Sydney.
    Uma das razões citadas para esta promoção de Phillip foi a de que mais ninguém estaria interessado na ‘honra’ de assumir tal posição. Na realidade, a razão por que Phillip foi chamado e recomendado para este lugar, deve-se ao facto de a sua acção ter sido meritória ao serviço da Armada Portuguesa.
    Tal como Colónia, na América do Sul, debaixo de uma difícil e morosa linha de abastecimentos, também Botany Bay (aqui onde hoje é Sydney) representava uma situação difícil, tal como acontecera à possessão portuguesa.
    Assim, nasceu a importância do Capitão Phillip para a moderna história da Austrália. Se bem que sendo de descendência germânica e tenha estado ao serviço dos portugueses 6, Phillip pode ser considerado o primeiro membro "étnico" de uma Austrália multicultural.
    QUADRO I
    A LUTA PELA COLÓNIA DE SACRAMENTO
    DATA ACONTECIMENTO DOMÍNIO NACIONAL
    1494 TRATADO DE TORDESILHAS Espanhol n7
    1679 Fundação de Colónia pelo Príncipe Pedro Português
    1680 Destruição de Colónia pelos Espanhóis Espanhol
    1683 Devolução de Colónia após negociações Português
    1705 Captura. Guerra da Sucessão em Espanha Espanhol
    1713 Devolução. Tratado de Utreque (Utrecht) Português
    1750 Renegação do Acordo. Tratado de Madrid Espanhol
    1761 Revogação do Acordo. Tratado do Pardo Português
    1762 Captura. Guerra dos Sete Anos Espanhol
    1763 Devolução. Tratado de Paris Português
    1777 Destruição pelos espanhóis Espanhol
    1821 Anexação por Portugal Português
    1822 Independência do Brasil Brasileiro
    1828 Fundação do Uruguai Uruguaio
    QUADRO II
    A CARREIRA DO CAPITÃO PHILLIP NA MARINHA PORTUGUESA
    1774 25 DE AGOSTO Solicita autorização para admissão na Marinha Portuguesa
    22 DE DEZEMBRO Parte de Londres para Lisboa
    1775 14 DE JANEIRO É nomeado Capitão da Marinha Portuguesa
    09 DE FEVEREIRO Parte de Lisboa ao comando da "Belém"
    ? MAIO Chega ao Rio de Janeiro
    28 DE SETEMBRO Ao comando da "Pilar" ruma com destino a Colónia
    22 DE OUTUBRO A "Pilar" parte do Desterro
    ? NOVEMBRO Regressa ao Rio, partindo logo a seguir
    1776 27 DE JANEIRO Ao comando da "Pilar" ruma a Colónia
    18 DE AGOSTO A "Pilar" intervém na defesa de Colónia
    29 DE DEZEMBRO Parte de Colónia
    1777 20 DE FEVEREIRO Fica baseado na Ilha de Santa Catarina
    ? MARÇO Fica integrado num Esquadrão Naval no Rio de Janeiro
    01 DE ABRIL Parte ao comando da "Pilar" numa missão de defesa a sul
    26 DE ABRIL Regressa triunfante com um barco inimigo aprisionado
    29 DE MAIO Nova partida em patrulha às águas do sul
    23 DE OUTUBRO Nomeado capitão do "Santo Agostinho"
    1778 10 DE MAIO Parte do Brasil com destino a Lisboa
    04 DE AGOSTO Chegada a Lisboa
    24 DE AGOSTO Pagamento e exoneração da Marinha Portuguesa
    6 Ver Quadro II.
    7 n Denota apenas mudança teórica do domínio legal, já que na prática (fisicamente) nada se alterou.
    A DESCOBERTA DA AUSTRÁLIA PELOS PORTUGUESES
    Desconhecida para a maioria das pessoas é a história deste país, que nas últimas décadas sofreu várias alterações conceptuais. É agora aceite, pela maioria dos historiadores, que os primeiros europeus a navegarem e a traçarem cartograficamente a costa australiana não foram, ao contrário do que tem sido ensinado ao longo dos 200 anos da nação, o capitão Cook e seus correligionários, mas marinheiros portugueses que o fizeram mais de 250 anos antes daqueles. A teoria de os portugueses terem sido os primeiros, não é de agora nem sequer é nova. Com efeito, celebrou-se em 1984 o centésimo aniversário de tal teoria, defendida então pelo historiador George Collingridge, o qual, infelizmente, jamais a conseguiu provar.
    Depois dele, vários outros tentaram sem sucesso demonstrar a viabilidade de tal interpretação, jamais se quedando para além da especulação. Em 1977, um advogado, Kenneth Gordon McIntyre, publicou um livro intitulado "A Descoberta Secreta da Austrália" que veio alterar totalmente este estado de coisas, passando a partir daí, a ser o ónus dos cépticos de desmentirem as suas alegações.
    Embora McIntyre (ver Anexo VIII) não seja um historiador na acepção académica do termo, certo é que os seus estudos passaram a ser aceites pela maioria dos académicos de todo o mundo. E, embora o autor confesse que tal publicação, umas décadas antes, era impensável, nem teria qualquer probabilidade de ser tomada em consideração, devido à questão de honra que constituía para qualquer historiador britânico assumir a descoberta da Austrália como inegavelmente devida a Cook, certo é que esse xenofobismo se esfumou desde os tempos de Collingridge. Para um dedicado estudante de Cook, conselheiro da Real Sociedade Australiana de História, também o problema da religião influiu na refutação das teorias de Collingridge. Como católico era visto como oponente das correntes maioritárias protestantes a que o próprio Cook pertencera.
    A versão de McIntyre tem consideráveis implicações na história europeia da Austrália, colocando toda a temática da primeira colonização numa perspectiva e diferente escala temporal. Significa que os portugueses atingiram Botany Bay e Sydney Heads (pontos costeiros da actual Sidney) cerca de 1524, ou seja, 40 anos antes do nascimento de Shakespeare e sete anos antes das teorias de Martinho Lutero terem atingido a luz do dia.!!! Tal versão dá-nos também uma diferente leitura da viagem de Cook, mais próxima dos tempos actuais do que da inicial viagem dos marinheiros portugueses.
    O interesse de McIntyre por Portugal deve-se a fortuito acontecimento associado à sua posição de Leitor de Literatura Inglesa na Universidade de Melbourne, quando tomando conhecimento da obra de Elizabeth Barrett Browning "Sonetos Portugueses", um imenso interesse o despertou para a língua e história portuguesas. Assim, em 1966, realiza a sua primeira viagem a Timor Português, que então celebrava o seu 450º aniversário de colonização lusa.
    Duas coisas o impressionaram sobremodo nessa visita: primeiro, a distância relativamente curta a que Timor se encontra da Austrália (416 km por mar ou ½ hora de viagem aérea), segundo, que uma potência marítima como Portugal tivesse uma colónia tão perto do continente australiano, 254 anos antes da chegada de Cook. Poderia, então, ser possível que os experientes marinheiros portugueses, capazes de saberem lidar com todos os segredos das velas e dos barcos, que lhes permitira chegar a Timor em 1516, durante séculos nunca tivessem chegado à vasta massa continental da Austrália? (ver Anexo V)
    Não havia dúvidas de que a história da exploração necessitava de ser reexaminada. Assim, sem querer, estava a aproximar-se da tese de Collingridge datada de 1880. Tal como o seu antepassado, McIntyre descobriu que um antigo mapa (ver Anexo II) provava não apenas que os portugueses tinham atingido a Austrália, mas que haviam traçado 2/3 da sua costa. A sua interpretação do referido mapa provaria ser, no entanto, irrefutável, ao contrário dos esforços do seu compatriota. O mapa em questão, denominado o mapa Delfim (ver Anexo VII) por ter sido elaborado para o delfim do trono francês, data de 1536, e é o mais antigo de todos os mapas da antiga escola (e maior centro cartográfico da época) de Dieppe.
    É um mapa do mundo, tal como era conhecido na época, que incluía já as ilhas do arquipélago indonésio e uma vasta massa continental, que se estendia a sul da Indonésia e a que se chamava, então, Java a Grande (Jave la Grande). Este era aliás, o nome que lhe havia sido dado antes por Marco Pólo, designando uma vasta área de terra que se sabia existir na região. Java, a Grande, tal como aparece no mapa em questão, tem uma vaga semelhança com a forma da Austrália actual e encontra-se a cerca de 1 500 km a oeste da real posição do continente. O mapa mostra, assim, uma distorção da verdadeira imagem do continente, devida ao facto de os portugueses da época não saberem calcular, com exactidão, a curvatura do globo e os desvios provocados pelo campo magnético terrestre. (ver Anexo I)
    McIntyre não foi o primeiro a descobrir este facto, mas os outros haviam-no feito sem qualquer credibilidade, enquanto ele resolveu dedicar-se a estudar com precisão o método cartográfico português utilizado há mais de 450 anos, servindo-se de um tratado da autoria do célebre matemático Pedro Nunes. Assim, habilitado com os erros da técnica utilizada, à data, pelosportugueses, foi capaz de estabelecer os desvios existentes e, eliminá-los. Para isto, serviu-se de elaborados cálculos matemáticos capazes de desafiar qualquer outra possível explicação. Os resultados eram, de facto, surpreendentes.
    Depois de corrigidos os desvios, provenientes dos cálculos dos cartógrafos portugueses, o mapa Delfim (Ver Anexo XI) aparecia com uma imagem, deveras detalhada, e perfeita da costa australiana, a norte, leste e oeste. Até a larga península triangular na extremidade sudeste se encaixa perfeitamente na versão reconstruída do mapa, devendo-se isto ao efeito de preparar mapas bidimensionais, através de cortes ou segmentos do globo terrestre, os quais eram posicionados ao lado uns dos outros para se obter o efeito final, deste modo, exagerando o Cabo Howe e as suas dimensões (ver mapas reproduzidos nos Anexo I).
    A versão de McIntyre para os mapas de Dieppe, baseada nos originais ali arquivados, pareceu-lhe prova suficiente de que os portugueses haviam, de facto, traçado uma larga parte da costa australiana, antes de 1536, data do mapa Delfim (ver Anexo VII). A partir daqui, começou a tentar, porém, descobrir quem teria sido o marinheiro português capaz de tal feito.
    Neste campo hipotético, tudo parece apontar, como responsável único, para Cristóvão de Mendonça, capitão da Marinha Portuguesa, que partiu de Malaca, em 1521, com três naus, em busca das ilhas do Ouro, então, supostamente localizadas a sul das Índias Orientais. O mapa Delfim comprova que Mendonça (ou outro) passou pelo Estreito de Torres, virando a sul na zona do Cabo Iorque e percorreu parte da costa oriental. Dentre os locais possíveis de identificar naquele mapa aparecem o Cabo Melville, a Grande Barreira de Corais, o porto de Cooktown, a ilha Fraser e a baía de Botany. Depois de dobrar o Cabo Howe, e dirigindo-se para ocidente, Mendonça terá acompanhado o que é hoje a costa do estado de Vitória, até ao Cabo Ottway e à Baía de Phillip, quedando-se em Warrnambool, a partir de onde terá decidido não prosseguir mais além.
    Existe aqui uma intrigante coincidência, pois é neste ponto onde Mendonça decidiu regressar, que mais tarde haveria de aparecer o célebre e misterioso "Mahogany Ship" (Nau de Mogno, ou madeira de caju ver Anexo IX)), do qual existem cerca de 27 relatos diferentes, entre 1836 e 1880, e que depois desta data, parece ter desaparecido, de vez, das dunas de Warrnambool. De acordo com as descrições existentes tratava-se de um barco extremamente antigo e com um estilo de construção semelhante ao das caravelas portuguesas da época quinhentista. A tratar-se de uma das naus de Mendonça, poderia estar assim explicada a razão pela qual ele não prosseguiu na sua exploração da costa australiana em 1524.
    A lista dos historiadores que, finalmente, se decidiram a aceitar a teoria de que os portugueses descobriram a Austrália (antes de outros europeus) vem a aumentar desde que, em 1977, McIntyre publicou o seu livro. O Prof. Geoffrey Blainey (célebre historiador) admite-o no seu livro "A Land Half Won" ("Uma Terra Meia Conquistada"). T. M. Perry, leitor de geografia da Universidade de Melbourne, no seu livro "A Descoberta da Austrália", e o Prof. Russel Ward, na sua obra "A AustráliaDesde a Chegada do Homem (Australia since the coming of man) " admitem igualmente esta "descoberta" da Austrália, aceitando a tese de que a descoberta da Austrália pelos portugueses, antes de 1536, foi, "uma possibilidade, uma probabilidade, uma verdade conclusiva". Na prática, porém, o Capitão James Cook continua ainda a ser tema da descoberta da Austrália em muitos livros escolares.
    Não há dúvida de que uma teoria tão radical como a de McIntyre vai demorar mais de uma geração a impor-se à burocracia educacional. Curiosamente porém, foi o estado de Vitória, de onde é natural e onde trabalhou sempre McIntyre, o primeiro a incorporar tal teoria nos livros de história oficialmente utilizados. (ver mapas 1-4 Anexo 1). Quando os portugueses aqui estiveram
    (Austrália) na primeira metade do século XVI, os aborígenes viviam contentes e nalgumas regiões do país haviam-se habituado a mercadejar com estrangeiros. Há provas evidentes disso com os pescadores e mercadores de Macassar, na altura uma possessão dominada pelos Portugueses, na qual havia sido adoptado um dialecto crioulo derivado do Português.
    O próprio Capitão Cook regista na passagem por Savu com a data de 19 de Setembro de 1770, ter-se servido de Manuel Pereira, o português embarcado na "Endeavour" no Rio de Janeiro para se entender com os locais. A presença de aborígenes brancos está assinalada, assim como a presença de mestiços aborígenes com traços timorenses ou malaios, nas costas ocidental e norte da Austrália.
    Para a presença dos portugueses como a História pela mão de Kenneth McIntyre parece provar, curioso será recordar uma "descoberta" em 1967: uma construção em Bittaganbee (ver Anexo III), perto de Eden, na costa sul de Nova Gales do Sul. As ruínas ainda hoje existentes atestam a presença de uma casa de pedra, com uma plataforma de 30 por 30 metros, rodeada por largos pedaços de rocha irregularmente cortadas, que em tempos serviram de paredes a tal construção, com existência de alicerces. A construção, sem tecto, é feita de pedra local, e pedaços de conchas marinhas servindo de estuque. (McIntyre interroga-se "Seria isto o quartel general de Inverno de Mendonça?"
    Dentre as possibilidades de analisar essa construção, uma é a do enorme esforço e trabalho que a mesma terá envolvido para transportar, trabalhar e erigir a mesma, em especial dado o tamanho de algumas daquelas pedras. Esse tipo de construção só pode ter sido efectuado por uma tripulação completa de um navio da época, não podendo ser obra de um pequeno grupo de degredados ingleses ou pessoas isoladas.
    O primitivismo da construção, semelhante a uma fortificação, é único na Austrália, e decerto antecede em séculos a formação da vila que só foi fundada em 1842 com materiais e fundos londrinos.
    Mas, curiosamente se aquela construção aqui está fora de lugar, esta construção é semelhante a outra descoberta nas Novas Hébridas, também em 1967: a célebre "Nova Jerusalém" criada em 1606 por Pedro Fernandes Queirós, que juntamente com Luís Vaz de Torres eram portugueses, ao comando de naus espanholas navegou por estas paragens austrais.
    Um outro facto perturbador é o de existir uma data inscrita numa das pedras que 15(?)4, embora o terceiro dígito não pareça um 2, o que a localizaria na época de Mendonça. Cristóvão de Mendonça teve uma presença marcante nestas costas australianas e neozelandesas que importa desvendar. Uma das suas caravelas perdeu-se nas dunas de Warrnambool na Austrália do Sul, a segunda, provavelmente na costa neozelandesa, mas decerto a terceira conseguiu regressar a Malaca, Goa e Lisboa. Faria e Sousa regista que Mendonça efectuou uns anos mais tarde nova viagem a Goa, antes de ser nomeado Governador de Ormuz, quiçá por serviços prestados na descoberta da Austrália.
    Em 1817, quando o governo da coroa britânica se mostrou interessado na Nova Zelândia, que em breve se tornaria sua colónia, o almirantado em Londres estudou os mapas ingleses da época comparando-os com a versão de La Rochette (1807). Neles existe uma anotação dessa data (1817) afirmando que embora a Nova Zelândia tenha sido descoberta por Abel Tasman em 1642, a sua costa era conhecida dos portugueses desde 1550.
    Este documento ainda hoje existe nos Reais arquivos públicos de Londres. No Museu de Wellington (Nova Zelândia) existe um sino de bronze (ver Anexo IV), descoberto pelo Bispo William Colenso em 1836 e o qual estava na posse dos Maoris (aborígenes locais) que declararam tê-lo há muitas gerações. No sino existe uma inscrição em Tamil (língua indiana, o idioma da Goa de então, que era a capital oriental do Império Português. Idênticos sinos foram descobertos em Java datados do início do século XVI e todos os barcos portugueses da época transportavam consigo goeses e outros indianos, os "Lascaria" como ajudantes da tripulação.
    Relativamente a este assunto, outro semelhante tem surgido nalgumas páginas da imprensa local (australiana), ou seja, o estudo da presumível descoberta da Nova Zelândia pelos portugueses, face a recentes descobertas ali efectuadas de restos de naus quinhentistas e utensílios tipicamente portugueses.
    Na altura (1984), o Consulado Geral de Portugal em Sydney recebeu pedidos de colaboração para o estudo em causa, por parte de historiadores neozelandeses. Será que algo foi feito? Mais de vinte anos mais tarde sabemos que nada se concretizou. Terão de ser sempre os estrangeiros a dizerem-nos o que descobrimos, como e quando? Haverá, em Portugal, alguém interessado em ajudar a desvendar este e outros factos gloriosos da epopeia lusa?
    O interesse existe neste continente australiano para se estabelecer a verdade histórica dos factos: será que os homens de hoje têm a vontade e capacidade de reporem Portugal no lugar a que tem direito, como país pequeno que deu novos mundos ao mundo, tal como aprendi nas cábulas de ensino oficial anteriores ao 25 de Abril? Ou será, que na pressa de escrevermos a história presente olvidaremos os grandes homens do passado, a quem devemos hoje esta cultura miscigenada que nos distingue? A resposta, a quem competir responder. Chegamos aqui primeiro e aqui estou eu a repetir um trajecto de antanho, projectando uma imagem do país que fomos e que gostaríamos de voltar a ser. Quando nos aproximamos dos 500 anos passados, quem chegou primeiro a estas plagas?
    Depois dos aborígenes, tudo parece confirmar que foram os portugueses os primeiros europeus.
    Quando, como, e em que condições? Para quando a verdadeira história dos descobrimentos, agora que a celebração dos seus 500 anos já passou à história?
    Dês que passar a via mais que meia
    Que ao Antárctico Pólo vai da Linha,
    Duma estatura quási giganteia
    Homens verá, da terra ali vizinha;
    E mais àvante o Estreito que se arreia
    Co’o nome dêle agora, o qual caminha
    Para outro mar e terra que fica onde,
    Com suas frias asas, o Austro a esconde.
    In Luís Vaz de Camões. Canto X, 141, Lusíadas 1572

    adescobertadaaustraliapelosportugueses

  14. #14
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    OS AVÓS DE BARRA E OS AVÓS DE BAÍA
    Os Avós de Barra e os Avós de Baía (em crioulo os Yawujibarra e os Yawuji Baía) eram tribos aborígenes quiçá descendentes de Portugueses, e linguisticamente a eles identificados. Trata-se de dois grupos de inter-relacionamento matrimonial duma tribo afro-australiana, falando Português e Crioulo de 1520 a 1580.
    A costa do noroeste australiano (ver Anexo VI) de há muito ignorada pode ter sido a base da colonização portuguesa deste continente, de acordo com as teorias circuladas pelo filólogo e historiador Dr. Carl Georg von Brandenstein. O acesso a esta obra só foi formalmente conseguido em Junho 1992, e apesar de ter sido deste autor a tradução do filólogo, a relação entre o autor e o filólogo, nem foi pacífica, acabando o autor por ser responsável pela divulgação da sua obra (ver Anexo X.)
    Note-se que Brandenstein discordou sempre e não quis autorizar o autor a juntar as suas teorias às de McIntyre num documentário histórico para o canal de televisão australiano SBS, como aqui se vê: IMAGEM 2
    Conteúdo da Carta
    Respondi-lhe que também a minha fidelidade linguística e cultural a Portugal me levavam a divulgar as suas teorias.... Voltemos pois a estas.
    No século XVI, a acreditar na teoria, os portugueses ter-se-iam estabelecido na região dos montes Kimberley tendo inclusive trazido escravos africanos, os quais mantinham até 1930 um dialecto mescla de aborígene e de português crioulo. A importação de escravos teve início em 1444 pelo Infante D. Henrique e cresceu rapidamente a partir daí, mas nada há escrito ou conhecido que prove que escravos africanos terão vindo para Timor durante a primeira centena de anos de ocupação portuguesa.
    Segundo von Brandenstein (um excêntrico personagem octogenário em 1990, de trato difícil e desconfiado, mas categorizado linguista e historiador) existem mais de 80 nomes de lugares que são portugueses, para além de um total de 260 palavras de origem portuguesa. Esta revelação, que inicialmente data da década de 60 mereceu em 1992, a atenção dos principais meios de comunicação social australianos, que postulavam sobre a necessidade de reescrever a história do país e datá-la em termos quinhentistas
    1) As descobertas em 1967, e 1989, de material linguístico Português na zona das tribos aborígenes Kariyarra (Karriera) e Ngarluma, que residem na região de Pilbara foram alargadas pela descoberta de uma vasta colónia portuguesa na região dos montes Kimberley. Esta abarcava uma área Leste-Oeste do arquipélago Buccaneer até ao vale de Fitzroy, e pelo menos, até à passagem ou travessia de Fitzroy. Crê-se que a Terra de Dampier (Dampierland), a Angra do Rei (King Sound) e a sua costa leste, desde aproximadamente Derby até à foz do rio Fitzroy, em Yeeda, foram exploradas e parcialmente colonizadas. O mesmo se diria da estrada de Broome até Yeeda, com uma vasta base de exploração "Jaula-enga" e uma aldeia ou povoação "Recém Vila", no rio Logue ambas rodeadas de florestas de baobás.
    2) A colónia durou sessenta anos, entre 1520 e 1580, podendo inclusive ter sobrevivido muitomais tempo com proprietários portugueses, de direito próprio à posse daquela estação. A preocupação principal aqui é relativa ao impacto da ocupação durante sessenta anos em relação à população aborígene. De acordo com os estudos existentes, eles não só lançam novas pistas sobre a situação linguística na região, mas revelam igualmente aspectos inesperados e híbridos numa tribo aborígene, que tem sido descrita com diferentes nomes, tais como: Jaudjibara, Jawdjibara, Yawidjibaya, que se supõe ter habitado as ilhas Montgomery.
    2.1. Descrever ou dar provas de hibridismo observado por diversas vezes na região do
    arquipélago Buccaneer, não é solução para todos os problemas daí advenientes, dado que tal só poderia ser feito com o auxílio da antropologia, da física ou genética. Embora aquela tribo tenha deixado de existir desde 1987, pode não ser demasiado tarde para que os peritos com conhecimentos relevantes possam estudar o assunto, falando com descendentes da tribo, estudando fotografias e relatórios, tais como aqueles efectuados pelo professor J. Birdsell em meados da década de 50. Tal esforço concertado poderia atingir o veredicto há muito necessário para explicar a natureza híbrida daquela tribo. No que concerne à parte linguística descobriram-se, sob detalhado estudo de nomes e outras referências, a existência de dois grupos tribais miscigenados através de laços matrimoniais: os Yawuji Bara (em crioulo português) ou os Avós de Barra (em Português) e, os Yawuji Baia (em crioulo português) ou os Avós de Baía. O primeiro nome significa Antepassados da Barra, sendo esta a existente na região envolvente das ilhas Montgomery. O segundo nome significa Antepassados de Baía, que pode ser a baía de Collier sendo Collier um anglicismo da palavra Colher, significando (re)colher velas para aportar.
    2.2. Adiante se descrevem de forma breve todos os actores envolvidos nesta ocupação clandestina dos australianos montes Kimberley:
    -- Um número indeterminado de pessoal náutico da Armada Portuguesa,
    -- Um número indeterminado de civis, dentre eles membros do clero, cientistas, artesãos e potenciais residentes ilegais,
    -- Mais de um milhar de negros africanos, calculados pelo número de cabanas de pedra para albergar trabalhadores e escravos, ainda existente na ilha High Cliff (Altas Escarpas). Eles eram provavelmente utilizados pelos portugueses como escravos das galés, para trabalhos forçados a processar peixe e dugongo fumado e a cortar pedra duma mina de pedras semipreciosas de Calcedónia e duma mina à superfície de minério de ferro na ilha Koolan.
    A importação de escravos e as primeiras expedições portuguesas à costa noroeste africana datam de 1434. A partir de 1450, a maior parte dos seus escravos veio das regiões ribeirinhas do centro e sul da costa africana ocidental, agora Guiné-Bissau. Por volta de 1500, Angola, o Cabo da Boa Esperança e Moçambique haviam sido anexados e Madagáscar descoberto, e havia também escravos retirados desta parte de África. Rapidamente, a maior parte das nações coloniais se apercebeu de que os escravos africanos eram os melhores. Os Portugueses tentaram utilizar escravos malaios em Java, naquilo que se provou ser um grave erro, jamais repetido. Os escravos malaios tinham uma reputação de serem bastante autoritários e mandões e até mesmo de gerirem os negócios dos seus donos. Os índios americanos (ameríndios), quer do Norte, quer do Sul, tinham uma reputação de serem inúteis e perigosos. Não havia ninguém melhor do que os Negros da África Ocidental para trabalhar nas plantações de cana do açúcar no Brasil.
    Em poucas décadas, mais de quatro milhões de escravos africanos foram vendidos e enviados para as Américas. Tudo parece apontar para que os escravos portugueses na Austrália fossem originários da África Ocidental, em vez da África Oriental ou Madagáscar, e existe outra pista que apoia esta versão: a existência de árvores baobá nos montes Kimberley (ver 2.8). A maior parte destes escravos africanos terá ficado quando os portugueses abandonaram a região dos Kimberley, cerca de 1580, na esperança de poderem regressar um dia. É altamente provável que, antes e depois do período de ocupação, eles se tenham miscigenado com os aborígenes das ilhas da baía Collier, e a norte desta. Durante 470 anos, as duas metades, miscigenadas através do casamento, desenvolveram-se num grupo étnico híbrido, transportando consigo os nomes de origem portuguesa, como Avós de Barra e Avós de Baía, os quais sobreviveram até aos nossos dias.
    Os escravos na Austrália falavam a língua portuguesa. Os portugueses começaram as suas expedições em busca de escravos, cerca de noventa anos antes de se estabelecerem na Austrália. Por volta de 1520, os seus escravos falavam Português há duas ou três gerações.
    Até 1520, os subsequentes Yawuji Baía não existiram, mas os seus antepassados eram aborígenes puros, talvez relacionados por sangue e língua aos Worrora, vivendo lado a lado na baía de Collier e suas ilhas adjacentes, nunca a mais de vinte quilómetros da costa, que era o limite máximo das suas embarcações. Quando a armada invasora portuguesa aportou à costa dos Kimberley, ao largo da ilha Champagny (vd. 7), de acordo com planos prévios e bem organizados, acostou primeiro na ilha das Altas Escarpas (High Cliff) no grupo das ilhas Montgomery, a seguir na ponta sul da Baía, a que então deram o nome de Baía Colher ("Baía de recolher velas para aportar"). Os portugueses amigaram-se com os aborígenes locais e para ganhar a confiança destes para fins tão distintos como a pesca, a guarda costeira e expedições, forneceram-lhes canoas feitas de madeira, até então deles desconhecidas. Os portugueses chamavam a estas canoas "nau mendi" ou "barcos de mendigo (beggar ship)". Este termo permaneceu em toda a região costeira dos Kimberley como namandi (Crioulo) ou namindi. A maior mobilidade e velocidade deste tipo de embarcação e o seu mais amplo limite de acção, permitiu aos aborígenes adquirirem com este meio de navegação acesso a ilhas mais afastadas. Eles também se miscigenaram com a mão-de-obra africana inicialmente estacionada na ilha MacLeay (em português Galés irá, em crioulo Galij irra, ou seja o local para onde os escravos irão). Os seus locais de trabalho eram em High Cliff (Altas Escarpas) e a ilha Koolan (vd. 6.6)
    Outra tribo aborígene a ter tido contacto com os portugueses terá sido a dos Nyikina, que vivia a sul da Angra do Rei (King Sound) e na baía de Fitzroy, até à zona de Passagem ou Travessia de Fitzroy. Para além da existência de membros destas tribos com uma aparência física diferente da raça miscigenada, parece existir pouca evidência física deste contacto. Contudo, há alguns termos importados e um deles é extremamente importante pois dá-nos a saber como a árvore baobá originária de África chegou aos Kimberley: o termo em Nyikina largari (baobá) dificilmente pode ser dissociado do seu étimo português [árvore] larga. Da mesma forma conspícua é a presença do termo langurr (marsupial roedor, de cauda anelar ou Ringtail Possum), conhecido pela facilidade com que é capturado, apático e lento, quando se compara tal termo com o étimo português langor, definido como lento ou preguiçoso. Espero que mais termos adoptados por empréstimo venham a ser descobertos.
    Um grupo de tribos aborígenes da Angra do Rei (King Sound) e a oeste da mesma, cujos nomes se perderam desde o impacto da invasão portuguesa, adoptaram o nome global de Jaui, Jawi ou Chowie, todos eles sendo uma deturpação do étimo chave, nome bem apropriado para o novo quartel-general nas ilhas Sunday. Provavelmente, os aborígenes ali residentes foram forçados a abandonar as ilhas durante o período de ocupação, tendo regressado depois da partida da Armada. É igualmente provável que os membros do clero tentassem disseminar a fé entre os infiéis. Pelo menos sobreviveu a implantação de inferno, enfaticamente substituída por um padre pela exclamação Dor quê!, como seu sinónimo. Este étimo é ainda utilizado pelos Jaui e noutros idiomas da região da Angra do Rei (King Sound) e no dialecto Ngarinyin como dorge, significando inferno.
    A vasta topologia e toponímia deixada pelos portugueses na região dos Kimberley provam para além de qualquer dúvida, a existência de uma vasta colónia portuguesa. Para o afirmar, as muitas instâncias em que a análise linguística dos étimos é consistente com a realidade geográfica e a possibilidade histórica. Até ao momento, apuraram-se 101 étimos de Português ou Crioulo Português. Adicionaram-se igualmente palavras isoladas, na sua maioria importadas para dialectos locais, dentre um vocabulário português que se cifra, à data, em 260 palavras. A densidade populacional portuguesa na área de colonização europeia teria de ser reduzida e isso prova, de forma evidente, que a presença portuguesa terá sido maior do que qualquer descoberta arqueológica – sem proporcionar nomes – poderia provar. Contudo, em ambos os casos, auxiliam a identificar o enigmático caso das cabanas de pedra em High Cliff (Ilha das Altas Escarpas).
    Foi apenas depois da descoberta toponímica portuguesa do professor Brandenstein que houve a possibilidade de fazer pesquisas arqueológicas onde estas jamais haviam sido feitas. Refiro-me à área de Derby a Yeeda e Willare, dado que o leito do rio Fitzroy de há 470 anos é agora o rio Yeeda.
    Não surpreenderá assim saber que o termo português Ida, equivale ao termo crioulo Yida (significando porto de embarque ou destino, cais) e que a feitoria Jaula-enga, ou estação rural de Yeeda, teria sido um ponto de transbordo durante a época dos portugueses, onde as naus poderiam carregar ou descarregar no mesmo cais - consoante as marés - em simultâneo com as barcaças fluviais. Estas, transportavam produtos agrícolas, rio abaixo e rio acima até Bruten Hill (a colina Bruten) no ribeiro Christmas, para a estação de Cherrabun e até Noonkanbah, na parte mais meridional que se podia atingir no rio Fitzroy.
    A evidência para este tráfego fluvial é proporcionada, uma vez mais, pelos nomes acabados de mencionar. No português brotem [podem flutuar (o barco numa curva depois da colina)], é a terceira pessoa plural do conjuntivo de brotar. Cherrabun é o equivalente português de Cheira a bom. Noonkanbah era uma estação pastoril cujo passado se desconhece, mas que em 1880 era gerida pelos (irmãos) portugueses Emanuel, de acordo com E. Kolig [1987: 19]:
    "Surpreendentemente as histórias aborígenes falam numa fase anterior de paz e de harmonia racial. A origem desta tradição oral é algo misteriosa, carecendo ao que parece, de substanciação histórica."
    Será mesmo assim? A palavra Noonkanbah soa bem ao português Nunca pá, como grito de alívio ou desalento. Será que alguém se fartou de remar rio acima e rio abaixo? Ou todos os remos de uma barcaça se foram numa manobra errada? Escusado será acrescentar que a estação de Noonkanbah se localiza no rio Fitzroy, e a 12 quilómetros para leste fica a estação pastoril de Kalyeeda. Sete quilómetros a noroeste e sete a nordeste daquela o rio Fitzroy forma duas largas curvas, em cuja margem ou flanco existe uma pista de gado onde este tem acesso à água. Este tipo de pista para o gado beber corresponde totalmente ao significado português de Calheta, cuja ortografia actual é Kalyeeda. Obtiveram-se, até ao momento, mais 22 nomes de locais habitados na região do rio Fitzroy.
    Existe ainda, um último étimo, dado ser extremamente comum e ter uma importante relação geográfica para o que foi, em tempos, o proeminente porto de Yeeda. Actualmente, trata-se de importante ponto de paragem ou abastecimento à margem da estrada, mas Willare é claramente o mesmo que em Português Vila à Ré tal como era vista de Yeeda lá atrás, ou vista de cima.
    3) A análise de acontecimentos históricos e condições no auge do poder colonial português, quer nas Índias Orientais ou fora delas, não pode ser tomada como sendo infalível e final. Em especial no que concerne à retirada da armada da região dos Kimberley cerca de 1580, as conjecturas podem ser reduzidas a uma pergunta alternativa: "Terão os colonos portugueses e asua comitiva partido com a armada, ou ficaram amigavelmente com os aborígenes locais,desenvolvendo as estações pastoris cujos nomes ainda hoje se mantêm, e quiçá talvez tenham vivido felizes para sempre, até que Alexander Forrest e os padres, Sir John e Matthew exploraram e adquiriram vastos interesses na área dos Kimberley a partir de 1879?"
    Como foi dado a entender no capítulo anterior, as tradições locais aborígenes apoiam a teoria da estadia pacífica dos primeiros colonos europeus (ou seja, os Portugueses).
    O cuidadoso planeamento de uma estrita invasão clandestina dos Kimberley necessitou de uma palavra de código para todos os que, como parte das suas obrigações de serviço, participaram sob promessa e juramento de não divulgação. Será importante recordar que havia um profundo relacionamento entre causa e efeito de obrigações e deveres por parte das autoridades portuguesas, e pela lealdade e obediência por parte dos seus escravos negros, fundadores da única tribo afro-australiana na História. A sua fidelidade ininterrupta durou 407 anos, entre 1580 e 1987. Esta história contém algumas deduções, as quais demonstram de forma importante os meios de que as autoridades portuguesas da época se serviram para evitar um estado declarado de guerra com os seus competidores espanhóis nas Filipinas, enquanto simultaneamente distendiam o seu vasto Império pelos quatro cantos do mundo. A operação nos montes Kimberley deve ter sido fruto da brilhante mente de Francisco Rodrigues, o melhor estratega e planeador que à data os Portugueses tinham em Malaca. Foi ele aliás que mais tarde preparou a conquista de Macau, na China, em 1557. Para ele, era uma absoluta necessidade a invasão clandestina dos montes Kimberley. Ele estava cônscio de que se os espanhóis descobrissem que os portugueses estavam a fazer um esforço de descoberta e avanço para sul ou para leste, a guerra era um facto inevitável. Isto tinha de ser evitado a todo o custo pois resultaria na perda das Malucas e do lucrativo comércio das especiarias obtido em Ternate em 1512, para além de pôr em perigo a conquista de Timor em 1516. A paz aparente e periclitante assinada em 1529 entre Portugal e Espanha dá-nos uma indicação de que a operação clandestinamente engendrada por Rodrigues surtiu efeito entre 1516 e 1529. A minha convicção e melhor aposta são que "tal aconteceu na década de 20".
    4) A fim de desencorajar explorações de descobrimento no mar de Timor e potenciais informadores aborígenes, todo o pessoal, incluindo escravos e colonos livres a bordo da armada, tiveram de jurar segredo sobre a sua identidade nacional, ou seja, as palavras Portugal e Português foram banidas do vocabulário por uma palavra de código que fosse idêntica em todos os vocabulários dos poderes coloniais que então lutavam pela supremacia. Numa mistura de orgulho e prudência a escolha recaiu em Eufonia, do grego clássico Euphonia, significando com boa e forte voz. Recorde-se que naquela época, a pena capital era o castigo imposto a todos os participantes na operação que violassem o juramento sagrado. Assim, a língua portuguesa oficialmente falada nos novos quartéis-generais da armada em Chave (actualmentea ilha Sunday) era denominada "Eufonia". Quando os poucos aborígenes autorizados a entrar no local fizessem perguntas ficavam a saber que aquela palavra era o nome dos recém-chegados e do seu idioma. Para os aborígenes porém era difícil aprender este étimo estrangeiro Eufonia. Dada a diferente fonologia eles pronunciavam Eufuni'a mantendo apenas E, n, a, e substituíam o estrangeiro som uf por w, o segundo u, por F, deixando de fora a intonação forte de i' a, transferindo-a para o E' inicial. Isto produzia Ewnya, ou transcrito por nós como Ewanya, a versão crioula do português Eufonia, sobrevivendo os últimos 470 anos, ainda no seu habitat temporário de antanho na ilha Sunday. Por um erro, perfeitamente compreensível dos sucessores dos portugueses da ilha Chave, o seu nome e o do seu idioma derivou para Jaui, do étimo português chave. Alguns Jaui admitiram considerar Ewanya como o nome da sua língua, mas os Jaui deixaram Chave (ilha Sunday) como os portugueses o haviam feito e vivem agora numa região designada "One Arm Point (Ponto de um Braço) " na região continental mais próxima. Foi desta forma que o código secreto Eufonia e o crioulo Ewanya sobreviveram, guardando o seu segredo até aos dias de hoje.
    O que aconteceu aos escravos negros quando os portugueses deixaram a Austrália em 1580, por ordem do seu novo rei e inimigo, Filipe II de Espanha ficará para já no limbo das conjecturas. Existem boas razões para acreditar que os escravos foram deixados na terra onde viviam e trabalhavam há já sessenta anos. Provavelmente foi-lhes dito que tinham ainda certas obrigações para com os seus donos e ameaçados com punições e nova escravatura, se alguns deles ou seus descendentes falassem com pessoas de outros grupos étnicos, ou divulgasse o nome da sua língua e nacionalidade. Os aborígenes que não fossem de descendência afro-australiana, em especial, eram para ser tratados com desconfiança. Será lógico e realístico admitir que depois da partida dos portugueses do arquipélago Buccaneer tenha havido uma familiarização mais relaxada entre os afro-australianos, resultando numa hibridação nos seus novos locais de residência insular.
    5) Um desenvolvimento importante das preferências linguísticas dos parceiros na nova tribo é significativo, derivando do facto de os machos africanos estabelecerem a tradição de manter o
    Português Puro como sua língua em todas as ocasiões. As suas parceiras aborígenes tinham apenas a lei da inércia a seu favor, contribuindo para um lento crescimento do Português Crioulo, dada a falta de habilidade dos seus parceiros aborígenes dentro da tribo em reproduzirem de forma correcta a fonologia portuguesa. Isto era aceite, ou tolerado, pelos africanos dado que eles eram capazes de compreenderem, e é provável, que as crianças – em especial os varões – aprendessem Português através dos seus pais, que nem estariam interessados em aprender as línguas puras aborígenes. Assim, sob a influência africana durante um certo decurso de tempo, toda a tribo – sem mais estrangeiros com quem comunicar – se torna monolingue, numa mescla de Português Puro e de Português Crioulo. Na parte ocidental do arquipélago Buccaneer a escolha de transmitir às gerações vindouras os nomes Portugueses em Crioulo foi mais ditada pela necessidade de ocultar a sua origem não Yawuji, tais como os Jaui, ou de europeus, como N. B. Tindale. Desta forma mantiveram os seus nomes mas não o significado dos mesmos.
    6) Gostaria de poder discutir aqui dois casos individuais que podem explicar o comportamento dos
    Afro-australianos Yawuji sob pressão para não revelarem a sua verdadeira identidade: No primeiro caso temos uma pessoa cujo Português é o seu idioma nativo e que utilizou este idioma quando, pessoas estranhas tais como antropólogos australianos, missionários ou linguistas começavam a fazer perguntas para as quais não estava preparado/a a dar uma resposta.
    J. Birdsell, um antropólogo norte-americano, perguntou a esta pessoa, em 1954, pelo nome real do seu dialecto e tomou nota daquilo que pensou ser um só étimo, obviamente o nome que havia utilizado para perguntar. Tal "nome" que apontou no seu livro de notas era "Bergalgu".Este nome foi mencionado por N. B. Tindale em "As tribos aborígenes da Austrália [1974, 242, 268 Aboriginal Tribes of Australia] ". Entretanto em Português coloquial puro: "Perca Algo", uma mescla que significa "perca" (1: pode perder ou, 2: peixe perca), e "algo" (alguma coisa) significando "uma perda qualquer" ou "uma perca pequena" ou seja, uma forma expressiva de comunicar uma meia verdade de forma evasiva. Este homem estava determinado a não deixar que Birdsell soubesse a verdade sobre a sua língua "aborígene". De qualquer modo, manteve-se calmo, arrependido, inconspícuo e bem comportado.
    Embora menos diplomática, mas de igual forma não menos determinada é a declaração espontânea que outro informador deu a H. H. J. Coate (data imprecisa), tal como citado no livro de W. McGregor "Handbook of Kimberley Languages (1988:97) ". Após ter declarado que o nome da tribo era Yawuji Bara acrescentou mais duas palavras, que Coate assumiu tratar-se de um nome alternativo da ilha de Montgomery. Tratava-se de um excesso temperamental da pessoa em questão. Embora a princípio parecesse e soasse tipicamente aborígene, trata-se de uma forma crioula de Português: Winjawindjagu (de acordo com Coate) em vez daquilo que devia ser wynia, winjwegui! Isto é de facto Português vinha, vindico, uma forma causal consecutiva dos verbos vir e vindicar. A nasalação frequente do n antes do d em Português não pode ser repetida pelos aborígenes que falam Crioulo. Em vez disso, em Português ngd passa em Crioulo a ser nyj. A tradução deste segmento é clara: " [Como] eu vim dali e quero-o de volta". A súbita raiva do informador aborígene ressalva da sua lembrança de ter sido detido pelos brancos em 1931 e forçado a viver no seio dos Worrora num campo fechado e sobrepovoado numa terra estranha.
    Durante toda a sua vida ele tinha aproveitado as delícias da vida, do dugongo à tartaruga, ao peixe e ao caranguejo em abundância, mas agora a sua dieta além de lhe ser estranha era monótona. A mudança de vida, do estilo de vida marinha saudável das suas ilhas para a situação presente, das gentes da sua tribo numa reserva asquerosa em Derby ou na missão lamacenta de Mowanjum deve ter sido profunda: "Quero voltar para donde vim!" Quem seria incapaz de sentir o mesmo? Mas quer aquela personagem quer a sua tribo não teriam hipóteses de escolha, a não ser manterem-se firmes na sua decisão firme de 1580 de jamais revelarem o segredo da sua origem, frustrando tanto quanto possível os esforços e perguntas inquisitórias de estrangeiros. Estas são as virtudes imprevistas e não recompensadas de uma tribo independente e híbrida afro-australiana, descendente dos Avós de Barra e dos Avós de Baía, de língua e nacionalidade portuguesas, incapazes de respeitarem passivamente as reivindicações britânicas de duzentos anos mais tarde.
    Estes atrasados comentários elegíacos dos Yawuji Bara/Baía podem dar lugar a variadas questões:
    "Porque é que os australianistas ou missionários que com eles lidaram jamais consideraram o Português
    como língua de origem dos seus enigmáticos idiomas?" A única excepção pertence a J. Urry e M. Walsh (1981:106) que compreenderam que algumas das palavras ouvidas por B. Ryder (1936:33), e então assumidas como Espanhol ou Latim, eram de facto Portuguesas. Mas eles negaram o relatório de Ryder, como não substanciado, declarando e, aqui cito: "Os termos portugueses se assim forem provados podem ser derivados de termos comerciais malaios". Como obviamente estavam apenas interessados no idioma e povos de Macassar, foram incapazes de ver os Portugueses como os grandes colonizadores da era moderna, referindo-se a eles apenas como ubíquos negociantes algures na zona norte da Austrália. Outra pergunta que se poderia pôr é por que é que B. Ryder da Real Sociedade de Geografia de Londres sugeriu Espanhol ou Latim, em vez de Português? Por que é que J. R. B. Love que conhecia e trabalhou entre os Yawuji durante mais de vinte anos deixou a sua críptica nota sobre o seu idioma como sendo dialecticamente discreto? No primeiro caso, quem aconselhou as autoridades da Austrália Ocidental para que a remoção dos habitantes das ilhas Montgomery e a sua reinstalação no continente fosse um tipo desejável de acção? Por que é que eles foram obrigados a aprender uma língua estranha e difícil como a dos Worrora quando já detinham como sua uma língua europeia própria? Ou seria porque alguns dos seus antepassados de há mais de 470 anos poderiam ter dominado o dialecto Worrora? Por que não ensinar-lhes directamente Inglês, que teria sido bem fácil, considerando as inúmeras similaridades de vocabulário entre o Inglês e Português. Depois do seu desaparecimento em 1987 qual é a utilidade deencontrar uma resposta a todas estas questões? Nem uma única qualquer que seja!
    Para o caso das actividades dos portugueses na parte oriental do arquipélago Buccaneer temos o apoio de resíduos arqueológicos. Embora nunca tenham sido totalmente explorados ou avaliados (Sue O'Connor 1987:30/39; 1989:25/31), o seu total e localização são equivalentes aos dos maiores centros de actividade dos portugueses na mesma área. Nas inúmeras e dispersas ilhas da parte oriental do arquipélago Buccaneer, Sue O'Connor encontrou apenas três locais de relevância:
    6.1. Na ilha MacLeay "pequenos artefactos espalhados";
    6.2. Na ilha High Cliff (Altas Escarpas) "literalmente coberta por restos de ocupação, incluindo estruturas de casas de pedra e largos artefactos espalhados", e um "abrigo de rocha";
    6.3. Na ilha Koolan "dois abrigos de rocha". Dentre os vários nomes portugueses da parte oriental do arquipélago Buccaneer apenas três têm importância histórica:
    6.4. A ilha MacLeay pelo seu nome português de Galés irá, crioulo Galij irra;
    6.5. A ilha Montgomery inclusa com a ilha High Cliff (Altas Escarpas) para o seu homónimo português de seus habitantes nativos Avós de Barra, em crioulo Yawuji Bara, iniciais aliados dos Portugueses;
    6.6. A ilha Koolan cujo homónimo português é Colham, em crioulo Koolan [Ko:lan] (arrear velas aqui) que na gíria dos marinheiros significa Podemos ficar aqui! Não para ver a paisagem mas para minar à superfície o minério de ferro. Os abrigos de rocha ou pedra, atrás referidos, eram parte da área de habitação dos africanos e, as duas pequenas ilhas gémeas "As irmãs (The Sisters) " eram a sua área recreativa ou zona das suas escapadelas.
    A Armada invasora portuguesa na sua incursão ao flanco sul, através da costa dos montes Kimberley, quando atingiu um grupo de ilhas a cerca de 70 quilómetros a norte do seu paradeiro inicial: ilhas Collier e Montgomery, obviamente decidiu prosseguir viagem a partir daí em linha contínua. Deixou unidades singelas em posição, possivelmente anteriores manobras de reconhecimento haviam revelado que não havia nativos nas ilhas a atingir. Tudo isto pode ser deduzido de um simples nome português: o da ilha Champagny ou Champagney. Mas, aprendemo-lo com uma vingança: a forma peculiar da sua ortografia não se refere a uma forma antiquada de Inglês, mas sim à forma portuguesa de champanhe, um francesismo. Se quisermos ir mais profundamente ao segredo do champanhe francês (engarrafado?) - em 1520 numa ilha isolada ao largo da costa dos Kimberley, teremos a recompensa ao analisar o étimo Aborígene que lhe foi dado. Não se trata de um termo aborígene, nem de nenhuma língua aborígene. H. H. Coate (W. J. & Lynette F. Oates 1970:47) cita Windjarumi, enquanto W. McGregor (1989, 1-56) cita Winyjarrumi.
    7) Para facilitar a compreensão do original em Português, separe-se a palavra composta e desta forma há duas versões possíveis:
    -- (Crioulo) Winy(j)u arrumi < (Português) Vinho arrume (O vinho deve ser guardado).Com tal leitura teríamos uma ligação com o nome das ilhas no mapa Champagny/ey =(Port.)
    Champanhe, derivado do étimo francês Champagne.
    -- (Crioulo) Winyja rumi < (Português) Vinda Rume (para a queda ou sorte inesperada, devo decidir o rumo, ou partir sem ele?! )
    Decerto que se trata de um caso raro em baptismo nominal, em que duas palavras alternativas na sua fonologia acabem de facto por representar o mesmo significado: "Se o armário do vinho for encerrado, a queda está iminente." Quer navegantes quer passageiros saberiam sobre isto. No caso presente dos três nomes supostos para o grupo de ilhas situadas na latitude sul 15º 18/19", longitude leste 124º 14/17", o assunto de importância real contido no nome "Vinda Rume" foi simultaneamente e, por uma razão bem aceitável, expresso pelo som similar mais mundano e bem-soante de "O vinho que tenho de armazenar em primeiro lugar", e isto aconteceu nas ilhas Champagney. A história destas
    ilhas nascida desde os anos 1520 até à sua última impressão nos mapas (1:100 000) podia ser viável apenas nas "vinhas".
    Esta teoria, que inicialmente data da década de 60 mereceu em 1992, a atenção dos principais meios de comunicação social australianos, que postulavam sobre a necessidade de reescrever a história do país e datá-la em termos quinhentistas. A revelação vai mais longe ao definitivamente identificar nomes próprios de origem portuguesa ancestral, justificando o silêncio dos portugueses com base no Tratado de Tordesilhas e, citando a existência de construções e artefactos que datam de entre 1516 a 1580, aguardando-se apenas a sua verificação científica da sua origem, de acordo com o professor von Brandenstein. Vejamos em mais detalhe esta explicação da presença dos primeiros europeus na Austrália, de acordo com as próprias palavras do professor:
    8) A descoberta aqui revelada e documentada é um fruto do meu trabalho de pesquisa linguística, liderando uma descoberta arqueológica e prometendo futuras descobertas de arqueologia marítima. Demorou-me mais de vinte e cinco anos para percorrer os quatro estádios desta descoberta. Entre 1964 e 1967 foi a descoberta do problema linguístico, seguida do reconhecimento e identificação da evidência arqueológica em 1967 e manter a pesquisa não obstante o silêncio de descrédito imposto por colegas entre 1967 e 1976.. Finalmente, ao completar vinte e cinco anos de estudo, decidi, em 1989, tornar públicos os meus estudos. Espero que com o apoio do Museu de Marinha da Austrália Ocidental e da Real Marinha [Australiana], ou organismos privados, possam ser descobertos segredos que jazem no fundo do Oceano Indico e que nos ajudarão a descobrir a história marítima dos últimos quinhentos anos. Em 1964, assumi um trabalho de pesquisa linguística como Membro Associado do Instituto Australiano de Estudos Aborígenes na Austrália Ocidental tendo escolhido as áreas tribais dos Ngarluma e dos seus vizinhos Karriera, juntamente com tribos mais interiores tais como os Yindjiparndi, baseado nas características peculiares dos idiomas utilizados por estes grupos. A zona ocupada por estas tribos tem uma área costeira de mais de 120 km entre o arquipélago de Dampier e o rio de Grey, passando por uma cordilheira montanhosa chamada Hammersley. O comportamento linguístico totalmente anómalo destas tribos diz respeito a gramática e conceitos de acção verbal.
    8.1 A maioria das tribos aborígenes australianas dispõe de conceitos ergativos onde a ênfase se concentra na acção verbal sobre o objecto. Contrastando com isto as tribos Ngarluma, Karriera e outras utilizam um conceito verbal europeu, com ênfase na acção nominativa do sujeito e o objecto no acusativo. Isto torna-se ainda mais interessante ao verificarmos que estas tribos utilizam a voz passiva, inexistente em qualquer outra tribo australiana. Outra peculiaridade no triângulo verbal Ngarluma- Karriera é a existência no seu vocabulário de palavras de origem Portuguesa, que já não são consideradas como palavras estrangeiras pelos contemporâneos e portanto devem ter sido adquiridas há muito tempo.
    De uma lista de sessenta (60) palavras idênticas às suas versões portuguesas, seleccionarei aqui apenas dezasseis (16):
    (P) tartaruga ->(N, K) thatharuga. O termo português deriva do grego tartarouxos (do diabo), do latim tartarukus, do italiano tartaruga, do espanhol tartuga. Esta palavra foi criada dentro do simbolismo cristão. Curiosamente quer o Português, quer os dialectos Ngarluma e Karriera distinguem dois sons de "r",
    um rolado e outro dobrado, o que acontece em poucos idiomas no mundo. Uma das razões da aceitação de uma palavra estrangeira pode resultar da importância ecológica da tartaruga ao longo de toda a costa do noroeste. Os portugueses e os aborígenes dependiam dela como meio de obterem comida, e elas encontram-se em inúmeras ilustrações aborígenes em rochas, desde a foz do rio de Grey até à península Burrup. Dado não haver qualquer influência italiana na Austrália de antanho a única origem possível para o termo tem de ser portuguesa.
    (P)chama, ->(N, K) thama, pronunciado tchama
    (P)fogo, fogueira ->pugara (pron. fugara) (Y, Yindjiparndi) -> puua/pughara,
    (P)cinza->(N, K, Y) tynda pron. Cindza,
    (P)monte->(N, K, Y, Pnj ) monta / manta,
    (P)fundo->(N, Y) punda pron. Funda,
    (P)paludismo->(N) paludi significando águas paradas, pântano, poça,
    (P)mal->(N) malu, significando mal, diabo, cobra má que morde, raia
    (P)pintura->(K) pintyura significando pintura, desenho,
    (P)tardar->(N, Y) thardari, significando tornar-se lento, hesitar, demorar,
    (P)manjouro->(N, K) mandyara, manyara, manya (pron. manjiara, manja),
    significando caminho ou calha para beber ou comer,
    (P)caço, caçoila, caçarola->(N) Kadyuri pron. Caçiula
    (P)perdição->(N, K, M Manduthurnira) perdidya, perdalya, perdadya, significando
    vingança, morte secreta, combate mortal, perda mortal,
    (P)bola (esfera para jogar)->(N, K, Y) p/bula significando redonda, bola,
    (P)tecto->(N, K) thatta significando o mesmo que o original em Português,
    (P)por->(N, K) puru, significando através, atrás, por trás ou sob como aposição (oposto
    a preposição, ou seja utilizado após e não antes). Em Português "por tecto" e
    em Ngarluma Karriera "Hatta puru", ambas com o mesmo significado.
    9. AS BALAS DE CANHÃO
    Existem várias balas de canhão escondidas em vastas áreas ocupadas pelos Ngarluma-Karriera Pandjima, e embora a sua força ou valor mágico não possa aqui ser discutido por motivos óbvios, poderemos concentrar-nos no seu valor linguístico. Ngarupungku significa literalmente atirar e esmagar, embora originalmente as tribos aborígenes nada tivessem para projectar as balas de canhão, feitas de material granítico.
    Uma das pessoas que me ajudava respondeu-me em Karriera-Ngarluma que as balas estavam por toda a parte, ao fundo de uma colina na ilha Depuch e que estavam lá desde tempos imemoriais, num campo sagrado, tal como citado por Robert Churnside, Roeburn em 18/9/67.
    Gordon Mackay registava em 15/9/1967: "As balas foram desde tempos perdidos na memória trazidas de onde estavam junto ao mar. Todos os anciãos respeitáveis respondiam que as balas estavam todas numa certa área da ilha Depuch, que era terreno sagrado. Uma das balas que eu vi tinha 12 centímetros de diâmetro, e segundo testes recentes era de granito."
    Dada a natureza geológica da região, ou as balas faziam parte do balastro de navios ou eram de facto balas de canhão. Se eram balas, o local onde foram descobertas era o local óbvio de naufrágio de um navio. Dezenas de anos mais tarde as balas de canhão continham ferro e eram de calibre diferente das utilizadas no século XVI. Os Portugueses ocuparam Goa em 1510, Malaca em 1511 e as Malucas ou Ilhas das Especiarias em 1512. Timor foi descoberto por António de Abreu entre 1511 e 1515, sendo o enclave de Oé-cusse e a capital, Lifau, ocupados em 1516. Uma das razões para os portugueses, sempre tão secretos em assuntos marítimos, se manterem ainda mais silentes a sul das Malucas, era a de ali se situar a linha divisória da metade portuguesa e da metade espanhola do mundo.
    Esta é uma das razões porque tão poucos mapas portugueses eram publicados, mas em 1529, o francês Jean Parmentier da escola cartográfica de Dieppe rumou com pilotos portugueses para Samatra onde morreria. Dois dos barcos da sua expedição regressaram e, em consequência disso dois mapas portugueses, até então desconhecidos, foram publicados com inúmeros mapas derivados desses mapas portugueses.
    Já em 1957, O. H. K. Spate, publicava em Melbourne a obra "Terra Australis - cognita?", na qual dizia que não havia dúvidas de que o Mapa Delfim, e versões posteriores tinham por origem fontes portuguesas desconhecidas, e que vários estudiosos e académicos haviam já aceitado a hipótese de a Austrália ter sido descoberta pelos portugueses no século XVI. Num dos mapas aparece um porto, na foz de um rio, a que é dado o nome de Porto do Sul (em francês Havre de Sylla), que parece localizar-se na foz do rio Fitzroy em Vitória.
    Dado o potencial marítimo dos portugueses até ao mar de Timor, deve ser assumido que qualquer nau na costa noroeste será portuguesa, e este facto torna-se mais evidente, como vimos atrás, pela herança linguística deixada. O cenário possível é o de os portugueses terem naufragado na ilha Depuch e estabelecido contacto com as tribos Ngarluma e Karriera, sem terem tido a oportunidade de construírem novo barco que lhes possibilitasse o regresso.
    Eventualmente aceites pelos nativos, ter-se-iam acasamentado, daí derivando a razão de as mulheres e filhos reproduzirem termos portugueses utilizados pelos pais, as quais acabariam ao longo do tempo por permear as línguas indígenas, como atrás foi visto.
    Na opinião do professor von Brandenstein "Este naufrágio terá ocorrido entre 1511 e 1520 na região da ilha Depuch." Cinquenta anos antes de os holandeses surgirem no oceano Índico, em 1616, 1618, 1619 e 1622na costa ocidental da Austrália, os portugueses utilizaram a rota de Java, com pilotos indianos deGoa. O livro "História Trágico Marítima", de Bernardo Gomes de Brito, Lisboa, 1735-1732, conta a história de uma segunda viagem à Austrália ocorrida em 1560-1561, que culminou com o naufrágio da nau São Paulo, tal como narrado pelo sobrevivente, o apotecário Henrique Dias. De acordo com este, os portugueses conheciam os ventos da região, 50 anos antes da primeira chegada dos holandeses e entre 1557 e 1558 a nau São Paulo utilizou a rota de sudoeste no regresso à Índia.
    Na viagem de 1560 – 1561, a São Paulo foi mais para sul e leste, chegando até 900 milhas para ocidente da costa ocidental da Austrália antes de regressar a Samatra onde naufragou. O piloto de Goa, nesta segunda viagem tinha directivas do rei de Portugal que parecem levar a concluir a importância desta nova rota.
    Um outro aspecto socioeconómico particularmente único dos Ngarluma e Karriera é o do método de cultivo e armazenamento, que se não encontra noutras tribos. Sob a supervisão dos "líderes idosos (venerandos anciãos) " toda a tribo utiliza contentores de forma cilíndrica, da mesma altura e diâmetro, para recolher os grãos de spinifex ("Triodia sp."). Os grãos são depois contados e esvaziados em caves secas e frescas, sendo constantemente guardados. A sua distribuição era feita de acordo com as necessidades de justiça social, atribuindo primeiro aos mais velhos e depois aos mais jovens. Isto permitia-lhes nunca depender das faltas sazonais, criadas pela variação climática e isto penso que só poderia ter sido introduzido como um método português.
    10. APÊNDICE: LISTAGEM DOS NOMES PORTUGUESES DE ILHAS E DE
    PONTOS GEOGRÁFICOS
    A fim de ilustrar os nomes dados pelos Portugueses às novas terras pátrias dos grupos tribais afro-australianos em Avós de Barra e Avós de Baía, no arquipélago Buccaneer, elaborou-se por ordem
    alfabética a seguinte lista de trinta nomes de ilhas e de pontos geográficos, dados em Português
    (Port.), Crioulo (Creo), tradução para Inglês (Et.) e nomenclatura inglesa (Em):
    (Port.) Ambí(guo) (e)streito -> (Creo) Yambi
    (Et.)Ambiguous Strait = Yampi Sound (vários acessos e saídas )
    (Port.) Baía (ver Baía Colher e Ilhas de Baía)
    (Et.)Bay (vd. Collier Bay Is. e Collier Bay)
    (Port.) Baía segura -> (Creo) ?
    (Et.)Secure Bay (Em) Secure Bay
    (Port.) Baía Maior ideei -> (Creo) Baia Myridi
    (Et.)·(The) Bay I thought (to be) larger (Em.) Myridi Bay
    (Port.) Barra (Ilhas da Barra) -> (Creo) Bara
    (Et.)bar, Breakwater, Reef (Em.) Montgomery Is., Breakwater
    (Port.) Bi lancha -> (Creo) Bila:nya ver Bilha unha (Port.)
    (Et.)Twin Launch (Em.) Cockatoo Is.
    (Port.) Bilha Foliam -> (Creo) Bilya Wuliam
    (Et.)Twin island (where) they fool around = (Em.) The Sisters, 3 km. East of Koolan Is.
    (Port.) Ilha Colham -> (Creo) Ilya Ko:lan
    (Et.)island where they should strike sails (Em.) Koolan Is.
    (Port.) Ilha de Ciciar -> (Creo) Cissiarr ?
    (Et.)island of Whispering = (Em.) Cæsar Is. (18 km. NW das ilhas Koolan).
    (Port.) Bilha unha -> (Creo) Bila:nya (ver Bi lancha )
    (Et.) Twin Is. holding fast = (Em.) Cockatoo Is.
    (Port.) Ilha costeiam -> (Creo) Ilya Kutjun
    (Et.)·(The) island they can coast along by = (Em.) Rankin Is. até às ilhas da Baía a 400 m. da costa.
    (Port.) Galés irá -> (Creo) Galij irra
    (Et.) (Island where) the slaves will go = (Em.) MacLeay Is.
    (Port.) Ilha Meloa mais -> (Creo) Melomys
    (Et.)·(Island where) mostly round melons (are) = (Em.) Melomys Is. para as ilhas da Baía
    >(Em.) Wood Is.
    (Port.) Ilha Mel o Mais -> (Creo) Melomys
    (Et.)·(Island) most ( of which ) is honey = (Em.) Melomys Is., Woods Is.
    (Port.) Nu Monstro -> (Creo) Numuntju
    (Et.) Naked Monster - uma rocha no farol da ilha Cafarelli. É possível que o nome "Naked Monster" seja moderno e dado pelos Yawuji Bara antes de 1931. À falta de melhor comprovativo uma pedra de aspecto e formato peculiar poderá ter levado os portugueses a denominar de Ilha do Nu Monstro.
    (Port.) Ilha do Pó Doido -> (Creo) Pudu:du
    (Et.)island of the Painful Dust = (Em.) Bathurst Is.
    (Port.) Ilha Sítio Lancha -> (Creo) Tjitulanj
    (Et.)island site of a launch (Em.) Gibbings Is. no canal Goose.
    (Port.) Ilha Travessa -> (Creo) I’lya trrawetja ?
    (Et.) Contrary Winds Is. (Em.) Traverse Is. as ilhas da Baía.
    (Port.) Ilha Vão Ganir -> (Creo) Wanga’ni:
    (Et.)·(Island) where you shall howl in vain = (Em.) Irvine Is. a mais próxima a este de Cockatoo Is.
    (Port.) Ilha Vinhei (imperativo dialéctico obsoleto)
    (Port.) Ilha Venhi! (imperativo plural) -> (Creo) ?
    (Et.) Come Back (to this island) (Em.) Viney Is. às ilhas de Baía.
    (Port.) Ilhas de Baía -> (Creo) I'lyaji Baia
    (Et.) Islands of (Collier) Bay (Em.) Collier Bay Is.
    (Port.) Ilhas de Barra -> (Creo) I’lyaji Bara
    (Et.) Islands of the Bar/Breakwater/Reef (Em.) Montgomery Is.
    (Port.) Ilhas de Carnagem -> (Creo) Gar'rrena:t
    (Et.)Islands of Bloodshed / Meat provisions = (Em.) Bedford Is.
    (Port.) O Canal -> (Creo) Canal ?
    (Et.)The Canal = (Em.) The Canal, lado sul da ilha Koolan
    (Port.) Onda Maranha -> (Creo) Unda Marra
    (Et.)Wave (flood) turbulence = (Em.) Foam Passage, NW da Baía de Collier.
    (Port.) Ponta Nariz -> (Creo) Punta Nares
    (Et.) Point Nose = (Em.) Nares Point, SW da ilha Koolan na
    Angra de Yampi.
    (Port.) Varar -> (Creo) Wa'rar tb utilizado em Wunambal
    (Et.) To run her aground (ship) = (Em.) a noroeste e norte de Kimberley
    (Port.) Vago ->(Creo) Wa:ko [N.B. Tindale 1974:146 mapa]
    (Et.) Empty, unoccupied = (Em.) um vasto espaço vazio a cerca de 6 km da Angra de Yampi no continente, assinalado por N. B. Tindale com um ponto.
    Sugiro que ele não tenha compreendido a mensagem do seu informador de fala crioula Yawuji Bara, que apenas queria informá-lo que nada havia para buscar. A má interpretação de Tindale de Wa:ko como nome de lugar, marcado com um ponto no mapa, demonstra a
    existência de um povo com nome português utilizado pelos Yawuji na época contemporânea.
    (Port.) Vista Encare -> (Creo) Widzh inka'rri
    (Et.) I/He should keep the view (from here) under strict observation! (Eu/Ele deve manter-se em vigia (daqui)
    Quererá isto dizer de Freshwater Cove, no continente, até sudoeste em High Cliff (Altas Escarpas) e para o mar, ou ao contrário de High Cliff Is., para noroeste em Freshwater Cove? De qualquer forma, o nome demonstra o papel desempenhado pelos Yawuji para os
    Portugueses. Sue O'Connor dá o nome crioulo de Widgingarri, mas o nome em português Vista Encare [pronunciado Vishtaencarre] é bem significativo. Ela localiza-o em Freshwater Cove, a 13 km das ilhas High Cliff (Altas Escarpas).
    11. NOTAS FINAIS
    Seria desejável acrescentar aqui, outra lista com as regras da conversão fonética de Português Puro para Português Crioulo. A razão pela qual a mesma não é incluída baseia-se na vasta gama de palavras de diferentes regiões, que será necessário subdividir - mais tarde ou mais cedo - sob o nome de Crioulo Português. Pode acontecer que o Crioulo de origem afro-australiana aborígene difira entre o grupo Jaui através do vocabulário que eles tomaram de empréstimo. Seria extremamente difícil definir tais variações em função da origem tribal.
    Como exemplo, pode citar-se uma área localizada entre a cordilheira Óscar e o rio Fitzroy onde se falava Punaba. O nome desta área é mantido pelos aborígenes como Mowanban, que é assumido como um nome Punaba. Admitindo contudo que esta região foi sempre uma via de tráfego importante para todos os movimentos de aborígenes ou recém chegados até às duas últimas décadas do século XIX, será importante lembrar o avanço dado pelos colonos portugueses de 1520 e depois de 1580 nesta área. Mowanban não era uma palavra Punaba, mas
    Português Puro Movam bane, uma ordem significando "se eles se moverem ou ficarem impacientes vejam-se livres deles." É exactamente disto que os poucos contemporâneos Punaba se queixam, com excepção de um pequeno detalhe: desde metade do século passado até metade deste século (o último caso aconteceu em 1940, de acordo com E. Kolig 1987:17) "a polícia do homem branco e os seus "guias" mataram-nos."
    11.1 Os portugueses que ali ficaram tinham-se visto livres deles [Punaba]. Este é um caso típico de uma palavra obtida por empréstimo de outra língua que pode trazer à mente – aparte o valor histórico – a necessidade de fazer uma mais detalhada busca linguística de Português na região dos Kimberley.
    11.2 Limitaram-se aqui todas as explicações ao problema dos afro-australianos da tribo Yawuji, ou seja, os Antepassados da Barra e da Baía num período de 470 anos. Espero que para fazer o mesmo para o vale do rio Fitzroy e áreas adjacentes, em especial se se tiver o apoio de arqueólogos demore bastante mais, mas poderá inclusive proporcionar resultados mais positivos e quiçá menos trágicos.
    11.3 Falta agora apenas quem possa fazê-lo e seguir as pisadas do professor von Brandenstein.
    O desafio aqui fica, a herança portuguesa dos AVÓS DE BARRA e AVÓS DE BAÍA assim o exige de todos nós para que a História seja reescrita em toda a sua plenitude e os nossos vindouros saibam.
    11.4 Desde há mais de 25 anos que tento divulgar estas teorias que deveriam encher de orgulho e justificado interesse em aprofundar tais estudos, todos os que se interessam pela língua, cultura e história portuguesas mas apenas escutei o silêncio cúmplice dos que se sentem culpados do Tratado de Tordesilhas ter sido violado. Recordemos que até 1832 a Inglaterra não reconheceu como suas as possessões da Austrália Ocidental aguardando que Portugal as reclamasse. Quem sabe se hoje não teríamos metade deste enorme continente a falar Português? Decerto que muitos dos cerca de um milhão de aborígenes poderiam não ter sido exterminados como foram e a Austrália poderia ser mais multirracial do que é. Este era o tema do tal documentário ficcionado que apresentei à televisão SBS., e à ABC. Ambas as teses aqui delineadas hoje deviam constar dos programas curriculares portugueses como já constam de muitos dos programas australianos.
    **********************************************************************************************************
    Imagem 6: o MAPA Delfim 1536: The Portuguese Discovery of Australia Kenneth McIntyre
    Imagem 13 A região dos Kimberley onde von Brandenstein coloca as tribos
    Imagem 11 Ruínas em Nova Gales do Sul (The Portuguese Discovery of Austrália, Kenneth McIntyre)
    Imagem 9 Canhão Português do séc. XVI Austrália Ocidental (The Portuguese Discovery of Australia.
    Kenneth McIntyre)
    Imagem 15 Java a Grande ou Austrália? (The Portuguese Discovery of Australia, Kenneth McIntyre)
    Imagem 23: (Mapa Delfim pormenor (The Portuguese Discovery of Australia, Kenneth McIntyre)
    Imagem 17 Kenneth McIntyre foto da TIME 20 Dec 1992
    Imagem 4 A Austrália em 1536 de acordo com McIntyre, The Australian, 27 March 1992)
    Imagem 20 Carta de Carl Georg von Brandenstein ao autor
    J. CHRYS CHRYSTELLO
    Sócio MEEA/AJA (Australian Journalists' Association) 1983; affiliated with IFJ (Int’l Federation of Journalists; Sócio AUSIT (Australian Institute of Interpreters & Translators) affiliated with FIT (Fédération Internationale des Traducteurs); Sócio CATS/ACT (Association Canadienne de Traductologie); Sócio AIETI (Asociación Ibérica de Estudios de Traducción e Interpretación); Sócio SLP (Sociedade de Língua Portuguesa, Lisboa).
    drchryschrystello@GMAIL.COM;
    Web: http://OZ2.COM.SAPO.PT
    © TRABALHO COMPLETO 1984-2006
    Bibliografia:
    1. Robert Osbiston, jornal Sydney Morning Herald, 19 Nov.º 1988
    2. Biblioteca Mitchell, Sydney
    3. Royal Australian Historic Society
    4. Australian Dictionary of National Biography,
    5. New Universal Encyclopedia
    6. The Story of Australia, A.G.I. Shaw ed. Faber & Faber
    7. Frank Bren, The Bulletin, Janeiro, 1988
    8. Hal Colebatch, The Bulletin, Novembro, 1987
    9. Carol Henty, The Bulletin, Dezembro, 1987
    10. John Stackhouse, The Bulletin, Julho, 1984
    11. Denis Reinhardt, The Bulletin, Novembro, 1985
    12. Leslie Marchant, France Australe, Artlook Books, Perth, 1982
    13. Colin Wallace, The Lost Australia of François Peron,
    Nottingham Court Press.
    14. Kenneth Gordon McIntyre "The Secret Discovery of Australia (Descoberta Secreta da Austrália)", Souvenir Press, S.A., Austrália
    15. Phillip Derriman, "The Sydney Morning Herald", Sydney, edição de 30 Julho 1983
    16. W. A. R. Richardson, "Camões, Vasco da Gama, Portugal & Australia", Flinders, University of South Australia, 81
    17. Brandenstein, C. G. von 1967 A situação linguística na região de Pilbara - passada e presente. Pacific Linguistics, Papers in Australian Linguistics #2, Série A,
    Occasional Papers #11, Camberra, páginas 1 a 20 a.
    18. Brandenstein, Carl G. von 1989 (The First Europeans on Australia's West Coast), Boletim do Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau #3, páginas 169 - 188,
    19. 1989 The First Europeans on Australia's West Coast, Boletim do Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau #3, páginas 189 - 206.
    20. Derriman, Philip 1990 Why Western Australia's Aborigenes are speaking Portuguese, jornal Sydney Morning Herald, 30 Julho 1990.
    21. Derriman, Philip 1992 Creole echoes from our Past, Sydney Morning Herald, 9 Maio 1992.
    22. Birdsell, Joseph B. 1954, M S Field Notes (na posse de J. B. B.)
    23. Birdsell, Joseph B. 1954, M S Field Notes (na posse de J. B. B.)
    24. Reader's Digest 1988, Illustrated History of South Africa - The real story. About the Malays página 50.
    25. Coate, H. H. J. 1966, The Rai and the Third Eye - north west Australian beliefs, publicado em Oceania,
    37,2:93 - 123, dorge páginas 103 - 104 texto 1.328 sq.
    26. Fernandez-Armesto, Felipe 1991, Atlas of World Exploration, The Times, Times Books, página 146 (Sobre as actividades de Rodrigues). [N. do T.: 1520].
    27. Tindale, Norman B. 1974, Aboriginal Tribes of Australia, p 241 Djaui.
    28. Urry, James e Walsh, Michael 1981, The lost Macassar language of Northern Australia, Aboriginal History vol. 5, 1-2:91-108.
    29. Ryder, Bernard C. 1936, Wild Life in the far
    North West), Walkabout, Janeiro, 1, p. 32 e 33.
    30. Love, J. R. B. 1936, Stone Age Bushmen of Today: Life and Adventure among a Tribe of Savages in North Western Australia, Blakie, Londres. [Curiosamente não citado por Norman B. Tindale em Tribos Aborígenes da Austrália, 1974].
    31. Tindale, Norman B. 1974 Tribos Aborígenes da Austrália, University of California Press, página 153
    Os marinhos Wunambal ...visitando os corais e dunas desde Long Reef chamavam a estes " Warar ".
    32. Faria y Sousa, E. de – Ásia Portuguesa, Porto, 1590-1607, traduzido para Inglês por J. Stevens, 1694, Londres.
    33. Kolig, E. 1987, The Noonkanbah Story, University of Otago Press, Dunedin, Nova Zelândia página 17.
    34. Artigos resumidos originalmente publicados na revista Nam Van, Macau, #4 de 1 de Setembro de 1984, na revista "Macau", #10 de Abril de 1988, Este trabalho segue trabalhos do Prof. Dr. Carl von Brandenstein. Ao texto base, revisto, editado e compilado, foram acrescidas, anotações, dados de pesquisa e investigação e explicações descritivas.
    Nota do Autor 1: Kenneth Gordon McIntyre, OBE, MA, LL. B (Melb), Comendador da Ordem do Infante, nasceu em Geelong, nos arredores de Melbourne, estado de Vitória, sendo Leitor de Literatura Inglesa na Universidade de Melbourne, entre 1931 e 1945, tendo-se dedicado, a partir daí, a uma bem-sucedida prática de advocacia, sendo Assessor do Governo em assuntos legais, e Presidente da Câmara Municipal de Box Hill. Sempre interessado na Língua e Literatura Portuguesas, dedicou a sua reforma ao estudo de antigos documentos portugueses. O primeiro resultado deste labor foi "A Descoberta Secreta da Austrália" publicado pela Souvenir Press, 1977, no qual prova que os primeiros europeus a descobrirem a Austrália haviam sido os Portugueses no século XVI e não o Capitão Cook que apenas atracou em 1770. Graças a este livro o General Ramalho Eanes (então Presidente Português) concedeu-lhe a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique, o navegador.
    N.A. 2.:"Português" ou "Português Puro" significa neste contexto a língua praticada em pleno século XVI, com a ortografia moderna adoptada (desde 1947). Crioulo Português é a língua portuguesa, léxica e gramaticalmente Português Puro mas falada, isto é, pronunciada e acentuada de acordo com a fonologia aborígene.
    N.A. 3. O spinifex é um arbusto nativo, tipo relva com espinhas aceradas, que só se encontra em certas regiões da Austrália e que pode chegar a atingir dois metros de altura.
    N. do T. 1.: Outras palavras de origem portuguesa são BARRADA, CABRA MARRA, BARRIL, CUCA
    BARRA, LOMBADINHA, CURA, CULINA, CULUNA, BARANDA, BINGARA


    adescobertadaaustraliapelosportugueses

  15. #15
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Imagem 6: o MAPA Delfim 1536: The Portuguese Discovery of Australia Kenneth McIntyre




    Imagem 13 A região dos Kimberley onde von Brandenstein coloca as tribos



    Imagem 11 Ruínas em Nova Gales do Sul (The Portuguese Discovery of Austrália, Kenneth McIntyre)



    Imagem 9 Canhão Português do séc. XVI Austrália Ocidental (The Portuguese Discovery of Australia. Kenneth McIntyre)



    Imagem 15 Java a Grande ou Austrália? (The Portuguese Discovery of Australia, Kenneth McIntyre)



    Imagem 23: (Mapa Delfim pormenor (The Portuguese Discovery of Australia, Kenneth McIntyre)



    Imagem 17 Kenneth McIntyre foto da TIME 20 Dec 1992


    Imagem 4 A Austrália em 1536 de acordo com McIntyre, The Australian, 27 March 1992)




    Imagem 20 Carta de Carl Georg von Brandenstein ao autor


    Bibliografia:
    1. Robert Osbiston, jornal Sydney Morning Herald, 19 NOV.º. 1988
    2. Biblioteca Mitchell, Sydney
    3. Royal Australian Historic Society
    4. Australian Dictionary of National Biography,
    5. New Universal Encyclopedia
    6. The Story of Australia (A História da Austrália) A. G. I. Shaw ed. Faber & Faber
    7. Frank Bren, The Bulletin, Janeiro, 1988
    8. Hal Colebatch, The Bulletin, Novembro, 1987
    9. Carol Henty, The Bulletin, Dezembro, 1987
    10. John Stackhouse, The Bulletin, Julho, 1984
    11. Denis Reinhardt, The Bulletin, Novembro, 1985
    12. Leslie Marchant, France Australe, Artlook Books, Perth, 1982
    13. Colin Wallace, The Lost Australia (A Austrália Perdida de) of François Peron, Nottingham Court Press.
    14. Kenneth Gordon McIntyre “The Secret Discovery of Australia (Descoberta Secreta da Austrália)”, Souvenir Press, S.A., Austrália
    15. Phillip Derriman, “The Sydney Morning Herald”, Sydney, edição de 30 Julho 1983
    16. W. A. R. Richardson, “Camões, Vasco da Gama, Portugal & Australia”, Flinders University of South Australia, 81
    17. Brandenstein, C. G. von 1967 A situação linguística na região de Pilbara - passada e presente. Pacific Linguistics, Papers in Australian Linguistics #2, Série A, Occasional Papers #11, Camberra, páginas 1 a 20 a.
    18. Brandenstein, Carl G. von 1989 Os primeiros Europeus a chegarem à costa ocidental da Austrália (The First Europeans on Australia's West Coast), Boletim do Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau #3, páginas 169 - 188,
    19. 1989 The First Europeans on Australia's West Coast, Boletim do Museu e Centro de Estudos Marítimos de Macau #3, páginas 189 - 206.
    20. Derriman, Philip 1990 Why Western Australia's Aborigenes are speaking Portuguese ( Porque é que os Aborígenes da Austrália Ocidental estão a falar Português), jornal Sydney Morning Herald, 30 Julho 1990.
    21. Derriman, Philip 1992 Creole echoes from our Past ( Ecos Crioulos do nosso passado), Sydney Morning Herald, 9 Maio 1992.
    22. Birdsell, Joseph B. 1954, M S Field Notes ( na posse de J. B. B.)
    23. Birdsell, Joseph B. 1954, M S Field Notes ( na posse de J. B. B.)
    24. Reader's Digest 1988, Illustrated History of South Africa - The real story. About the Malays página 50 ( História Ilustrada da Africa do Sul - A História Real. Notas sobre os Malaios.
    25. Coate, H. H. J. 1966, The Rai and the Third Eye - north west Australian beliefs ( O Rai e o olho do meio - crenças do noroeste australiano ), publicado em Oceania, 37,2:93 - 123, dorge páginas 103 - 104 texto 1.328 sq.
    26. Fernandez-Armesto, Felipe 1991, Atlas of World Exploration ( Atlas das Descobertas no Mundo ), The Times, Times Books, página 146 (Sobre as actividades de Rodrigues)..[N. do T.: 1520].
    27. Tindale, Norman B. 1974, Aboriginal Tribes of Australia (Tribos aborígenes da Austrália ), p 241 Djaui.
    28. Urry, James e Walsh, Michael 1981, A língua perdida de Macassar da Austrália do Norte (The lost Macassar language of Northern Australia), Aboriginal History (História Aborígene) vol. 5, 1-2:91-108.
    29. Ryder, Bernard C. 1936, A vida selvagem no extremo noroeste (Wild Life in the far North West), Walkabout, Janeiro, 1, p. 32 e 33.
    30. Love, J. R. B. 1936, Os homens do mato da Idade da Pedra hoje: vida e aventura entre uma tribo de selvagens na Austrália do Noroeste (Stone Age Bushmen of Today: Life and Adventure among a Tribe of Savages in North Western Australia), Blakie, Londres. [ Curiosamente não citado por Norman B. Tindale em Tribos Aborígenes da Austrália, 1974 ].
    31. Tindale, Norman B. 1974 Tribos Aborígenes da Austrália, University of California Press, página 153 Os marinhos Wunambal ... visitando os corais e dunas desde Long Reef chamavam a estes “ Warar “.
    32. Faria y Sousa, E. de – Ásia Portuguesa, Porto, 1590-1607, traduzido para Inglês por J. Stevens, 1694, Londres.
    33. Kolig, E. 1987, The Noonkanbah Story, University of Otago Press, Dunedin, Nova Zelândia página 17.
    34. Artigos resumidos originalmente publicados na revista Nam Van, Macau, #4 de 1 de Setembro de 1984, na revista "Macau", #10 de Abril de 1988, Chrys Chrystello. Este trabalho segue trabalhos do Prof. Dr. Carl von Brandenstein. Ao texto base, revisto, editado e compilado, foram acrescidas, anotações, dados de pesquisa e investigação e explicações descritivas

    Nota do Autor 1: Kenneth Gordon McIntyre, OBE, MA, LL. B (Melb), Comendador da Ordem do Infante, nasceu em Geelong, nos arredores de Melbourne, estado de Vitória, sendo Leitor de Literatura Inglesa na Universidade de Melbourne, entre 1931 e 1945, tendo-se dedicado, a partir daí, a uma bem sucedida prática de advocacia, sendo Assessor do Governo em assuntos legais, e Presidente da Câmara Municipal de Box Hill. Sempre interessado na Língua e Literatura Portuguesas, dedicou a sua reforma ao estudo de antigos documentos portugueses. O primeiro resultado deste labor foi “A Descoberta Secreta da Austrália” publicado pela Souvenir Press, 1977, no qual prova que os primeiros europeus a descobrirem a Austrália haviam sido os Portugueses no século XVI e não o Capitão Cook que apenas atracou em 1770. Graças a este livro o então Presidente Português General Ramalho Eanes concedeu-lhe a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique, O navegador.

    Nota do Autor 2.:Português” ou “Português Puro” significa neste contexto a língua praticada em pleno século XVI, com a ortografia moderna adoptada (desde 1947). Crioulo Português é a língua portuguesa, léxica e gramaticalmente Português Puro mas falada, isto é, pronunciada e acentuada de acordo com a fonologia aborígene.

    Nota do Autor 3. O spinifex é um arbusto nativo, tipo relva com espinhas aceradas, que só se encontra em certas regiões da Austrália e que pode chegar a atingir dois metros de altura.

    N. do T. Outras palavras de origem portuguesa são BARRADA, CABRA MARRA, BARRIL, CUCA BARRA, LOMBADINHA, CURA, CULINA, CULUNA, BARANDA

    paraverimagenscliqueaqui

  16. #16
    Avatar de juan vergara
    juan vergara está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    24 sep, 08
    Mensajes
    2,441
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Excelente aporte Hyeronimus!

  17. #17
    Avatar de Ultramar
    Ultramar está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    24 ago, 10
    Ubicación
    Nueva Castilla
    Mensajes
    113
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Fascinante , muy buen aporte...Saludos en Xto.
    “Si hace trescientos años el jardín florecía,
    pródigo de perfumes, florece todavía........”

    Santa Rosa de Lima - Primera Santa de America.

  18. #18
    Avatar de Irmão de Cá
    Irmão de Cá está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    08 sep, 08
    Mensajes
    2,209
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Aporte muy rigoroso y completo, Hyeronimus. Muchas gracias.

    De hecho, sólo una malévola ficción podría hacer creer que los portugueses que han descubierto medio mundo para la Cristiandad - inclusas las Islas Filipinas, Indonesias y la isla de Timor donde quedaron por cinco siglos - no habrían también descubierto la isla/continente de Australia.

    Las hazañas de los marinos portugueses de la Edad de Oro cada vez más me impresionan; así como las de los soldados españoles de ese mismo tiempo. Como es posible que un pueblo (unos y otros son lo mismo pueblo) para quien el imposible no existía por que existía Dios, se contente ahora en ser la alfombra del mundo, donde todos se arrogan pisar y ensuciar?

    "A força dos males nacionais, já sem limites, não me deixou escolher: a honra não me permitiu ver por mais tempo em vergonhosa inércia a majestade real, ultrajada e feita ludíbrio dos facciosos, todas as classes da nação com diabólico estudo deprimidas, e todos nós o desprezo da Europa e do mundo, por um sofrimento que passaria a cobardia; e em lugar dos primitivos direitos nacionais que vos prometeram recobrar em 24 de Agosto de 1820, deram-vos a sua ruína, o rei reduzido a um mero fantasma; a magistratura diáriamente despojada e ultrajada; a nobreza, à qual se agregaram sucessivamente os cidadãos beneméritos e à qual deveis vossa glória nas terras de África e nos mares da Ásia, reduzida ao abatimento, despojada do lustre que outrora obtivera do reconhecimento real; a religião e seus ministros objecto de mofa e escárnio.

    Eia portugueses, uma mais longa prudência seria infâmia!
    (...)

    S.M.F. El-Rei D. Miguel I - Vila Franca de Xira, 27 de Maio de 1823
    res eodem modo conservatur quo generantur
    SAGRADA HISPÂNIA
    HISPANIS OMNIS SVMVS

  19. #19
    Avatar de Hyeronimus
    Hyeronimus está desconectado Miembro Respetado
    Fecha de ingreso
    16 ene, 07
    Mensajes
    19,347
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Según tengo entendido, en el maremoto de 1755 se perdió muchísima documentación, dado que la Casa de la India funcionaba en la Ribera, y sin duda recibió todo el embate del tsunami consiguiente al terremoto. Seguramente habría en alguno de aquellos edificios bastante información que se perdió para siempre ya que, dado el secreto con que lógica y comprensiblemente se llevaba todo lo relacionado con los descubrimientos, no habría copias. Mapas y documentos relativos no solo a Australia, sino a muchas otras tierras y mares.

  20. #20
    Avatar de combatcatalà
    combatcatalà está desconectado Miembro graduado
    Fecha de ingreso
    12 nov, 12
    Ubicación
    Corona d'Aragó, Principat de Catalunya, L'Hospitalet de Llobregat
    Edad
    27
    Mensajes
    182
    Post Thanks / Like

    Re: Australia descubierta por los portugueses

    Libros antiguos y de colección en IberLibro
    Yo he oído que Australia la descubrieron los chinos, los holandeses....... a quien creer?

Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo

Información de tema

Usuarios viendo este tema

Actualmente hay 1 usuarios viendo este tema. (0 miembros y 1 visitantes)

Temas similares

  1. Los marranos: ¿víctimas o victimarios de España?
    Por Erasmus en el foro Historia y Antropología
    Respuestas: 193
    Último mensaje: Hace 2 semanas, 19:56
  2. Australia Contra Los Musulmanes.
    Por Valmadian en el foro Noticias y Actualidad
    Respuestas: 24
    Último mensaje: 17/11/2017, 13:15
  3. Portugueses en la División Azul :
    Por Ordóñez en el foro Historiografía y Bibliografía
    Respuestas: 3
    Último mensaje: 14/11/2012, 00:56
  4. Contra el Iberismo: Apuntes para una Epifanía Ibérica
    Por Lo ferrer en el foro Temas de Portada
    Respuestas: 216
    Último mensaje: 12/11/2012, 03:19
  5. Contra El Iberismo: Apuntes Para Una EpifanÍa IbÉrica
    Por cruz_y_fierro en el foro Portugal
    Respuestas: 1
    Último mensaje: 08/05/2006, 17:04

Permisos de publicación

  • No puedes crear nuevos temas
  • No puedes responder temas
  • No puedes subir archivos adjuntos
  • No puedes editar tus mensajes
  •